Porto Velho (RO) sexta-feira, 27 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Polícia

Polícia conclui diz que corpo de bebê foi incinerado por engano


Gente de Opinião

O delegado Jeremias Mendes (d) explica como as investigações foram conduzidas

A Polícia Civil de Rondônia anunciou ontem, entrevista coletiva, o desfecho do inquérito instaurado para esclarecer o desaparecimento do recém-nascido Nicolas Naitz Silva, que foi dado como desaparecido em maio deste ano, em Porto Velho. A criança, segundo certidão de óbito, morreu em consequência de infecção e asfixia ocorrida antes do parto, e o cadáver foi incinerado por engano.

Segundo o delegado o delegado Jeremias Mendes de Souza, da Delegacia de Crimes Contra a Vida (DECCV), três pessoas foram indiciadas por algum tipo de responsabilidade no desaparecimento do recém-nascido. Ele explicou ainda que confrontou informações e realizou reconstituições antes de concluir o inquérito.

O diretor geral da Polícia Civil, delegado Pedro Mancebo, explicou que houve um erro no procedimento para descartar material hospitalar e pedaços de corpos, por isto, o cadáver de Nicolas acabou sendo levado para o incinerador.

Pelo que ficou apurado, Nicolas nasceu num hospital do município de Candeias do Jamary, mas, em decorrência de problemas detectados no parto, foi transferido para o Hospital Regina Pacis, em Porto Velho, onde morreu. O corpo foi levado para o Hospital de Base Ary Pinheiro, que possui geladeira, onde o cadáver seria mantido até serem cumpridas as medidas burocráticas e ser liberado para a família. Entretanto, foi recolhido por engano por funcionários da empresa Amazon Fort, que é responsável pela incineração de material hospitalar.

Falsidade

Gente de Opinião

As investigações foram iniciadas pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), onde foram ouvidos médicos, enfermeiros, zeladores, seguranças, diretores de unidades médicas, além dos funcionários da incineradora Amazon Fort e a família da vítima.

No decorrer das investigações, testemunhas afirmaram que viram o corpo do recém-nascido na incineradora, mas que não foi permitida a retirada do cadáver, conforme norma da empresa.

Uma médica e uma enfermeira foram indiciadas por falsidade ideológica, pois informaram no atestado de óbito que a criança nasceu em uma ambulância. Segundo a Polícia Civil, a criança nasceu em um hospital do município de Candeias do Jamari.
 



Fonte
Texto: Nonato Cruz
Fotos: Ésio Mendes
Decom - Governo de Rondônia

Mais Sobre Polícia

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

O 5º Batalhão de Polícia Militar de Rondônia (5º BPM – Batalhão Belmont) realiza, nesta sexta-feira (23), às 19h, a formatura militar alusiva ao seu

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Na manha de hoje (21), a Polícia Rodoviária Federal participou da Operação Arinna, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime O