Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Fechar Instituto Lula é decisão absurda e parcial, diz Kennedy


Gente de Opinião

247 - O jornalista Kennedy Alencar fez duras críticas nesta quarta-feira 10, à decisão do juiz Ricardo Leite, de suspender as atividades do Instituto Lula (leia aqui). 

Leia um trecho: 

"A decisão de Ricardo Augusto Soares Leite, juiz substituto da 10ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, de fechar o Instituto Lula é absurda e inconsistente. O instituto funciona há décadas.

Essa decisão revela parcialidade contra Lula. Também se alinha à visão equivocada de querer punir instituições, como partidos políticos, e empresas, como a Odebrecht, pelos erros cometidos por pessoas.

Por exemplo: o acordo de leniência da Odebrecht está empacado por demora de órgãos do governo federal. Isso é ruim, porque asfixia a empresa. O Brasil não tem pena de morte para pessoas físicas. Também não deveria haver pena de morte para instituições e pessoas jurídicas.

O Instituto Lula, partidos políticos e empresas deveriam ser preservados. No caso da Odebrecht, por exemplo, ela pertence a uma cadeia produtiva importante e que gera muito emprego. Há interesse público em manter uma companhia assim em atividade, como fizeram os Estados Unidos e a Alemanha com as suas empresas que foram investigadas por corrupção."

Leia o artigo na íntegra no Blog do Kennedy

 
 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual