Porto Velho (RO) sábado, 28 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Rondônia

DCE/UNIR promove seminário temático sobre a questão feminina

Evento pretende celebrar o 8 de março e debater a violência contra as mulheres na atualidade.


DCE/UNIR promove seminário temático sobre a questão feminina - Gente de Opinião

O Diretório Central dos Estudantes – DCE, da Universidade Federal de Rondônia – UNIR, realizará na próxima terça-feira, 10 de março, a partir da 19h, o Seminário intitulado “A LUTA DE CLASSES E A QUESTÃO FEMININA NA ATUALIDADE”. O evento propõe debater e denunciar a violência cotidiana contra as mulheres no campo, os processos de resistência das mulheres no campo e na cidade, além de celebrar o 8 de março como data histórica do dia internacional da mulher proletária. O formato do evento é de mesa de debate com mulheres indígenas, camponesa e estudantes, além de pesquisadores que abordam a temática. Após a exposição inicial haverá espaço para perguntas, intervenções e debate. Os organizadores do evento emitirão certificado de participação aos presentes ao final da atividade.

HISTÓRICO DO 8 DE MARÇO

Uma data especial celebrando a luta de resistência da mulher proletária, da mulher das classes oprimidas e exploradas em todo o mundo, foi proposta por Clara Zetkin — dirigente do Partido Comunista da Alemanha e da Internacional — na Conferência de Mulheres Socialistas realizada em Copenhague (Dinamarca) em 1910.

A Conferência tratava da luta ideológica e política do proletariado e das demais classes oprimidas e exploradas no caminho da revolução socialista e, de maneira particular, da importância da participação massiva das mulheres proletárias nesta luta. A proposta de criação de um dia especial a ser celebrado internacionalmente, portanto, representava o crescimento da luta operária e do povo em todo o mundo e a crescente presença da mulher nesta luta naquele momento.


Desta forma, o Dia Internacional da Mulher Proletária foi idealizado e votado pelas militantes do movimento feminino popular e revolucionário a partir da concepção revolucionária da luta pela emancipação feminina. Ou seja, que a libertação da mulher só é possível com a libertação de toda sua classe, e que esta libertação é obra das próprias mulheres das classes oprimidas e não uma concessão das classes opressoras. Por isso as militantes do movimento feminino popular e revolucionário não falam de nenhuma maneira de um movimento de todas as mulheres, não propõem a conciliação de classes.

Para essas militantes revolucionárias, ao contrário do que afirma o feminismo burguês, o Dia Internacional da Mulher refere-se às mulheres proletárias e das demais classes oprimidas, como as camponesas e a intelectualidade progressista, as estudantes e professoras, o que, longe de restringir o universo feminino, representa a imensa maioria das mulheres em todo o mundo: metade da imensa população mundial de operários, camponeses e trabalhadores explorados e oprimidos pelo imperialismo.

A utilização desta data pelo feminismo burguês é combatida pelas proletárias, pelas mulheres do povo da cidade e do campo que trabalham sob o chicote dos homens e mulheres da burguesia e do latifúndio. É combatida e denunciada como traição e usurpação a atitude desavergonhada de deputadas e "personalidades" da esquerda oportunista e suas organizações feministas que se comprazem em sentar-se à mesa com empresárias, latifundiárias e policiais no seu falsificado dia de todas as mulheres.

Cada vez mais as classes dominantes, através dos monopólios de comunicação, se esforçam para transformar o 8 de março em mais uma data comercial. Com suas manipulações e demagogias grosseiras de glorificar "a importância da participação da mulher", na verdade estendem ainda mais o manto da opressão feminina na tentativa de sua perpetuação.

A celebração do 8 de março se tornou uma das mais fortes tradições do movimento popular, revolucionário e comunista em todo o mundo e um dos mais importantes símbolos da luta de libertação da classe operária e de todos os oprimidos da terra.

As origens e a tradição

As duas versões mais conhecidas do fato histórico que teria levado as militantes comunistas na Conferência de Mulheres Socialistas a eleger o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher Proletária são:

1)      Uma manifestação espontânea — levada a cabo por trabalhadoras do setor têxtil da cidade de Nova York, em protesto contra os baixos salários, contra a jornada de trabalho de 12 horas e o aumento de tarefas não remuneradas — foi reprimida pela polícia de uma forma brutal (8 de março de 1857). Muitas jovens trabalhadoras foram presas e algumas esmagadas pela multidão em fuga. Cinquenta anos mais tarde, no aniversário dessa manifestação, esse dia é declarado, em sua memória, o Dia Internacional da Mulher." (Temma Kaplan, On the socialist origins of International Women’s Day, Feminist studies 11, n.º 1, 1985, p. 163)

2)      O Dia Internacional da Mulher Trabalhadora é considerado como uma jornada de luta feminista em todo o mundo em comemoração do dia 8 de março de 1908, data em que as trabalhadoras da fábrica têxtil ‘Cotton’, de Nova York, declararam greve em protesto pelas condições insuportáveis de trabalho. Na sequência disso, ocuparam a fábrica e o patrão prendeu-as lá dentro, fechou todas as saídas, e incendiou a fábrica. Morreram queimadas as 129 trabalhadoras que estavam lá dentro. (Victória Sal, Dicionário ideológico feminista, 1981).

Outras referências históricas:

3)      A primeira celebração do Dia Internacional da Mulher aconteceu a 19 de março de 1911, na Áustria, Alemanha, Dinamarca e Suécia.

4)      Em 1914 o Dia Internacional da Mulher comemorou-se pela primeira vez a 8 de março na Alemanha, Suécia e Rússia.

5)      A 8 de março de 1917, as mulheres russas amotinaram-se devido à falta de alimentos, acontecimento este fundamental para o início do movimento revolucionário que viria a concretizar-se na chamada Revolução de Outubro, e que marcaria definitivamente, até a atualidade, o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher. (Informações: On the Socialist Origins of International Women’s Day retiradas de Ana Isabel Álvarez González (1999), Los orígenes y la celebración del Día Internacional de la Mujer, 1910-1945. KRK — Ediciones Oviedo.)

Todas essas informações fornecem alguns dados discrepantes, porém o que há de comum nelas é o fato de se referirem a lutas operárias, marcando claramente o caráter de classe do movimento 8 de março.

 

Mais Sobre Rondônia

Crise na Sefin: gestores da Administração Tributária de Rondônia colocam cargos a disposição

Crise na Sefin: gestores da Administração Tributária de Rondônia colocam cargos a disposição

Na manhã desta sexta-feira, 13, mais de 30 ocupantes de cargos de confiança entre Gerentes, Delegados, Chefes de Agência de Renda e Postos Fiscais p

Unir e Uniron confirmam presença na Roda de Conversa A Mulher no Jornalismo

Unir e Uniron confirmam presença na Roda de Conversa A Mulher no Jornalismo

A Uniron (União das Escolas Superiores de Rondônia) e a Unir (Universidade Federal de Rondônia) confirmaram participação na Roda de Conversa “A Mulh

Mulheres representam a força feminina rondoniense dentro da Polícia Militar do Estado de Rondônia

Mulheres representam a força feminina rondoniense dentro da Polícia Militar do Estado de Rondônia

Mulheres fortes, destemidas, guerreiras. Comemorado no próximo domingo (8), o Dia Internacional da Mulher é símbolo da luta pelos direitos femininos,

Destemidas bombeiras de Rondônia ganham experiência de vida em tudo o que fazem e orgulham quartéis

Destemidas bombeiras de Rondônia ganham experiência de vida em tudo o que fazem e orgulham quartéis

Elas ainda são minoria em Rondônia, mas se destacam nos quartéis, nas ruas, no ar, e na floresta. Esforços no combate à violência doméstica, socorro a