Porto Velho (RO) quarta-feira, 5 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Rondônia

Pesca esportiva pode ser praticada novamente nas regiões do Alto e Baixo Madeira, e no Guaporé


Desde que respeitada a regra de não aglomeração, pesca esportiva pode ser praticada em vasta extensão do estado - Gente de Opinião
Desde que respeitada a regra de não aglomeração, pesca esportiva pode ser praticada em vasta extensão do estado

Já é animadora, a situação dos entusiastas da pesca esportiva no Estado de Rondônia. Com a revogação do Decreto nº 25.138 de 15 de junho de 2020, pescadores amadores e profissionais podem retomar normalmente a rotina.

A pesca está liberada para municípios que alcançaram a fase 2 da retomada de atividades comerciais e desportivas.

Segundo o chefe da Coordenadoria de Proteção Ambiental da Secretaria Estadual do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), Jander Moro, respeitando as regras, a atividade esportiva pode ser praticada nas regiões do Alto e Baixo Madeira, e no Guaporé, fronteiriço à Bolívia.

Disse que a pesca ocupa há muitos anos um território muito vasto no município de Porto Velho, e de Guajará-Mirim [a 362 quilômetros da Capital, às margens do rio Mamoré], até a foz do Rio Cabixi, na divisa dos estados de Rondônia e Mato Grosso.

Além do município de Porto Velho, a maior concentração de pescadores profissionais no estado acontece em Costa Marques, Pimenteiras do Oeste, Vila Neide [no município de Cabixi, Porto Rolim [no município de Alta Floresta d’Oeste] e São Francisco do Guaporé.

Desta maneira, os locais visitados por pescadores permanecem os mesmos, sob vigilância da Sedam. O órgão assegura que não haverá aglomeração de pessoas, o que ainda facilita a propagação do novo coronavírus.

Jander Moro informou que a fiscalização será feita semanalmente, em alternância, nos rios do estado. “Uma semana em cada um”, ele explicou. Na semana passada ele mesmo visitou a região do Guaporé.

O coordenador reiterou a exigência de carteira para pescadores amadores desembarcados, e o uso apenas dos apetrechos comuns e autorizados. Eles devem utilizar vara simples, anzol e linha de mão.

Já os profissionais devem ter carteira e guia de transporte para o pescado, no limite de 600 quilos por semana na região de Porto Velho e 70 quilos, entre as cabeceiras dos rios Cabixi e São Miguel, na região do Guaporé.

 

“É preciso que todos eles fiquem atentos à captura de peixes que não estejam fora da medida e não acampem a beira-rio, porque isso pode ser prejudicial, já que estamos em período de queimada”, alertou Moro.

 

Para o pescador Lairton Lopes, a revogação do Decreto anterior “foi ótima”, coincidindo com a diminuição do nível do rio e com o final do defeso, ocorrido em abril passado.

 

“A decisão do governador Marcos Rocha é significativa, ele teve a feliz compreensão com os pescadores, pois eles não se aglomeram, atuam em áreas livres, em contato com o rio e a natureza”, assinalouLopes.

 

Defeso é o período em que as atividades de caça, coleta e pesca esportivas e comerciais ficam vetadas ou controladas.  Ele é estabelecido de acordo com o período em que os animais se reproduzem na natureza.

Durante a pandemia do novo coronavírus, o Decreto nº 25.138 de 15 de junho de 2020 determinou o distanciamento social controlado para prevenção à Covid-19, especificou critérios para a reabertura do comércio e liberou de determinadas atividades.

Mais Sobre Rondônia

Morre um dos grandes pioneiros do comércio de Rondônia

Morre um dos grandes pioneiros do comércio de Rondônia

Apesar de afastado, faz algum tempo, por decisão própria, para formação de seus sucessores, da direção de seu principal negócio, a Toca do Coelho, o

SENAI abre edital de credenciamento para empresas rondonienses

SENAI abre edital de credenciamento para empresas rondonienses

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) colocou à disposição o credenciamento de pessoas jurídicas que possuam capacidade técnica compro

Apenas seis municípios rondonienses tinham esgotamento sanitário por rede coletora em 2017

Apenas seis municípios rondonienses tinham esgotamento sanitário por rede coletora em 2017

Os municípios de Porto Velho, Alvorada do Oeste, Ariquemes, Cacoal, Cerejeiras e  Guajará-Mirim são os únicos de Rondônia apresentados pelo Instituto