Porto Velho (RO) quinta-feira, 3 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Fim do Shopping Cidadão


Definitivamente fazer manutenção em prédios públicos, espaços públicos, praças, ginásios, escolas, isso não é coisa que caiba a qualquer administração, pois está comprovado que com a manutenção deixa-se de gastar milhões em reformas, e para quem vive de propinas daqui e dali, claro que é melhor deixar cair para depois licitar tudo e arrumar, dividindo-se aquilo que faria parte do investimento, isso não estarrece nem ofende ninguém, pois já sabemos que é assim que funcionam as coisas no serviço público.

O Shopping Cidadão decreta falência, e não foi de ontem pra hoje que isso aconteceu, foi aos poucos, o governo do estado foi avisado várias vezes das péssimas condições em que se encontrava o prédio e que isso começava a afetar os serviços prestados ali.

Criado no Governo de José de Abreu Bianco o local chegou a abrigar mais de 30 órgãos que tinham como objetivo facilitar a vida do Cidadão que gozava do privilégio de poder resolver tudo num só lugar, ideia fantástica e visionária, o prédio oferecia ar condicionado central, cadeiras de espera confortáveis, banheiros limpos, agentes de limpeza que passavam de meia em meia hora passando pano molhado no chão, elevador de uso indiscriminado, mas principalmente destinado a deficientes e idosos que dependessem dele para chegar no 2º ou 3º andar, e o mais importante, o número de pessoas que atuavam lá era de grande quantidade, todos queriam prestar serviço no shopping cidadão, havia inclusive lista de espera nas solicitações de transferência para lá, mas infelizmente, os péssimos administradores que tivemos o desprazer de conhecer, aos poucos foram deixando que tudo ali acabasse, sem a devida manutenção, já não funcionavam os elevadores, as centrais viviam com um problema crônico que se resumia no não funcionamento das mesmas, o chão, há anos não vê um pano molhado. Diante das condições de visível insalubridade, os funcionários imploravam para voltar para seus órgãos de origem, os atendimentos que levavam cerca de 20 minutos, passaram a significar horas de espera, enfim, a implantação do desrespeito ao Cidadão indicava de uma vez por todas o fim do mesmo.

Procurados pelas emissoras de TVs e Rádios locais, a administração do Shopping, demonstrando certo desânimo, indicavam que providências estariam sendo tomadas, mesmo sabendo que nada vinha sendo feito para mudar aquele quadro. Ontem estive lá para um último adeus, e senti pura indignação correndo em minhas veias, vi as pessoas passarem horas nas filas, vi bancos rasgados, banheiros imundos, vi o chão que parecia ter sido granito um dia, todo acabado, nas quatro horas que permaneci ali, ouvi pelo menos 52 vezes as frases: - O senhor tem que entender que estamos sem pessoal para andamento dos trabalhos... o senhor tem que entender que esses processos de licitação no governo é burocrático e por isso estamos sem ar....o senhor há que entender que há meses não é enviado produtos de limpeza para manutenção do prédio.....o senhor há que entender quem nem deveríamos estar aqui, só estamos mesmo fazendo um favor......o senhor há que entender que no Governo é assim, tudo começa e acaba aqui mesmo.

E sai de lá triste, porém indignado, pelo desrespeito, pelo descaso, pelo pouco caso para com as pessoas, indignado pelos vícios adquiridos ao longo dos tempos por funcionários que ainda permanecem lá, vícios esses que acabam por beneficiar amigos e parentes na hora do atendimento, e mais indignado em saber que o Corpo de Bombeiros, o Ministério Público, a Prefeitura de Porto Velho e o Tribunal de Justiça, se mostram coniventes com essa situação, pois fazem parte lá dentro oferecendo atendimento, não acredito que os funcionários do Ministério Publico nunca tenham falado sobre as péssimas condições que se encontrava o local, não acredito que o Tribunal Regional do Trabalho, nunca tenha considerado insalubre a falta de água, de ar condicionado, de banheiros... enfim, não quero acreditar que haja um conluio entre esses órgãos que os façam cegos, surdos e mudos diante de tanta precariedade, não dá para acreditar e foge ao entendimento de um cidadão comum.

Porém ao anunciar o encerramento das atividades do shopping cidadão, o governo indica que esta tentando resgatar a dignidade dos cidadãos de Rondônia, demonstra que atitudes corretas começam a serem tomadas e que se não podemos remar o barco, vamos abandoná-lo. Outro sim no atual local, cercado de quiosques insalubres e ambulantes, o Governo anuncia que talvez venha funcionar uma galeria, ou uma delegacia, ou uma piriguetaria, ou ainda que venham servir de depósito para os vendedores de CDs Piratas para que os mesmos tenham onde guardar seus apetrechos de trabalho.

Esse tempo a gente não pode esquecer, para um estado que não tem história e perdeu a memória, que o encerramento do Shopping Cidadão deu-se no tempo de Agosto de 2013 na administração desastrada do senhor Confuso Moura.

Rondon da Silva

Analista de Projetos


 

Mais Sobre Opinião

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O TRIBUNAL EUROPEU (TEDH) DÁ ANDAMENTO À  QUEIXA “ACÇÃO CLIMÁTICA” DAS CRIANÇAS PORTUGUESASNo rescaldo de Pedrogão Grande onde o Fogo matou 110 Pessoa

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Acirra-se a briga pela presidência da Câmara Municipal de Porto Velho. O atual presidente Edwilson Negreiros está articulando um grupo forte para gara

Sua Excelência a abstenção

Sua Excelência a abstenção

Independente de quem saía consagrado das urnas no segundo turno do pleito para a prefeitura de Porto Velho (Hildon Chaves ou Cristiane Lopes), certo

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho