Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

história do computador popular e a inclusão digital


Engel Paschoal* - Agência O GloboA inclusão digital começa pelo computador. Então, o Brasil foi atrás do computador popular. Vou tentar resumir a história, cujo primeiro registro é de 2001.A matéria "PC à baiana" (NO. 17/4/01) dizia que a Bahia entrava na briga dos computadores populares. Responsável pela produção de 15% dos micros de todo o País - cerca de 240 mil/ano -, o Pólo de Ilhéus trabalhava num protótipo popular de PC desenvolvido pelo Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos, Computadores, Informática e Similares dos Municípios de Ilhéus e Itabuna (Sinec).A rigor, o título da matéria também devia ter um "à mineira" por que o NO. falava ainda de outro computador para os de baixa renda, "lançado pelo Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais" a pedido do Comitê Gestor da Internet.A idéia, claro, era unir os esforços baianos e mineiros. Tanto que um mineiro foi a Ilhéus conhecer a proposta baiana. Não havia previsão de preço, mas ele não deveria ultrapassar os R$ 500 estipulados pelo Ministério das Comunicações. As premissas básicas eram financiamento do BNDES para compra de peças, isenção total de impostos e financiamento, via uma instituição, para o consumidor final.Na Folha de S.Paulo (28/4/01), segundo o ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga, "o computador, com capacidade para acesso à internet, será lançado comercialmente no segundo semestre do ano, ao preço equivalente a US$ 250,00 (R$ 550,00)". Ali o PC baiano sumiu do mapa, pois a matéria se restringia ao PC mineiro, chamado de "pé-de-boi" pelo ministro. Segundo Pimenta da Veiga, "seis fabricantes nacionais - entre eles a Itautec, a Gradiente e a Samurai - já teriam desenvolvido protótipos do computador projetado pela UFMG". E a matéria terminava mostrando que, no preço, ele não era tão "pé-de-boi" assim: "A Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) estudou, a pedido do governo, o custo mínimo de produção de um computador pessoal e chegou à cifra de R$ 1.200,00". Ou seja, mais que o dobro dos R$ 550,00.Mesmo não tão barato, o PC era bom negócio. Tanto que o SBT e a Microsoft lançaram o "PC do Milhão" (Valor, 4/5/01). Afinal, o Sílvio Santos e o Bill Gates sabem ganhar dinheiro. Dizia o jornal que o dono do SBT "vai pegar carona na grande audiência do programa 'Show do Milhão' para vender computadores. Junto com a Microsoft, três fabricantes e outros parceiros, o apresentador está lançando no mercado o 'Computador do Milhão', uma máquina básica que será vendida em até 36 prestações de R$ 91 - ou R$ 88, se for com cheque pré-datado. À vista o computador custará R$ 1.928".Bom, à vista, o preço já superava o da Abinee em R$ 728,00 e era quase quatro vezes os R$ 550,00 de Pimenta da Veiga. Mas o Valor continuava: "O banco PanAmericano, braço financeiro do grupo Sílvio Santos, financiará os equipamentos em até 36 meses. Os juros serão de 3,2% ao mês, o que eleva o valor de cada computador para R$ 3.276,00. Segundo especialistas em crédito, a venda de equipamentos de informática com prazo superior a 12 meses é de altíssimo risco".A notícia "Computador popular agita setor de informática" (O Estado de S. Paulo, 4/5/01) dava a dimensão do negócio. Segundo o diretor-geral da Microsoft do Brasil, Mauro Muratório Not, dos 10 milhões de computadores em operação no Brasil apenas 3 milhões pertenciam a consumidores residenciais, sendo 70% destes nas classes A e B. A matéria ainda dizia que o presidente Fernando Henrique Cardoso era um dos maiores entusiastas do PC popular.Com a matéria "Brasil busca Inclusão Digital em 2 anos" (Rets - Revista do Terceiro Setor, 4/5/01), dava para entender porque se falava tanto do assunto na época: de 14 a 17 de maio ia acontecer a Oficina para Inclusão Digital, em Brasília: "O evento marcará o ponto de partida para uma série de debates e palestras sobre a questão da universalização do acesso à internet no Brasil". E a realidade era esta: num país de 5 mil municípios, apenas 300 tinham acesso à internet. Três anos depois, mesmo com o governo - leia-se Lula - retomando o projeto do PC popular (Folha de S.Paulo, 10/8/04), ficamos sabendo que a idéia deu em nada.Agora a Folha de S.Paulo ("Parceria com rede varejista impulsiona fabricante de PCs", 10/10/06) trouxe o final da história: o "caminho do Positivo até a liderança na venda de computadores no varejo passou por uma bem-sucedida aliança com o Magazine Luiza, rede que possui 350 lojas em sete Estados do país [...] A redução no preço das máquinas e o financiamento oficial permitiram que consumidores da classe C tivessem acesso ao produto". A Rede Positivo surgiu há 34 anos como cursinho pré-vestibular em Curitiba, PR. Soube crescer no campo da informática, gráfico-editorial e tecnologia da educação. E mostrou que também ali o governo não precisava se intrometer: a idéia começou e terminou na iniciativa privada.(*)Engel Paschoal (engelp@terra.com.br) é jornalista, especialista em assuntos relacionados ao chamado Terceiro Setor, e realiza cursos e palestras sobre Responsabilidade Social. Este artigo somente poderá ser reproduzido ou publicado com autorização prévia do autor.

Mais Sobre Opinião

CULPADO!   Por Reginaldo Trindade

CULPADO! Por Reginaldo Trindade

Porto Velho testemunhou, no final de 2017, um julgamento absolutamente singular.O dia foi a véspera da Proclamação da República. O palco, um dos cartõ

Que tal Lei dos Sexagenários e do Ventre Livre, para os cativos da  OAB? Por Vasco Vasconcelos

Que tal Lei dos Sexagenários e do Ventre Livre, para os cativos da OAB? Por Vasco Vasconcelos

“A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça em todo lugar”. Martin Luther KingSegundo o Egrégio Supremo Tribunal Federal – STF, “A escravidã

Desalento sufoca recuperação da economia

Desalento sufoca recuperação da economia

A repórter especial do Portal Vermelho Joana Rozowykwiat afirma em artigo que não e apenas a economia que necessita de recuperação, mas a 'esperança'

O impacto da dívida do extinto Beron - Marcelo Freire

O impacto da dívida do extinto Beron - Marcelo Freire

A dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia (Beron) ainda vai atormentar por um longo tempo os próximos cinco governadores de Rondônia. A proposta