Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Saudade


Por Humberto Pinho da Silva
 

Vivo de saudade, dos vivos e dos mortos. Dos vivos, que se perderam no turbilhão da vida; dos mortos, que conheci…; e até das casas e lugares que desapareceram, sinto saudade…

Saudade do menino que fui, do tempo de infância, quando pela mimosa mão de minha mãe, ia à cidade.

Como gostava de passear pelas ruas do Porto! …As montras iluminadas, os carros deslizando pela calçada, as pessoas, a confusão, a luz, as cores vistosas dos vestidos … Tudo para mim, para meus olhos de criança, era um encanto.

Certa ocasião, ao dobrar a rua das Flores – então conhecida pelo ouro, – para os Loios, minha mãe escorregou. Quase caiu. Amparei-a.

Virando-se para mim, muito séria, disse: - “ Se não fosses tu, tinha caído…” – Fiquei orgulhoso! …Teria seis anos. Não mais.

Saudade dos meses quentes de Verão, que passei na Vilariça, na simpática “ Quinta do Bem “…

Dos animais, da vida agrícola, mormente do tanque de pedra, de água corrente, toldado de densa parreira, convidando-me à preguiça; à delícia da sonolência…nas cálidas tardes de Estio.

Saudade do Nero. Canzarrão meigo, amigo sincero, que sempre permanecia junto de mim. De noite dormia estendido na soleira da porta, porque não o deixavam entrar.

Saudade da velha e amiga cidade de Bragança, onde permaneci quatro longos anos, que foram os melhores e os piores da minha existência.

Saudade, saudade que lasca o coração e se enraizou na memória, sinto daquela que foi para mim, a melhor amiga:

Tinha nos olhos sorrisos e ingenuidade. Boca pequenina. Lábios cor-de-rosa. Por eles saíam ternas palavras que faziam sonhar…

Por que boa fada não encantou, para sempre, num sonho perpétuo, o quadro familiar?! … - Ela sorrindo, eu, enlevado na beleza, na graciosidade de uma criança amorosa…

Saudade das tardes de sábado, quando visitava velhas senhoras. Poder correr livremente ao redor do pessegueiro, sentido o perfume adocicado de roseiras floridas, e a glicínia, de grandes e vistosos cachos roxos, espiando a rua, debruçada em tosco muro de pedra.

Saudade de certo mês de Dezembro, que passei na Parede. Época dolorosa, mas que despertou sentimentos que não conhecia…

Saudade do Manuel Maria, e dos amenos passeios por velhos becos e vielas tripeiras…

Saudade de Roma. Do reconfortante silêncio do claustro, vendo monges deslizarem pelos corredores, envoltos numa luz misteriosa e silenciosa. - “ Aquele fraterno é um santo…como já não há!...” – Disse-me o meu companheiro.

Saudade de Frei António, sempre prestável, sempre afável, a mostrar-me belos rincões da Cidade Eterna.

Saudade da Pauliceia. Das pessoas que conheci, e das figuras simpáticas que me apresentaram: - “ Você é português?! … Então é quase brasileiro…” afirmou-me arquitecto de Porto Alegre.

Saudade de Itanhaém. Da casinha amorosa, que ficava perdida, em verduras, na Praia dos Sonhos…

Ai, nesse bocadinho de terra abençoada, convivi com a que se tornou companheira de jornada.

Saudade do velho prédio de alforge, que tinha quase duzentos anos, onde nasci…e da humilde casinha de Sumaré…

Saudade dos mortos, que legaram o que sou e o que sei.

Tudo e todos vivem dentro de mim…. Neste corpo envelhecido, que sofre dia e noite…

Todos me deixaram um pouco. Devo-lhes o que fui e o que sou.

A todos agradeço. Todos se encontram entranhados neste cansado coração…

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.