Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

Eleições 2018

Gosto das previsões de wilson, o gomes - Por Luciana Oliveira


No Almanqueiras, por Wilson Gomes – Os brasileiros dizem que odeiam polarização, que gostamos de acordos e negociações para evitar impasses e sobretudo um nível destrutivo de conflito. E dizem que precisamos encontrar uma saída para o caos político em que fomos lançados pela catástrofe do impeachment. Dizem. Na prática o que vemos é outra coisa. Vejam as intenções de voto. Há 13 candidatos, mas os preferidos são o campeão do antipetismo e o candidato do lulismo, o Lula putativo. Provavelmente, estarão em um duelo no segundo turno. Para quem está nos pólos, parece um cenário animador, a chance de derrotar finalmente o inimigo.

Para quem não acha que eleição é um vídeo game de combate, contudo, este é um cenário de pesadelo. O bolsonarismo e/ou “o golpe” (como alguns preferem) não desapecerá uma vez que Haddad ganhe a eleição. É a mais nova força política nacional, gostemos disso ou não, nas ruas, nas plataformas digitais ou nos parlamentos. O lulismo tampouco vai ser morto se Bolsonaro for eleito. O lulismo veio para ficar e não morrerá por causa de Moro (antes, ao contrário), de uma derrota presidencial ou até mesmo de uma eventual morte de Lula. O lulismo, creio, permanecerá, mutatis mutandis, como uma espécie de peronismo à brasileira.

E os três grupos (bolsonarismo + “o golpe” x lulismo) continuarão as escaramuças, a espiral de radicalização e o ciclo interminável de massacres, retaliações e o demandas de reparação. Em um governo Bolsonaro não me surpreenderia o ressurgimento de Comandos de Caça aos Comunistas no dia seguinte. E temo que mesmo um Haddad mais moderado e muito mais inteligente seria empurrado pela fúria retaliadora lulista para um ajuste contas. Pelo que se depreende dos lulistas online, há fúria e sede de compensações.

PS. Se quiserem me chamar de Cassandra ou Regina Duarte, fiquem à vontade. Nunca tive medo de tomar a posição menos popular. Em 2013 ganhei inimigos porque disse que aquilo iria matar o ciclo hegemônico da esquerda e iria chocar perigosos ovos de serpente. Infelizmente eu estava certo. Em 2015-2016 ganhei inimigos e desapreço pq, apesar de não gostar do governo de Dilma Rousseff, acreditava que não haveria legitimidade ou ganhos democráticos no impeachment e que o sistema política iria demorar anos para se recuperar desse trauma. Lastimavelmente eu estava certo. Não queria magoar corações petistas que enfim estão empolgados com a possibilidade de uma volta por cima por meio de uma vitória eleitoral. Mas se tal coisa acontecer, posso viver com isso.

Mais Sobre Eleições 2018

Sindafisco elege nova diretoria nesta quinta-feira, 8/11

Sindafisco elege nova diretoria nesta quinta-feira, 8/11

Nesta quinta-feira, 8 de novembro, acontecerá a votação para eleger a nova diretoria do Sindicato dos Auditores Fiscais de Tributos Estaduais de Ron

Bolsonaro detona Folha no Jornal Nacional

Bolsonaro detona Folha no Jornal Nacional

Presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) atacou a Folha de S. Paulo nesta segunda-feira, 29, em entrevista ao Jornal Nacional; em discurso acalorado, Bo