Porto Velho (RO) segunda-feira, 9 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente

Estudo mostra que o Brasil pode “descarbonizar” sua economia até 2060


Foto Portal Saneamento Básico - Gente de Opinião
Foto Portal Saneamento Básico

Estudo apresentado na 24ª Conferência das Partes (COP-24) da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima mostra que o Brasil pode até 2060 “descarbonizar” sua economia – isto é, zerar suas emissões líquidas de gases efeito estufa. Segundo a pesquisa, o país deve focar na drástica redução das emissões relacionadas às mudanças de uso da terra.

Realizado pelo Fórum Brasileiro de Mudança do Clima (FBMC), o estudo “Brasil Carbono Zero em 2060” foi apresentado na terça-feira (11) durante a COP-24, em Katowice, na Polônia. A pesquisa foi coordenada por Emílio La Rovere, do Centro do Clima do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O relatório indica que para descarbonizar sua economia e contribuir para a contenção do aquecimento global, o Brasil precisará priorizar o combate ao desmatamento ilegal, o reflorestamento de áreas degradadas pelo pasto, a agricultura de baixo carbono e a redução drástica da queima de combustíveis fósseis, especialmente no setor dos transportes.

Segundo o secretário-executivo do FBMC, Alfredo Sirkis, o relatório foi desenvolvido a pedido do Governo Federal em agosto de 2018, quando o Fórum apresentou sua proposta para a implementação da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Brasil para o Acordo de Paris. Na ocasião, o presidente Michel Temer (PMDB) solicitou uma avaliação do que seria necessário para o Brasil zerar suas emissões líquidas até 2060.  

“A estratégia proposta para 2060 não só permite ao Brasil cumprir sua parte em relação à contenção das mudanças climáticas em um nível não-catastrófico como sugere oportunidades econômicas importantes na medida em que nosso país está singularmente bem posicionado para enfrentar, com vantagens competitivas, o desafio da descarbonização das economias no âmbito global”, escreveu Sirkis na apresentação do relatório.

De acordo com as estimativas realizadas pelos pesquisadores, a descarbonização da economia em 2060 deverá se basear na redução drástica das emissões de mudanças de uso da terra – associadas especialmente ao desmatamento florestal –, que passariam a ser negativas já em 2030. Para isso, será preciso reduzir esse tipo de emissão em 153% até 2060, em relação aos níveis registrados em 2005.

“Nesse período, as emissões se reduzem em 26% no setor de transportes e aumentam 50% no setor de indústria, 17% no setor de oferta de energia, 10% no setor de resíduos e 9% no setor de Agricultura. Nos demais setores – Residencial, Comercial e Agrícola, as emissões crescem 13%”, diz o estudo.

OPORTUNIDADE PARA O BRASIL

O relatório destaca que o enorme potencial de recursos naturais renováveis do Brasil transformam a transição para uma economia de baixo de carbono em uma oportunidade, permitindo ao mesmo tempo que o país contribua com o esforço mundial para alcançar os objetivos de longo prazo do Acordo de Paris.

“Uma estratégia de desenvolvimento do Brasil no longo prazo compatível com a limitação do aumento da temperatura global a 1,5ºC não implicaria necessariamente consequências econômicas e sociais significativamente negativas para o país, se implantada através de políticas públicas apropriadas”, diz o texto.

A pesquisa aponta que os impactos macroeconômicos e sociais da descarbonização dependem não só dos custos das opções de mitigação, mas também dos instrumentos econômicos, financeiros e de comando e controle usados para viabilizar sua adoção.

“Para viabilizar o ambicioso cenário aqui desenhado, é crucial adotar uma precificação das emissões de gases de efeito estufa, sinalizando para os agentes econômicos o valor da redução de suas emissões, através de uma taxa de carbono, ou de outros instrumentos, como um mercado de cotas comercializáveis de emissões, e condições favorecidas de crédito para os projetos de mitigação”, conclui o relatório.

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente

Concluída a proteção das margens do rio Madeira

Concluída a proteção das margens do rio Madeira

A Santo Antônio Energia acaba de concluir a obra de proteção das margens do rio Madeira, denominada tecnicamente de enrocamento. A proteção feita com

Bicicletas garantem agilidade nos trabalhos na Hidrelétrica Santo Antônio

Bicicletas garantem agilidade nos trabalhos na Hidrelétrica Santo Antônio

Bicicletas estão agilizando os trabalhos dos operadores da Hidrelétrica Santo Antônio que precisam percorrer várias vezes ao dia as longas galerias da

Usina Hidrelétrica Jirau recebe estudantes do IFRO

Usina Hidrelétrica Jirau recebe estudantes do IFRO

Estudantes do Curso de Eletrotécnica do Instituto Federal de Rondônia (IFRO), Campus Porto Velho, visitaram a Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau e conhe

Porto Velho - Pacuera irá nortear o desenvolvimento da região do entorno do reservatório da hidrelétrica

Porto Velho - Pacuera irá nortear o desenvolvimento da região do entorno do reservatório da hidrelétrica

A Santo Antônio Energia está atualizando o Plano de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório da hidrelétrica (Pacuera). O documento é um estudo ex