Porto Velho (RO) quarta-feira, 25 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Polícia

Hermínio Coelho diz que operação policial é retaliação de seus desafetos


A operação desencadeada hoje (04.07) pela Polícia Civil na Assembleia Legislativa de Rondônia, foi entendida pelo deputado Hermínio Coelho, como um ato de truculência, ao generalizar as denúncias, e tentar envolvê-lo de qualquer forma em atos criminosos, inclusive formação de quadrilha. Disse o deputado que já havia feito pronunciamento de que por incomodar os poderosos, os corruptos instalados no Governo, ele certamente seria alvo de retaliações.

O deputado Hermínio Coelho disse que estava se posicionando rigorosamente no que diz respeito a sua pessoa. Para ele, a operação é um jogo sujo do Governo, uma retaliação, pelo fato de suas denúncias incomodarem autoridades governamentais e praticamente inviabilizar uma candidatura a reeleição do atual governador.

Destaca o deputado Hermínio Coelho que várias questões devem ser analisadas para se fazer um juízo de valor sobre o caso. “Coincidentemente a operação ocorre quando ele se encontra ausente do Estado e em tratamento médico. Um dia antes da operação, coincidentemente o governador entrega o cargo para o vice-governador. O fato da operação ocorrer uma semana após a Assembleia Legislativa ter aprovado uma Proposta de Emenda Constitucional – PEC, de sua autoria, promovendo mudanças na escolha de conselheiro para o Tribunal de Contas, cargo este cobiçado pelo secretário de Segurança”, declarou.

Para Hermínio Coelho o que acontece hoje faz parte do jogo sujo da política. “Incomodei os poderosos, atrapalho muito a bandalheira praticada dentro do Governo, e a resposta dele está aí, com um inquérito altamente questionável e que acabou sendo acatado por um membro do Tribunal de Justiça, mesmo sem o aval e a concordância do Ministério Público”, ressaltou.

Continuando afirmou que a estratégia é desgastá-lo perante a opinião pública, e a prova reside no fato do inquérito originário ter partido de um órgão ligado ao combate ao narcotráfico. “Não posso falar pelos demais deputados, mas não tenho e nunca tive nada relacionado a drogas. Mas é uma forma de tentar enganar a população, me envolvendo com estes fatos e com bandidos já conhecidos da Polícia”, disse.

Quanto as nomeações de assessores, o deputado Hermínio Coelho destacou que como gestor administrativo da Assembleia Legislativa cabe a ele a assinatura dos atos de nomeações, destacando não ter como rejeitar encaminhamentos de deputados, para nomeação e lotação de assessores em seus respectivos gabinetes. “Agora cabe ao deputado responder sobre a atuação de seus assessores. Caso tivesse recebido denúncia determinaria a apuração dos fatos. Mas daí a me envolver em organização criminosa, existe um distanciamento muito grande”, ressaltou.

Ao final, Hermínio Coelho disse ser favorável a qualquer tipo de investigação, e é muito bom para que o povo tome conhecimento de minha atuação como gestor público, agora o que não posso admitir são leviandades, artimanhas, manobras de envolver pessoas ligadas a mim, para provocar desgaste político, para satisfazer os governantes de plantão. “Se tem coisa errada tem que denunciar, investigar, agora tem que fazer a coisa certa, e não se usar casos concretos para envolver pessoas inocentes. Estou retornando a Porto Velho por nada temer, e só então vou analisar quais os procedimentos a serem adotados”, concluiu.  

 Fonte: Ascom
 

Mais Sobre Polícia

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

O 5º Batalhão de Polícia Militar de Rondônia (5º BPM – Batalhão Belmont) realiza, nesta sexta-feira (23), às 19h, a formatura militar alusiva ao seu

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Na manha de hoje (21), a Polícia Rodoviária Federal participou da Operação Arinna, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime O