Porto Velho (RO) sábado, 5 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Polícia

Fazendeiros de Rondônia roubam madeiras de MT


As madeiras de Mato Grosso estão atravessando a fronteira de Rondônia sem pagar imposto, sem nenhuma fiscalização nem tampouco qualquer controle ambiental. Nem mesmo a Operação Arco de Fogo, que passou a ser desenvolvida permanentemente na região Norte de Mato Grosso, tem impedido a ação ilegal de fazendeiros.

Os crimes ambientais foram detectados durante operação realizada pela Polícia Militar em conjunto com a Defensoria Pública, com o objetivo de garantir tranquilidade na reintegração de famílias da Cooperativa Roosevelt.

O que chamou a atenção é que a falta de fiscalização é tamanha, que os fazendeiros sequer escondem o “tráfico de madeira”. Ainda de acordo com o defensor público Rogério Farias, que acompanhou a ação no município de Colniza (1.065 km a Noroeste de Cuiabá), quem manda na região são essas pessoas de Rondônia.

“É impressionante o número de caminhões de madeira que saem dali sem nenhuma autorização. Vai tudo para Rondônia sem recolher um centavo de imposto. Nossa floresta está indo embora para o estado vizinho e ninguém fala nada. (...) Naquela região, quem manda e desmanda são pessoas de Rondônia. Eles levam a madeira na cara dura, dia e noite tem caminhões puxando madeira”, informou, por meio da assessoria.

Na mesma operação também foram constatados diversos crimes ambientais, como garimpos irregulares, desmates e queimadas ilegais. A Defensoria Pública deve encaminhar cópia dos documentos, inclusive com fotos, para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), pedindo uma providência.

No entanto, a situação na região já é de conhecimento do governo federa, que também pouco tem feito a respeito. A maioria dos conflitos que ocorre na região é gerada pela disputa por madeiras nobres. Uma das fazendas mais visadas na região é a Bauru, palco de duas chacinas, em 2008 e 2009.

Além do problema dos conflitos e dos crimes ambientais recorrentes, outra irregularidade muito comum na região é o trabalho escravo, principalmente, nos garimpos ilegais da região. Muitos trabalhadores saem de estados como Roraima e Pará com a promessa de vida melhor, mas acabam contraindo dívidas impagáveis e viram reféns de pistoleiros. Algumas ações de fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho foram realizadas, mas a situação é recorrente, diante da impunidade.

O defensor também promete cobrar, ao governo do Estado, uma fiscalização mais efetiva na região. Uma das recomendações é a criação de um posto da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) na região. No entanto, diante das inúmeras denúncias, já é tempo de o monitoramento seja reforçado.

“O relatório da polícia chegou recentemente em nossas mãos, e com base nele vamos instruir todos esses pedidos de providências, pelo menos para que o Estado se faça presente naquela região”, promete o defensor.

Fonte: Alline Marques/ Olhar Direto
 

Mais Sobre Polícia

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

O 5º Batalhão de Polícia Militar de Rondônia (5º BPM – Batalhão Belmont) realiza, nesta sexta-feira (23), às 19h, a formatura militar alusiva ao seu

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Na manha de hoje (21), a Polícia Rodoviária Federal participou da Operação Arinna, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime O