Porto Velho (RO) sexta-feira, 27 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Justiça

Juízes coordenadores de concurso de redação sobre justiça e cidadania continuam visitas a escolas estaduais pela capital e interior de Rondônia


Juízes coordenadores de concurso de redação sobre justiça e cidadania continuam visitas a escolas estaduais pela capital e interior de Rondônia - Gente de Opinião

A Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (Emeron) continua, nesta semana, as visitas às escolas da rede estadual de ensino participantes do concurso de redação “Justiça e cidadania também se aprendem na escola: meu conhecimento faz justiça”, dentro do projeto Cidadania e Justiça na Escola, uma parceria da Emeron com a Associação dos Magistrados de Rondônia (Ameron) e Secretaria de Estado da Educação (Seduc). Nas visitas, magistrados do Tribunal de Justiça de Rondônia ministram palestras sobre temas relacionados à temática do concurso, como cidadania, educação e direitos. 

 

 Na tarde de segunda (24), quatro escolas de Porto Velho participaram das atividades: Colégio Tiradentes da Polícia Militar – Unidade VII, Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Ulisses Guimarães, Professor Daniel Neri da Silva, com palestra sobre justiça e cidadania ministrada pelo juiz Adolfo Theodoro Naujorks Neto; e Mariana, onde o juiz Flávio Henrique de Melo abordou violência e abuso sexual.

 

Na Tiradentes, o diretor da Emeron, desembargador Marcos Alaor Diniz Grangeia, falou sobre o sistema de justiça e também sobre cidadania. Ele apresentou alguns entes do sistema, como a Polícia Civil, o Ministério Público e o judiciário, explicando a atuação de cada um e também quem os compõem. O magistrado ressaltou que conhecer o funcionamento de cada instituição é uma das formas de cidadania, pois permite que o cidadão saiba a quem recorrer para a garantia de seus direitos.

Marcos Alaor também falou sobre o voto consciente como manifestação de cidadania, evidenciando a importância de os jovens participarem do processo político. “Questionem os candidatos, conheçam os planos deles para o bairro de vocês, sugiram as melhorias que vocês identificam no dia a dia e, quando eles ganharem, cobrem, acompanhem o que está sendo feito. Participem ativamente do processo democrático para que vocês vejam os resultados”, afirmou.

Já na Escola Ulisses Guimarães, a juíza Kerley Regina Ferreira de Arruda Alcântara reforçou o convite para que os alunos participem do concurso, destacando o projeto como uma oportunidade de aprendizado. “Não é a premiação da bicicleta que é o valor, o valor é a oportunidade de estar aprendendo, porque aquilo que você aprender, não se tira. E às vezes, aquilo que você escreveu abre portas muito maiores do que você possa imaginar”.

Na manhã de ontem (25), foi a vez da EEEFM Prof.ª Flora Calheiros Cotrin receber a juíza Silvana Maria de Freitas para falar sobre justiça e cidadania. Até a próxima sexta-feira (28), outras cinco escolas na capital receberão a visita dos magistrados. Paralelo às atividades em Porto Velho, as comarcas do interior do estado também têm realizado palestras e visitas dos alunos nas unidades do judiciário. A intenção é que cerca de 10 mil alunos do 1º ano do ensino médio sejam atingidos pelo projeto.  

Mais Sobre Justiça

Operação Bonifrate - Ministério Público, Polícia Civil e Secretaria de Finanças deflagram operação de combate à sonegação fiscal

Operação Bonifrate - Ministério Público, Polícia Civil e Secretaria de Finanças deflagram operação de combate à sonegação fiscal

O Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Grupo de Atuação Especial

Operação cumpre mandados judiciais contra advogados envolvidos com o crime organizado

Operação cumpre mandados judiciais contra advogados envolvidos com o crime organizado

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estado de Rondônia (GAECO/MPRO) e a Polícia Civil do Estado de R

Contágio de motorista de ambulância por Covid-19 é reconhecido como doença ocupacional pela Justiça do Trabalho

Contágio de motorista de ambulância por Covid-19 é reconhecido como doença ocupacional pela Justiça do Trabalho

O juízo da 5ª Vara do Trabalho de Porto Velho (RO) reconheceu o nexo causal em contaminação por Covid-19, como doença ocupacional, a motorista de ambu