Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Nota fiscal rondoniense


Nota fiscal rondoniense - Gente de Opinião
Já tem a nota fiscal paulistana, candanga e outras mais. Vem aí a nossa – a nota fiscal rondoniense. É uma criação interessante, altamente educativa e além do mais ser vantajosa para o cidadão e para o Estado.

Por quê?

Porque todo mundo ganha. Aumenta a receita estadual. E o cidadão acumula no sistema eletronico pontos e ao final pode escolher a forma de receber o seu bônus. Em desconto nos seus impostos ou em dinheiro vivo.

Em Brasília virou moda. Em cada caixa de loja, ao se pagar a conta , vem a pergunta: – quer a nota com ou sem CPF? e todo mundo pede a nota com CPF.

Por outro lado, sempre achei depois de Osires e Everardo Maciel que receita tributária é ciência pura. A receita federal se transformou numa malha incrívelmente bem feita. Todo mundo está cruzado no sistema com todo mundo. Uma loucura geral. Sonegar imposto hoje em dia no Brasil está difícil, principalmente – impostos federais.

Creio que a nossa receita estadual tem potencial de crescimento. E muito. Sem guerra fiscal. Sem arrocho. Mas, dá para aumentar. E isto é importante, porque o melhor dinheiro do mundo é o que se arrecada no Estado. Os outros vem de financiamentos ou de repasses federais. As emendas parlamentares que já foram, no passado, bem interessantes, hoje em dia com os contingenciamentos e burocracia – se transformou em miragem e esperança sempre tardia.

A eficiência da receita, o rompimento com os núcleos de resistencia que vão se formando na própria receita ao longo do tempo. Todo mundo se sente dono do seu pedaço. Todo mundo não quer que mexa no seu ambiente de trabalho e atribuições. Ninguém quer que mexa nos sistemas de TI existentes porque acha uma perfeição. E por aí vai.

É saudável a dança das cadeiras. É saudável quebrar o sentimento de propriedade do Estado. Porque o Estado é bem maior do que todo mundo. O Estado em si é o grande ente, impessoal e poderoso. Nós humanos, somos por natureza, meros passageiros e não poderemos vender a ilusão de ser insubstituível.

O Estado precisa de dinheiro para pagar as contas. Para os investimentos. Para guardar para os dias dificeis. Por isto que a receita precisa modernizar e sempre arrecadar mais, porque os compromissos não param de crescer.

Fonte: Blog do Confúcio


 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual