Porto Velho (RO) terça-feira, 1 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Justiça

Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento é lançado pelo CNJ

Analistas do TJRO integram grupo de desenvolvimento


Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento é lançado pelo CNJ - Gente de Opinião

Lançado no último dia 15, pelo Conselho Nacional de Justiça - CNJ, o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento – SNA substituirá o Cadastro Nacional de Adoção – CNA e o CNCA – Cadastro Nacional de Crianças em Abrigo. O Tribunal de Justiça de Rondônia possui 91 adoções e 55 vinculações registradas. Ainda, nesta semana, serão concluídas as migrações dos cadastros para o novo Sistema.

O processo do SNA é conduzido pela juíza auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça do CNJ Sandra Silvestre, desde 2016 – com workshops – até o lançamento do sistema piloto, em agosto de 2018, com a participação dos Tribunais de Justiça da Bahia, Paraná, São Paulo, Espírito Santo e Rondônia, em algumas varas.

Contribuição de Rondônia

O SNA teve como base o sistema Siga do Tribunal de Justiça do Espírito Santo e os estados pilotos contribuíram com o envio de analistas de sistemas para participarem do projeto. O TJRO elencou os analistas Félix Rodrigues e Paulo Jorge, conforme resolução do CNJ, para criar o grupo de trabalho, em 2018.

Por meio do SNA, o pretendente à adoção ganha acesso na internet, onde realiza um pré-cadastro. A partir daí, formaliza sua inserção na Vara da Infância e da Juventude e pode acompanhar a sua posição na fila.

A expectativa é que o SNA proporcione melhor acompanhamento e transparência de todo o processo de acolhimento da criança em instituição ou família acolhedora, pois o sistema, além de focar totalmente na criança, tem alertas que chamam a atenção sobre o que falta nas fases específicas, bem como o tempo de aguardo.

De acordo com o analista Félix Rodrigues, uma das funcionalidades de destaque na solução é “a vinculação automática entre criança e pretendente, com envio de mensagem eletrônica aos envolvidos no processo. Tudo isso nos âmbitos municipal, estadual e nacional, além de possibilitar melhor gerenciamento das adoções internacionais”.

Félix avalia que “só o fato da mudança de foco – que antes era no processo (destituição/adoção) e agora passa a ser na criança – já garante um ganho significativo, mas a filosofia do sistema com seus alertas, envio de mensagens e vinculação automática, além de melhor acompanhamento pela CGJ e juízes, faz com que o sistema dê celeridade a todos os processos, proporcionando que as crianças fiquem melhor assistidas”.

Mais Sobre Justiça

Operação Bonifrate - Ministério Público, Polícia Civil e Secretaria de Finanças deflagram operação de combate à sonegação fiscal

Operação Bonifrate - Ministério Público, Polícia Civil e Secretaria de Finanças deflagram operação de combate à sonegação fiscal

O Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Grupo de Atuação Especial

Operação cumpre mandados judiciais contra advogados envolvidos com o crime organizado

Operação cumpre mandados judiciais contra advogados envolvidos com o crime organizado

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estado de Rondônia (GAECO/MPRO) e a Polícia Civil do Estado de R

Contágio de motorista de ambulância por Covid-19 é reconhecido como doença ocupacional pela Justiça do Trabalho

Contágio de motorista de ambulância por Covid-19 é reconhecido como doença ocupacional pela Justiça do Trabalho

O juízo da 5ª Vara do Trabalho de Porto Velho (RO) reconheceu o nexo causal em contaminação por Covid-19, como doença ocupacional, a motorista de ambu