Porto Velho (RO) domingo, 20 de junho de 2021
×
Gente de Opinião

Opinião

Nasce uma Estrela


Nasce uma Estrela - Gente de Opinião
                                                                                                                                                                                                                                                  Foto Rosinaldo Machado

Reginaldo Trindade[1]

Oito de Abril de 2016. Dia a ser lembrado.

Um grupo de pessoas do maior quilate reuniu-se para dar vida a um sonho.

Em meio a pompa, história, letras, música, arte, nasceu a Academia Rondoniense de Letras. Auditório lotado, público reverente.

O Teatro Guaporé ficou pequeno para tamanha grandeza e reverência à cultura rondoniense.

A solenidade foi elogiada pelos tantos que a prestigiaram. À altura da nascente confraria.

Tudo foi grandioso, emocionante, memorável, épico. Dos discursos às canções entoadas por uma orquestra de escola pública da capital. Escola pública!

A parte que poderia parecer mais maçante – a leitura dos currículos dos imortais e respectivos patronos – foi uma aula de história e de amor à terra rondoniense.

Os discursos retrataram o que precisava ser.

William Martins, presidente de honra e fundador do grêmio, abriu de forma teatral, que rima com magistral, os trabalhos.

Nasce uma Estrela - Gente de Opinião
Foto: Rosinaldo Machado

O decano José Dettoni brindou a todos com a referência à academia de Platão e com a advertência, tão atual no Brasil, de que o mandatário deveria ser o mais capaz, o mais honesto. O que mais deveria cuidar da coisa pública – poderíamos acrescentar.

Júlio Olivar fechou com chave de ouro. Discurso de estadista, de pessoa apaixonada pelas letras, pelo que há de melhor na vida de um povo. Instou os presentes a dar a asas aos seus sonhos.

Tudo foi tão maravilhosamente perfeito que até mesmo o discurso do representante do Governo de Rondônia, Dr. Waldemar Albuquerque, pareceu ter brotado da apaixonada pena de um dos imortais.

Experiência sublime foi ouvi-lo suplicar para escrever sobre as coisas boas da nossa terra. Como se a paixão pela cultura, aprisionada há tanto tempo por indiferentes governos, ousasse dar o seu grito de independência, de liberdade.

Num Estado (ainda) tão carente de cultura, arte, educação, é uma benção ter uma Academia Rondoniense de Letras. Melhor ainda que ela já nasça assim. Vibrante, inspiradora.

Jamais escondi minha satisfação e honra por ter sido indicado e acolhido para um grupo tão seleto. Considero-me uma pessoa apenas entre gigantes.

É absolutamente apaixonante conviver num meio tão intelectual, de pessoas que escreveram muitos livros (apenas um acadêmico publicou dezoito!), que já estudaram tanto, no Brasil e até fora dele. Detalhe, todos despojados de soberba, muito humildes mesmo – como se a humildade contrastasse com a grandeza. Ou melhor, realçasse-a, reforçasse-a.

Nós crescemos quando há alguém acima de nós em quem nos espelharmos.

Foi/tem sido uma benção em minha vida a academia, assim como ela será para o nosso amado Estado de Rondônia.Se ainda pudesse sobreviver qualquer dúvida a respeito, a solenidade da última sexta veio para soterrá-la.

Nasce uma Estrela - Gente de Opinião
                                                                                                                                                                            Foto: Rosinaldo Machado

Nossa responsabilidade, no entanto, que já não era pequena, cresceu assustadoramente. O nascimento pomposo, digno de academia de primeiro mundo, como alguém já mencionou, exigirá de cada acadêmico um conduzir igualmente majestoso.

A sociedade não se contentará com menos do que isso. E é bom que seja assim. Uma comunidade que exija letras, arte, ciência – o que pode ser mais benéfico para o engrandecimento de todos?

Nossa obrigação, enquanto imortais, é fazer uma Rondônia mais feliz. Mais culturalmente feliz.

Nasce uma Estrela - Gente de Opinião
                                                                                                                                                                        Foto: Rosinaldo Machado

Imortal...

Recentemente, um acadêmico, numa noite inspirada, conceituou o termo. Imortal é aquele que não tem onde cair morto...

Herculano Martins Nacif, imortal cuja presença não morreu com o seu corpo, teve uma homenagem digna de sua trajetória, embalada ao som de Amazing Grace (Graça Incrível).

Amazing Gracefoi composta em 1772 por John Newton, um ex-comerciante de escravos, que se arrependeu dos pecados, virou pastor e produziu esse hino que é, provavelmente, o mais gravado e reverenciado em todos os tempos.

Norte e Sul entoaram-no durante a Guerra Civil Americana. Ele foi tocado, ainda, na célebre marcha em que Martin Luther King compartilhou seu sonho com todos; quando Nelson Mandela foi libertado da prisão e também quando o muro de Berlim caiu. No 11 de Setembro, Amazing Grace foi entoada para um planeta enlutado.

Nasce uma Estrela - Gente de Opinião
                                                                                                                                                                    Foto: Rosinaldo Machado


Definitivamente, começamos bem. Muito bem. Melhor, impossível!

Que a Academia e seu soberbo nascimento signifique, então, um divisor de águas entre um passado de desprezo pela cultura e um futuro... diferente!



[1] Procurador da República. Responsável, no Estado de Rondônia, pela Defesa do Povo Cinta Larga desde abril/2004. Pós-Graduado em Direito Constitucional. Membro da Academia Rondoniense de Letras.

Mais Sobre Opinião

Uma CPI para investigar a CPI

Uma CPI para investigar a CPI

Houve uma época em que CPI era sinônimo da busca da verdade, da correção de rumos. De uns tempos para cá, porém, algumas CPI’s viraram instrumentos

Sentença de morte

Sentença de morte

A princípio não acreditei, mas logo a ficha caiu. E aí, o susto. Meu Deus! Quantas pessoas ainda vão precisar morrer para que alguns de nossos dirig

A luta intercultural numa terra ainda patriarcal + Das andanças da justiça na Quinta Lusitana

A luta intercultural numa terra ainda patriarcal + Das andanças da justiça na Quinta Lusitana

A LUTA INTERCULTURAL NUMA TERRA AINDA PATRIARCALIsraelitas e Ismaelitas lutam por Canaã a terra prometida a AbraãoPor António JustoA guerra faz-se em

Va', pensiero, sull'ali dorate

Va', pensiero, sull'ali dorate

Semana passada, numa espécie de patuscada entre o presidente da Argentina e o premier da Espanha, Pedro Sánchez, foi dita uma frase, deturpada do es