Porto Velho (RO) terça-feira, 11 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Resultados das Eleições Legislativas 2019 na diáspora portuguesa e apuramento nacional final


Resultados das Eleições Legislativas 2019 na diáspora portuguesa e apuramento nacional final - Gente de Opinião

Finalmente (17.10.2019) foram apurados resultados dos votos das eleições legislativas na emigração.

O círculo eleitoral da Europa, com direito a dois deputados, elegeu um deputado para o PS (29,06%) e um para o PSD (18,77%). No círculo fora da Europa, também com direito a eleger dois deputados, foram eleitos os dois partidos: PSD com 33,39% e PS com 20,19%. A nível de votos o PAN também recebeu 4,84% dos votos, o Bloco de Esquerda 4,75%, o CDS-PP 3,36% e o PCP-PEV 2,04%

Só 158 000 emigrantes votaram (dos 1.441.344 eleitores inscritos). Houve irregularidades, mas, como se trata dos fracos emigrantes, a política não liga; eles também não!

A participação caricata de 10% dos emigrantes inscritos nas eleições, é também ela, um factor que explica e legitima, em parte, o desinteresse das organizações partidárias e dos governos no empenho pelos emigrantes.

Os emigrantes passam a interessar apenas no sector económico e este deve ser calado porque daí poderia resultar maior inclusão de interesses!

O resultado das eleições torna-se numa situação embaraçosa para todos as partes e explica o alibi democrático e político da eleição de quatro deputados para toda a diáspora. Em tal situação também não se pode exigir mais.

Ninguém dá nada a ninguém e parra exigir é preciso voz!!

 

RESULTADO NACIONAL

Das eleições legislativas 2019 resultaram eleitos, para a Assembleia Nacional, 108 deputados para o PS (36,34%), 79 deputados para o PSD (27,76%), 19 deputados para o Bloco de Esquerda (9,52%),12 deputados para a CDU (PCP-PEV) (6,33%), cinco deputados para o CDS-PP (4,22%), quatro deputados para o PAN (3,32%), um deputado para o Chega (1,29%), um deputado para a Iniciativa Liberal (1,29%) e um deputado para o Livre (1,09%).

A taxa de abstenção foi de 51,43% e votos em branco 2,51% e votos nulos 2,36%.

A representação democrática em Portugal revela-se assim muito fraca, dado o partido da maioria silenciosa abstencionista ser de 51,43%.

Perante tal facto os partidos terão mais razão para calar do que para regugizar!

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=5640

Mais Sobre Opinião

Hesitação que compromete

Hesitação que compromete

As frequentes vacilações patrocinadas por membros da equipe do governador Marcos Rocha não servem apenas para marcar na opinião pública uma imagem d

Os 193 anos dos Cursos Jurídicos X 26 anos de exploração dos cativos dos OAB

Os 193 anos dos Cursos Jurídicos X 26 anos de exploração dos cativos dos OAB

Salve o dia 11 de agosto dia dos advogadosAlô Senhores membros da Organização Internacional do Trabalho – OIT, Organização dos Estados Americanos – OE

Por que alguns dirigentes têm ojeriza a servidor público?

Por que alguns dirigentes têm ojeriza a servidor público?

Todas as vezes que o caixa da União sofre a ameaça de esgotar-se, a corda sempre arrebenta no bolso do servidor público. Essa prática tem sido comum

CORONAVÍRUS: mesmo com falhas na divulgação os números de infectados e mortes estão aumentando, principalmente na Capital

CORONAVÍRUS: mesmo com falhas na divulgação os números de infectados e mortes estão aumentando, principalmente na Capital

Nos últimos cinco dias – de 18 a 22 de julho – houve um aumento assustador nos números do coronavírus no Estado, em relação à média do período anterio