Porto Velho (RO) sábado, 25 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Opinião

JUSTIÇA POR INTEIRO


Recentemente escrevi um artigo que falava do apagão da Justiça que, como
Deus, parece que não teve princípio nem fim. E que vez ou outra a elite
branca esperneava-se e dava uns cutucões no problema da morosidade, o mais
drástico de tantos.

Algumas autoridades têm se manifestado sobre a demora nos julgamentos. Já
são benevolentes no termo. Demora é bem diferente de eternidade. A
presidenta do Supremo Tribunal Federal, ministra Ellen Gracie e Paulo Skaf,
presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo apontaram
possíveis soluções para a situação carcerária, com a capacitação dos presos
para facilitar a reintegração ao mercado de trabalho, através de convênio
que envolvia outras entidades. Também apontaram a mediação e conciliação
como meios de agilizarem a Justiça.

Também o presidente seccional de São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil,
Luiz Flávio Borges D'urso, seguiu a linha da conciliação, arbitragem e
mediação. Chegou a citar que ainda se costura processos com agulha e
barbante enquanto as crianças se comunicam com o Planeta através da
internet. Criticou os defensores da diminuição de recursos como meio de
agilizar os julgamentos. Também citou que no Rio de Janeiro um processo é
julgado em um ano e meio nas duas instâncias, enquanto em são Paulo o mesmo
trâmite demora sete anos.

Noutra linha, o procurador regional da república no Rio Grande do Sul,
percebeu que poucos tribunais referem-se ou praticam a Justiça de forma
ininterrupta, contínua, como determina a Constituição Federal. Defende o
plantão.
De tudo, cabe ressaltar que nenhum mencionou alguma medida já tomada para
agilizar a Justiça, por mais que reconheça a sua morosidade. Os presidentes
do STF e da OAB/SP recorreram ao fácil e inconseqüente argumento da
arbitragem, mediação e conciliação como mecanismos para agilização dos
julgamentos. Implicitamente transferiram aos contendores a necessidade de um
julgamento pela metade, exatamente em função da incapacidade dos órgãos
funcionarem por inteiro.

Quem tem direito, o tem por completo e assim deve ser julgado. Quem recorre
ao Judiciário busca o reconhecimento ou restabelecimento de algo que julga
usurpado injustamente por outro, proposital ou não. Os mecanismos de acordo
cabem nas esferas administrativas e privadas e nunca na Justiça. Nada
justifica que os próprios órgãos, aos quais caberia assegurar os direitos,
apregoem jurisdição pela metade a quem já paga, e caro, por este serviço.
Seria mais que oportuno, e por demais atrasado, que houvesse uma deliberação
de todos os órgãos envolvidos para suplantarem os gargalos, muitos meramente
administrativos e inócuos, como folha de juntada, capa de várias cores e
instâncias e tantas baboseiras que servem apenas à indústria da prescrição.
As Corregedorias fiscalizassem o andamento dos processos nas instâncias
iniciais. A criação de um banco de dados estaduais com links para todos os
estados e justiças para retirada das folhas de antecedentes tão demoradas,
com acesso a todos. Assim qualquer interessado poderia saber a quantas andam
os processos dos sanguessugas, do valerioduto, e de Antonio Palocci e
outros. Combater fortemente a cultura de que Justiça é apenas para algumas
pessoas e que têm outras acima dela. Os assassinos Antonio Pimenta Neves,
confesso, e o promotor Igor Ferreira, condenado, são apenas exemplo.
O fato é que falar ajuda muito a que as coisas continuem iguais e beneficiem
alguns. Este faz-de-conta interessa a muitos, principalmente dentro do
poderes constituídos, inclusive e principalmente ao Judiciário, como
comprova a enxurrada de denúncias e pessoas, como Rocha Mattos e Nicolau dos
Santos Neto. Moralmente, seria indiscutível uma revolução para tornar a
Justiça mais ágil. Os processos mais complexos deveria ser julgados até dois
anos em última instância e os mais simples, até no momento em que é
apresentado, mas nunca passar de um ano. Precisa-se acabar definitivamente
com o subterfúgio do meio-réu verso meio-autor.

Assim seria uma justiça com "j" maiúsculo, e uma Justiça só pode assim ser
considerada se for por inteiro.

Pedro Cardoso da Costa
Bel. Direito

Mais Sobre Opinião

Medo de Lula!

Medo de Lula!

Só mesmo uma mente desmiolada poderia supor que alguém em sã consciência teria medo de peitar o ex-presidente Lula numa eventual disputa pela presid

Colocando as barbas de molho

Colocando as barbas de molho

Corre nos bastidores a notícia de que uma pesquisa aferindo a atuação dos deputados estaduais de Rondônia estaria prestes a sair do forno. Os número

Senador quer taxar as grandes fortunas

Senador quer taxar as grandes fortunas

A necessidade, urgente e inadiável, de um mínimo de consenso nacional a respeito de nossos mais graves problemas e como superá-los vem sendo empurra

A César o que é de César e a Deus o que é de Deus + conferência de ajuda ao Afeganistão

A César o que é de César e a Deus o que é de Deus + conferência de ajuda ao Afeganistão

A CÉSAR O QUE É DE CÉSAR E A DEUS O QUE É DE DEUSO nó górdio do islão é a união de cultura e religião! E isto é que os políticos ocidentais parece