Porto Velho (RO) quarta-feira, 13 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Resultados das Eleições Legislativas 2019 na diáspora portuguesa e apuramento nacional final


Resultados das Eleições Legislativas 2019 na diáspora portuguesa e apuramento nacional final - Gente de Opinião

Finalmente (17.10.2019) foram apurados resultados dos votos das eleições legislativas na emigração.

O círculo eleitoral da Europa, com direito a dois deputados, elegeu um deputado para o PS (29,06%) e um para o PSD (18,77%). No círculo fora da Europa, também com direito a eleger dois deputados, foram eleitos os dois partidos: PSD com 33,39% e PS com 20,19%. A nível de votos o PAN também recebeu 4,84% dos votos, o Bloco de Esquerda 4,75%, o CDS-PP 3,36% e o PCP-PEV 2,04%

Só 158 000 emigrantes votaram (dos 1.441.344 eleitores inscritos). Houve irregularidades, mas, como se trata dos fracos emigrantes, a política não liga; eles também não!

A participação caricata de 10% dos emigrantes inscritos nas eleições, é também ela, um factor que explica e legitima, em parte, o desinteresse das organizações partidárias e dos governos no empenho pelos emigrantes.

Os emigrantes passam a interessar apenas no sector económico e este deve ser calado porque daí poderia resultar maior inclusão de interesses!

O resultado das eleições torna-se numa situação embaraçosa para todos as partes e explica o alibi democrático e político da eleição de quatro deputados para toda a diáspora. Em tal situação também não se pode exigir mais.

Ninguém dá nada a ninguém e parra exigir é preciso voz!!

 

RESULTADO NACIONAL

Das eleições legislativas 2019 resultaram eleitos, para a Assembleia Nacional, 108 deputados para o PS (36,34%), 79 deputados para o PSD (27,76%), 19 deputados para o Bloco de Esquerda (9,52%),12 deputados para a CDU (PCP-PEV) (6,33%), cinco deputados para o CDS-PP (4,22%), quatro deputados para o PAN (3,32%), um deputado para o Chega (1,29%), um deputado para a Iniciativa Liberal (1,29%) e um deputado para o Livre (1,09%).

A taxa de abstenção foi de 51,43% e votos em branco 2,51% e votos nulos 2,36%.

A representação democrática em Portugal revela-se assim muito fraca, dado o partido da maioria silenciosa abstencionista ser de 51,43%.

Perante tal facto os partidos terão mais razão para calar do que para regugizar!

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=5640

Mais Sobre Opinião

Brexit: finalmente surgiu luz no fim do escuro túnel

Brexit: finalmente surgiu luz no fim do escuro túnel

Com o novo acordo do “Brexit” de Johnson, entre Londres e Bruxelas, é criado um bom precedente que possibilita uma participação comum do RU e da EU no

A polónia votou reconfortando os conservadores europeus

A polónia votou reconfortando os conservadores europeus

Entre as fúrias da direita e da esquerda pendula a democracia. Neste momento, o domínio semântico da Esquerda na Europa vai-se enfraquecendo, apesar d

A fé pública dos diplomas de médicos

A fé pública dos diplomas de médicos

O caso é tão grave que me limito a reproduzir a nota da Associação Médica Brasileira Brasileira, para conhecimento, reflexão e manifestação. É mais

Furacão Dorian impõe o flagelo da fome às Bahamas; 11 anos atrás, Samuel Saraiva indicava moderna tecnologia para estocagem de alimentos

Furacão Dorian impõe o flagelo da fome às Bahamas; 11 anos atrás, Samuel Saraiva indicava moderna tecnologia para estocagem de alimentos

Há exatamente 11 anos, em Washington D.C., o rondoniense Samuel Saraiva sugeria à Organização das Nações Unidas (ONU) investimentos em tecnologia Fr