Porto Velho (RO) domingo, 29 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Polícia

Deputado afirma que há regime de escravidão na PM


O deputado Jesuíno Boabaid (PTdoB) denunciou de ontem, terça-feira (5), durante sessão plenária da Assembleia Legislativa, o que chamou de regime de escravidão imposto pelo Comando Geral da Polícia Militar, ao obrigar policiais a trabalhar além da carga horária, mas sem nenhum remuneração. A denúncia acabou ensejando uma série de contestações por parte de vários parlamentares.

De acordo com o deputado Jesuíno Boabaid, o comandante geral, juntamente com a cúpula da PM, havia assumido compromisso na Assembleia Legislativa de não reduzir o intervalo entra a escala de serviço dos policiais militares, mas no entanto, alguns dias após, o discurso foi esquecido, e está impondo a redução do período de descanso, promovendo um verdadeiro massacre.

Para o parlamentar, trata-se de uma escala abusiva, que vem acontecendo em todos os quartéis da PM no Estado, diante da grande quantidade de eventos que estão acontecendo e a falta de efetivo.

Explicou ele que a situação tende a se agravar diante das próximas aposentadorias, quando policiais vão para a reserva remunerada.

O deputado Jesuíno Boabaid destacou que recentemente esteve na Secretaria Estadual de Planejamento (Seplan) reivindicando a autorização para que os aprovados em recente concurso público sejam convocados para fazer a academia, mas não obteve resposta satisfatória. Ainda de acordo com o parlamentar, a sobrecarga de trabalho pode acarretar aos policiais problemas de saúde, inclusive psicológicos. “Na situação atual, o policial trabalha como escravo, sem receber”, declarou.

O deputado disse ser preciso uma mudança operacional na PM, pois apesar das promoções recentes de oficiais, apenas os tenentes e praças estão indo para rua trabalhar, enquanto os oficiais de capitão a coronel ficam em gabinetes. Disse ele, que um tenente ocupa o cargo de comandante de policiamento na capital, quando este posto deveria ser ocupado por um coronel. “Os oficiais precisam também trabalhar, pois só vai para rua de tenente pra baixo. É preciso reforçar o policiamento, e a PM não pode reclamar, pois tem hoje 18 coronéis, profissionais capacitados para este reforço de policiamento”, concluiu.

Apartes

O deputado Dr. Neidson (PTdoB) destacou que a reclamação é generalizada na área de segurança pública e que recentemente apenas cinco policiais faziam o trabalho de ronda em Guajará-Mirim.

O deputado Adelino Follador (DEM) destacou que foi testemunha quando o Comando Geral da PM assumiu compromisso de não reduzir o período de descanso e cobrou a urgente contratação de novos policiais.

Ainda durante o pronunciamento de Jesuíno Boabaid, o deputado Lazinho da Fetagro (PT) fez um aparte, destacando que o trabalho voluntário não resolve o problema da falta de efetivo da PM, sendo o mesmo que tapar o sol com a peneira. Ele defendeu novas contratações.

A deputada Lúcia Tereza (PP) concordou que o serviço voluntário vai esgotar o policial militar. “O governo tem que contratar novos policiais para suprir esta defasagem. O governador é que deve assumir esta responsabilidade e dar condições de trabalho na área de segurança pública. O governo tem que chamar com urgência pelo menos 600 aprovados para fazer academia”, concluiu.

Fonte: Carlos Neves                          

Mais Sobre Polícia

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

O 5º Batalhão de Polícia Militar de Rondônia (5º BPM – Batalhão Belmont) realiza, nesta sexta-feira (23), às 19h, a formatura militar alusiva ao seu

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Na manha de hoje (21), a Polícia Rodoviária Federal participou da Operação Arinna, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime O