Porto Velho (RO) terça-feira, 22 de junho de 2021
×
Gente de Opinião

Rondônia

A internet não foi utilizada em 16,7% dos domicílios rondonienses em 2019


A internet não foi utilizada em 16,7% dos domicílios rondonienses em 2019 - Gente de Opinião

De acordo com o suplemento Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), em 16,7% dos domicílios rondonienses não houve utilização de internet em 2019. O índice é bem menor que o registrado em 2016: 37,7%. No Brasil, em 2019, foi identificado que a internet não foi utilizada em 17,3% dos domicílios.

A PNAD Contínua TIC demonstrou também que o número de pessoas com mais de dez anos que não utilizavam internet diminuiu 50,7% em Rondônia entre 2016 e 2019. No Brasil, a redução foi de 36,4%.

Em Rondônia, no ano de 2019, 44,8% das pessoas com mais de dez anos que não utilizaram internet alegaram que não sabiam usar o serviço, sendo o motivo com maior proporção. A falta de interesse em acessar à internet foi o segundo motivo mais declarado: 36,4%.

Por outro lado, o aumento de usuários de internet com mais de 10 anos entre 2016 e 2019 em Rondônia foi de 852 mil para 1,2 milhão. Proporcionalmente, o grupo que mais cresceu foi o de pessoas com mais de 60 anos, que passou de 22 mil para 97 mil usuários.

Dos 1,2 milhão de rondonienses com mais de 10 anos que utilizaram a internet no período de referência, 1,18 enviaram ou receberam mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes de e-mail e 1,11 milhão fizeram chamadas de voz ou vídeo.

A PNAD Contínua TIC constatou ainda que 86,8% dos estudantes rondonienses com mais de dez anos utilizaram internet em 2019, índice próximo ao brasileiro: 88,1%.

Em relação ao equipamento utilizado para acessar internet, observou-se que a televisão tem ganhado destaque. Em 2016, este dispositivo era usado em 4,7% dos domicílios, passando para 20% em 2019. O celular era utilizado em 99,7% dos domicílios com acesso à internet.

Além destas informações, a pesquisa revelou que o rendimento médio per capita mostrou-se fator importante para acesso à internet. Enquanto o rendimento médio per capita nos domicílios que havia utilização da internet era de R$ 1203,00, nos que não usavam internet era de R$ 785,00.

Notou-se ainda que a renda influencia o tipo de equipamento utilizado para acessar a internet. O menor e o maior rendimentos médios per capita foram identificados nos domicílios que usavam microcomputador (R$ 1755,00) e nos que usavam tablet (R$ 2548,00).

 

Em 88 mil domicílios rondonienses só havia televisão de tubo

A PNAD Contínua TIC mostrou que a televisão de tubo estava presente em 105 mil domicílios rondonienses em 2019, o que representou 19,2% do total de moradias com aparelho televisor. Deste quantitativo, em 88 mil moradias só havia este tipo de aparelho e em 17 mil havia também TV de tela fina. Já o número de domicílios que possuíam TV de tela fina aumentou 38,8% entre os anos de 2016 e 2019.

Foi constatado ainda que em 20,9% das moradias rondonienses havia duas ou mais televisões de tela fina e/ou tubo.

Além disso, observou-se que cerca de 140 mil rondonienses não tinham acesso a conversor digital na televisão do domicílio, representando 8,5% da população que possuíam televisão. A taxa rondoniense é 0,5 p.p maior que a taxa brasileira.

Sobre TV por assinatura, o estudo demonstrou que 83,3% dos domicílios rondonienses com aparelho de televisão não tinham acesso ao serviço. Entre os que não utilizavam TV por assinatura, 59,7% declararam que não tinha interesse e 34% declararam que o serviço era caro.

Notou-se também uma diminuição de 66,7% no número de domicílios que tinham apenas sinal de antena parabólica. Em 2016, 102 mil moradias rondonienses só tinham recepção de sinal de televisão por este equipamento. Já em 2019, este número foi de 34 mil domicílios.

Por outro lado, ficou evidenciado o aumento de disponibilização de sinal digital de TV aberta. Enquanto em 2016, 76,2% dos domicílios rondonienses com televisão com conversor recebiam sinal digital, em 2019, 90,2% tinham o serviço. Em todo o Brasil, o índice foi de 89,4% em 2019.

Outro dado relevante da pesquisa é sobre o rendimento médio per capita nos domicílios com televisão. Em Rondônia, em 2019, nos domicílios com televisão de tela fina, o rendimento médio per capita era de R$ 1265,00. Já nas moradias com televisão de tubo, era de R$ 728,00.

Também existiu diferença de rendimento médio per capita entre as residências que tinham e as que não tinham TV por assinatura. Nas que havia acesso ao serviço, o rendimento era de R$ 2113,00 contra R$ 965,00 nas que não contavam com a assinatura de TV.

 

Celular está presente em 97,9% das residências rondonienses

Por meio da PNAD Contínua TIC foi possível observar uma redução gradativa do telefone fixo e aumento do telefone celular. Em 2016, 15,6% dos moradores contavam com telefone fixo convencional, taxa que atingiu 11,3% em 2019. Em relação à presença do celular, em 2016, 93,9% dos rondonienses residiam em moradia com o aparelho. Já em 2019, este índice foi de 97,9%.

Entre rondonienses com mais de dez anos, em 2019, 81,2% tinham telefone celular para uso pessoal, índice maior que o registrado em 2016 (73,2%). Por grupo de idade, as pessoas com 30 a 39 anos representavam 20,1%, sendo o grupo mais expressivo. As que tinham entre 40 e 49 anos representaram 18,7% e as com idades entre 50 e 59 anos foram 13,2%. Por sexo, as mulheres registram uma taxa um pouco maior que os homens: 82,4% delas tinham celular para uso pessoal e 80% deles possuíam o aparelho.

Além disso, ficou evidenciado o aumento de posse de celular para uso pessoal entre os estudantes com mais de dez anos. Em 2016, 61,4% dos estudantes tinham o aparelho, aumentando o índice para 72,6% em 2019.

Entre os rondonienses com mais de dez anos que não tinham telefone celular para uso pessoal, 26,6% disseram que o aparelho ou o serviço era caro; 26,3% alegaram que não tinham interesse em ter celular e 20,9% informaram que não sabiam usar o equipamento.

Sobre equipamentos eletrônicos, a PNAD Contínua TIC mostra que 60,6% dos rondonienses estavam em domicílios sem microcomputador ou tablet. O índice manteve-se estável entre 2016 e 2019.

Observou-se ainda uma diferença em relação ao rendimento médio per capita entre os domicílios que tinham microcomputador ou tablet e as moradias que não possuíam nenhum dos dois equipamentos. Nas residências com microcomputador, o rendimento médio era de R$ 1679,00 e nas com tablet, o valor era de R$ 2466,00. Já nos domicílios sem os equipamentos, era de R$ 835,00.

Constatou-se também que o rendimento médio per capita nos domicílios com telefone fixo convencional era R$ 765,00 a mais que nas residências com aparelho celular, sendo R$ 1920,00 nos com telefone fixo e R$ 1155,00 nos com celular. Nas moradias com os dois tipos de aparelhos telefônicos, o rendimento médio era de R$ 1929,00

Mais Sobre Rondônia

No primeiro mês do “Prato Fácil” mais de 17 mil pessoas foram atendidas com alimentação saudável e de baixo custo

No primeiro mês do “Prato Fácil” mais de 17 mil pessoas foram atendidas com alimentação saudável e de baixo custo

Do total de 30 mil refeições disponibilizadas pelo Programa Estadual “Prato Fácil”, no período de 17 de maio a 16 de junho, em cinco restaurantes cred

Recadastramento de aposentados e pensionistas do Iperon retorna em 1º de julho

Recadastramento de aposentados e pensionistas do Iperon retorna em 1º de julho

O recadastramento anual dos servidores aposentados e pensionistas junto ao Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Estado de Rondônia (Ipe

Primeira obra do “Tchau Poeira” é executada em Ariquemes com recursos do Governo de Rondônia

Primeira obra do “Tchau Poeira” é executada em Ariquemes com recursos do Governo de Rondônia

Uma das principais vias comerciais e de fluxo de veículos de Ariquemes, a Avenida Juscelino Kubitschek, recebeu neste domingo (13) a ordem de serv