Porto Velho (RO) quarta-feira, 12 de maio de 2021
×
Gente de Opinião

Opinião

Quem os viu, não os vê? - Por Luciana Oliveira


 

Gente de Opinião

Pior que esteve, ficou. O natal pós-golpe foi o pior em vendas para o comércio desde 2011.
Rondônia se destacou entre as capitais com maior queda no varejo. E quem foi às ruas com o pretexto de querer colocar a economia nos trilhos tirando de Dilma o direito de governar, voltou pro armário.

A última publicação na página do Facebook do movimento Gigantes da Pátria, que levou milhares às ruas de Porto Velho é de setembro de 2016. E fala da candidatura de um dos organizadores à câmara de Porto Velho, felizmente, fracassada.

Os organizadores deixaram seus manifestantes à deriva e sem comando. Muita gente atendeu ao chamado sem se dar conta de que era usada como massa de manobra partidária.

OAB, Fiero, Fecomércio e Grande Loja Maçônica de Rondônia, venderam o impeachment com solução para a crise política e econômica e ambas seguem ainda mais graves.

“Com a manutenção deste Governo, estão exauridas todas as possibilidades de recuperação econômica do Brasil. Por isso pedimos a saída, o mais rápido possível, deste governo, para retomarmos a discussão dos temas que interessam, como a manutenção dos empregos e das empresas, crescimento econômico”, disse o presidente da Fiero, Marcelo Thomé.

Gente de Opinião

E Rondônia foi de mal a pior rapidamente.

Segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o comércio varejista “mostrou redução no volume de vendas em 26 das 27 Unidades da Federação, com destaque, em termos de magnitude de taxa para Amapá (-18,1%), Pará (-13,1%), Rondônia (-12,3%) e Bahia (-12,1%). Roraima, com avanço de 1,2%, foi o único estado que mostrou avanço das vendas em 2016.

No Comércio Varejista Ampliado, 25 das 27 Unidades da Federação apresentaram variações negativas na comparação com dezembro do ano passado. Em termos de volume de vendas, destacaram-se Rondônia (-15,5%), Pará (-12,6%), Amapá (-11,0%) e Espírito Santo (-11,9%). Os estados com maior impacto negativo foram São Paulo (-7,7%) e Rio de Janeiro (-8,5%). Por outro lado, Roraima (5,5%) e Sergipe (2,6%) registraram avanço em relação a dezembro de 2015.”

Os paneleiros calaram diante da piora na economia e para os escândalos que sucederam o golpe.

O que estava ruim, piorou muito.

Só tem um detalhe: Dilma foi boicotada por um Congresso Nacional canalha que impediu a votação de todas medidas pra conter o avanço da crise.

Temer não! Temer e seu governo de ministros investigados por corrupção têm tudo o que precisam pra fazer o país andar e não conseguem se mexer. Os golpistas têm o Congresso, tem a mídia e a demora do judiciário pra denunciar os corruptos como ajuda.

São o que são, incompetentes.
E maus.

E a torcida do golpe, cordão carnavalesco da hipocrisia.

Mais Sobre Opinião

Salve os 133 anos da abolição da escravidão no Brasil. E daí? Se a agravante, a escravidão moderna da OAB é muito mais sutil, maléfica e lucrativa que a escravidão do século passado?

Salve os 133 anos da abolição da escravidão no Brasil. E daí? Se a agravante, a escravidão moderna da OAB é muito mais sutil, maléfica e lucrativa que a escravidão do século passado?

Nada temos a comemorar por ocasião dos 133 anos da abolição da escravidão no Brasil, no próximo dia 13 de maio. Assim como a cepa da variante e das mu

Dia da Mãe + Salafistas + Plano Nacional para as florestas

Dia da Mãe + Salafistas + Plano Nacional para as florestas

Parabéns e muitas felicidades às mães neste seu dia de especial homenagemO dia da mãe é comemorado em diferentes datas, nos diversos países (a mai

A população anda cansada dessa história de CPI?

A população anda cansada dessa história de CPI?

Expressiva parcela da população não aguenta mais ouvir falar de CPI. É CPI disso, CPI daquilo. Quando um partido ou grupo político fica com raiva de

Você tem medo de CPI?

Você tem medo de CPI?

Se a pergunta fosse feita a um cidadão comum, acostumado a viver com o suor do próprio rosto, cercado de dificuldades por todos os lados, a resposta