Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Estado: esse ente confuso e perdulário


 
É comum vermos no serviço público na área federal, estadual ou municipal, a mesma tarefa sendo executada por órgãos cujas diferenças são: a sigla, o chefe e o quadro de pessoal. Some-se a isso, as superestruturas oficias plantadas em Brasília, sem tarefas operacionais, vez que o cidadão, cliente final dos serviços, está bem distante de onde reina majestoso o poder, cuja função maior é o mero repasse de verbas. Um absurdo administrativo com uma logísitica de malversação, criando caminhos que não existem e descaminhos que deveriam ser evitados. 

Observe o caso de Porto Velho: numa visita de inspeção à as obras do Rio Madeira, o presidente da República decidiu – ele mesmo e não o prefeito, governador ou ministro da saúde – que seriam construídas três UPAs. Por que três e não quatro ou duas? Porque pouco importa. Na hora valia o querer do presidente. E se a criação irá resolver ou não nossas carências de pequenos hospitais é outra história. Isso é para o futuro. 

Na esfera federal, Ibama e Instituto Chico Mendes tratam ou, pelo menos, deveriam tratar do meio ambiente e argumentos para justificar a separação, valem tanto quanto os que tentam explicar o sexo dos anjos. As razões para o desmembramento do Ibama criando dois “bichos novos” no meio ambiente brasileiro são de ordem política e envolve acomodações políticas de partidos, cargos, diretorias, chefias, chefetes, etc. 

E isso se repete na educação, meio ambiente, segurança pública, turismo, esporte e lazer. Rondônia faz uma festa – o Flor do Maracujá, em Porto Velho – sem que haja a participação da Prefeitura Municipal. Há pouco tempo assistimos uma briga de egos que foi às raias do absurdo elevado à enémisa potência, quando a PM deixou de fiscalizar o trânsito na capital, pela falta de um convênio com a Prefeitura Municipal. 

A saúde – esse animal esquisitão chamado SUS – tem um cerébro, 27 cabeças cada uma comandando duas patas cada, para o atendimento de alta e média complexidades e 5.564 subcabeças - municípios -  cada uma com mais duas patas para atender os serviços básicos nas cidades e distritos, com o menor orçamento dos três entes envolvidos, o que torna a tarefa praticamente impossível de ser ralizada. 

O SUS, que tem tudo para não funcionar, até pela Lei de Murphy, não funciona. Aqui em Rondônia, a saúde é uma doença que ataca município e estado. Doentes, os dois se tratam com ações pontuais mas, não conseguem diagnósticos e curas, por se enxergarem e se aceitarem como distintos e não unos na essência e no objetivo. O que se vê são dois exércitos de atendentes e agem separados a partir das ruas, com o SAMU e ou Bombeiros atendendo o cidadão que precisa chegar a um leito, seja de um posto saúde, policlínica ou numa das jóias da coroa estadual, o João Paulo II e o Hospital de Base. 

Apenas para continuar na saúde, que vive o caos, o dinheiro provem da mesma fonte – do contribuinte via imposto pago – e deveria ser usado em ações em seu benefício, independente de quem seja o gestor. Porém o que se vê é bem diferente. O Hospital de Base e o João Paulo são tidos e tratados como um castelo feudal e os postos de saúde, como edículas, se tanto. 

Esperar o entendimento entre os mandatários, mormente em ano eleitoral é utopia, sei. Pior é que o desconhecimento de seus direitos por grande parte da sociedade, faz com que o cidadão seja levado erroneamente a acreditar que o governo, individualizado num personagem, lhe presta um impagável favor – talvez só pelo voto –  quando atende as suas carências, o que é apenas uma obrigação e para a qual é regiamente pago. 

A cultura em voga no Brasil do personalismo exacerbado, do clientelismo debochado e do assistencialismo pragmático, faz com que o cidadão comum e creiam, até setores da imprensa aplaudam, de forma canhestra, o pagamento de salários de servidores em dia como virtude do mandatário de plantão. Lamentável não só pela desinformação que se tenta propagar, como pelo reforço que se empresta a essa falsa crença. 

Léo Ladeia  -  leoladeia@hotmail.com  
www.gentedeopiniao.com.br  - www.opiniaotv.com.br  - http://twitter.com/opiniaotv  
http://www.gentedeopiniao.com.br/energiameioambiente/     

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual