Porto Velho (RO) sábado, 11 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Pepe Escobar sobre eleição de Bolsonaro: bem-vindo à selva


Pepe Escobar sobre eleição de Bolsonaro: bem-vindo à selva  - Gente de Opinião

247 - O jornalista e correspondente internacional Pepe Escobar publicou texto nesta segunda-feira (29), no Consortium News, sobre a eleição de Jair Bolsonaro, referindo-se ao Brasil como uma terra "dilacerada", pois embora o candidato do PSL tenha sido eleito com 55,63% dos votos válidos (57,8 milhões), mais de 76 milhões de brasileiros não votaram nele (recorde de 31 milhões abstenções + votos brancos, nulos e os 47 milhões em Fernando Haddad).

Para Escobar, "a ascensão foi facilitada por uma conjunção sem precedentes de fatores tóxicos como o enorme impacto social do crime no Brasil, levando à crença generalizada na repressão violenta como a única solução; a rejeição orquestrada ao Partido dos Trabalhadores, catalisada pelo capital financeiro, rentistas, agronegócios e interesses oligárquicos; um tsunami evangélico; um sistema de ´justiça´ que privilegia historicamente as classes altas e está embutido no ´treinamento´ financiado pelo Departamento de Estado de juízes e promotores, incluindo o notório Sergio Moro, cujo único objetivo durante a suposta investigação anticorrupção da Lava Jato foi enviar Lula à prisão; e a aversão absoluta à democracia por vastos setores das classes dominantes brasileiras". E o pior: "Isso está prestes a se fundir em um choque neoliberal radicalmente antipopular", escreve Pepe, que ironiza: "dado por Deus".

Ainda sobre a ascensão do Bolsonarismo, Pepe diz que não seria possível "sem o pano de fundo da extremamente sofisticada Guerra Híbrida desencadeada no Brasil pelos suspeitos de sempre. A espionagem da NSA - desde a gigante da energia Petrobras até o grampo telefônico da então presidente Dilma Rousseff - era conhecida desde meados de 2013, depois que Edward Snowden mostrou como o Brasil era o país mais espionado da América Latina nos anos 2000".

E Escobar lembra que "os gerentes do complexo industrial-militar-tecnológico do Brasil sobreviveram em grande parte à ditadura de 1964-1985. Eles aprenderam tudo sobre o operações psicológicas dos franceses na Argélia e dos norte-americanos no Vietnã. Com o passar dos anos, eles evoluíram sua concepção do inimigo interno; não apenas os proverbiais ´comunistas´, mas também a esquerda como um todo, assim como as vastas massas de brasileiros despossuídos. Isso levou à recente situação de generais ameaçando os juízes se eles libertassem Lula. O companheiro de chapa de Bolsonaro, o grosseiro Generalito Hamilton Mourão, chegou a ameaçar um golpe militar se a chapa não vencesse. O próprio Bolsonaro disse que nunca ´aceitaria´ a derrota. Essa evolução da militarização da política combinava perfeitamente com o Congresso Brasileiro BBBB (Bala, Boi, Bíblia e Banco)".

Sobre a influência do WhatsApp no resultados das eleições, Pepe escreve que "mesmo que grandes massas mal informadas se tornassem progressivamente conscientes dos maciços golpes manipulativos da campanha de Bolsonaro no WhatsApp - uma saga tropical pós-Cambridge da Analytica; e mesmo quando Bolsonaro declarou que os opositores teriam apenas duas opções após as eleições de domingo, prisão ou exílio, isso ainda não bastaria para deter o Brasil inexoravelmente inclinado a uma BET (Banana Evangelical Theocracy) militar e distópica. Em qualquer democracia madura, um grupo de homens de negócios - via contabilidade obscura - financiando uma campanha de notícias falsas e multi-tentaculares no WhatsApp contra o Partido dos Trabalhadores e o candidato de Lula, Haddad, se qualificaria como um grande escândalo".

Leia o artigo na íntegra em inglês.

Mais Sobre Opinião

O cúmulo da insensibilidade

O cúmulo da insensibilidade

A insensibilidade parece não ter limites no comportamento de certos dirigentes públicos, principalmente no Estado de Rondônia. Como justificar a cri

União pelo Brasil. Respeito ao sufrágio das urnas, a independência dos poderes e as prerrogativas constitucionais do presidente da República Jair Bolsonaro

União pelo Brasil. Respeito ao sufrágio das urnas, a independência dos poderes e as prerrogativas constitucionais do presidente da República Jair Bolsonaro

“Brasil acima de tudo, Deus acima de todos” Preliminarmente quero deixar patenteado o meu respeito pelo Pretório Excelso, e sua plêiade de minist

Liberação de vídeo da reunião somente fortalece Bolsonaro

Liberação de vídeo da reunião somente fortalece Bolsonaro

Os adversários e a imprensa vão utilizar trechos e distorcer tudo, mas, reunião somente revela que presidente somente se importa em melhorar o paísO

Brasil. Os 132 anos da abolição da escravidão  X  26 anos de trabalho análogo a de escravos, a escravidão moderna da OAB

Brasil. Os 132 anos da abolição da escravidão X 26 anos de trabalho análogo a de escravos, a escravidão moderna da OAB

No próximo dia 13 de maio, o Brasil estará completando os 132 anos da abolição da escravidão. Foi um marco para nossa história, graças às reações