Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

No ano que vem



O ano que vem está prestes a chegar e eu me preparo para no ano que vem arrasar! Deixarei de fumar, falarei mais baixo, irei ler mais livros, beberei menos, irei mais ao cinema. Serei mais calmo e tolerante, dedicarei mais ao meu trabalho e farei mais viagens. Ah, no ano que vem quero ir atrás dos meus sonhos, pouco vai me importar a falta de dinheiro, pois as pessoas são mais presas a ele que eu à falta dele. No ano que vem farei tudo que este ano não fiz. Cuidarei mais de mim, visitarei mais amigos, deixarei o cabelo crescer e farei a barba só quando quiser. É ano que vem, não demore a chegar.

No ano que vem eu vou mudar, me tornarei outro, serei mais alegre, participativo, generoso e tolerante, cuidarei mais da minha felicidade, pois nesses anos todos tenho sido tão triste e amargo que quando me lembro da minha juventude, não me reconheço. O que fui, sinto que ficou em um passado muito distante e esquecido, por isso tenho sido tão omisso aos meus apelos e me tornado tudo aquilo que nunca quis ser.

Espero que não seja tarde para saber que mais importante que a chegada é a caminhada e é nela que se faz a viagem, que se descortina a paisagem, e a vida se reinventa, se apresenta em cada novo cenário. É preciso estar atento, é preciso estar desperto, e isso requer serenidade e paciência, a tranquila ciência da paz. Muito mais importante que ter é ser, “e ser é uma ciência delicada”. Viver, verdadeiramente, é fácil, a gente é que complica, e é na sutileza das pequenas coisas que a vida se multiplica, é a leveza dos pequenos gestos que fica. Vou buscar os meus velhos sonhos e, se não os realizar, só o fato de sonhar, de ter acreditado neles, já terá valido a pena. Como cantou o velho enlouquecido: “tenho uma porção de coisas grandes para conquistar e não posso ficar aqui parado”.

Hoje sei que nada está terminado e o dia que amanheceu nublado pode terminar ensolarado. O pensamento redondo, rolar quadrado, e o que adormeceu juntinho, amanhecer separado. Nada está terminado, e no tabuleiro da vida, todo dia, toda hora, Deus joga em nuvens o seu dado sagrado. A cada hora, um instante renovado, pois o universo é do que não foi arquitetado. E a única coisa que “a vida quer de nós é coragem”. Mas ano que vem vai chegar e tudo vai mudar.

Às vezes percebo que projetei fora o que não fui capaz de realizar dentro de mim e minha vida se escorreu pelo tempo, passou entre meus dedos sem eu ter sido e vivido aquilo que sempre acreditei e busquei. Fiz minha vida assim: menor, medida, exata, enxuta, previsível e sem graça. Minha luta contra a sociedade imposta e o governo, minha militância política, meus ideais de um mundo melhor e minha consciência ecológica sinto que ficaram presos em um tempo de inocência, sonhos e felicidade, e era bem melhor que o de agora! Talvez tenha sido eu que tenha piorado com o passar do tempo, talvez tenha me esquecido no tempo...

Mas o ano que vem vai chegar, e no ano que vem eu vou mudar!

No ano que vem.

Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.