Porto Velho (RO) quarta-feira, 20 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia

Para presidente Laerte Gomes, Energisa precisa respeitar as Leis e o povo rondoniense

Ele orientou os clientes da empresa a fazerem ocorrência policial e enviar cópia para a Assembleia


Para presidente Laerte Gomes, Energisa precisa respeitar as Leis e o povo rondoniense - Gente de Opinião

Cidadão rondoniense usuário de energia elétrica da concessionária que assumiu a extinta Ceron e teve o seu fornecimento cortado numa sexta-feira após o expediente bancário, em vésperas de feriado ou em final de semana, deve ir à Delegacia de Polícia Civil registrar uma ocorrência policial, remeter o boletim policial para a Assembleia Legislativa do Estado que as queixas serão anexadas a uma Ação que a Comissão de Direitos Humanos da Casa de Leis está encampando, para que medidas legais cabíveis sejam tomadas. 

A orientação partiu do presidente do Poder Legislativo estadual, Laerte Gomes (PSDB), indignado com os abusos que estão sendo cometidos em todo o Estado pela concessionária, que está levando até a Polícia durante as ações de corte de energia elétrica em residências até nos finais de semana. 

O presidente da Assembleia disse, de maneira enérgica, na última terça-feira (2), durante entrevistas concedidas à FM Antena Hits (Alvorada do Oeste) e 92,7 Mhz Tropical FM (Presidente Médici), que a Casa vai tomar as medidas necessárias para fazer valer o direito dos consumidores rondonienses 

“Primeiro que já chegou acordado com a Agência Nacional de Energia Elétrica, aumentando em 28% o valor da tarifa de energia. Depois, prometendo R$ 471 milhões de investimentos no Estado este ano. No entanto, o serviço de manutenção e terceirização é precário, e o consumidor não vem sendo respeitado”, criticou o presidente da Assembleia. 

“E agora, não respeita uma Lei do Estado que veda o corte de energia em vésperas de feriados e finais de semana depois do expediente bancário, e estão levando a Polícia para cortar energia na sexta-feira e no sábado, desrespeitando a Constituição e as leis do Estado de Rondônia”, justificou Laerte Gomes, ao explicar à medida que será tomada pelo Poder Legislativo estadual com relação ao sentimento de revolta que a população rondoniense se manifesta. 

O presidente Laerte Gomes lembrou que a própria Aneel tem a Resolução 414/2010 que veda cortes de energia aos sábados e fins de semana. Ele citou como exemplo o caso de um cidadão de Ji-Paraná que se ausentou para tratamento de saúde e teve a sua energia cortada após 20 dias de atraso no pagamento. O relógio foi retirado da residência sem aviso prévio, e a energia só foi religada uma semana depois. O consumidor não obteve resposta para o problema porque não conseguiu obter respostas da operadora do sistema. 

Laerte Gomes questionou o fato de uma holding ter assumido o controle da extinta Centrais Elétricas de Rondônia S.A. (CERON) sem desembolsar dinheiro em um leilão da Aneel realizado há 8 meses, em forma de concessão, para distribuição de energia no Estado, mediante o compromisso de quitar uma dívida no valor de R$ 1,8 bilhões de passivos da extinta estatal, e se comprometeu à época em reduzir a tarifa em 1,75%. 

“E agora está querendo negociar com o Governo pra pagar a metade do valor combinado. Eu queria dizer que a Assembleia Legislativa não vai aceitar isso, vai ter que pagar tostão por tostão. Não teve a capacidade de aumentar a energia em 28%? Agora vai ter a capacidade de pagar o que deve para o Estado, podem ter certeza disso”, advertiu o deputado. 

No entendimento do presidente Laerte Gomes “do jeito que estão fazendo com a população, vão receber da mesma moeda o tratamento do poder público de Rondônia. É inadmissível uma empresa dessa vir aqui e achar que não tem lei e é dona do Estado, ainda usar a estrutura de segurança pública pra ameaçar e amedrontar o consumidor que já não aguenta mais pagar as tarifas caras”. 

Ao finalizar o assunto, Laerte Gomes adiantou que a Assembleia Legislativa já convocou os representantes da área de segurança pública do Estado para darem explicações sobre o fato de a Polícia estar agindo como se fosse funcionária da Energisa para intimidar cidadãos rondonienses que pagam impostos para as forças policiais oferecer segurança pública e não auxiliar essas ações de desrespeito aos consumidores. 

 

Tarifa Amarela  

Laerte Gomes também comentou a respeito do anúncio da Aneel de que este mês a concessionária Energisa vai cobrar a conta de luz pela tarifa de bandeira amarela, elevando o preço da conta de luz do cidadão, enquanto Rondônia exporta de 11 a 12% da energia produzida para abastecer o restante do país. 

“Infelizmente aqui no Estado não dá pra fazer nada, a decisão é de Brasília, da Aneel. Entretanto, nós podemos fiscalizar e investigar a concessionária porque ela não está cumprindo as leis do estado”, pontuou Laerte Gomes. 

Mais Sobre Energia

Usina Hidrelétrica Jirau recebe visita de estudantes da Associação Educacional de Cacoal

Usina Hidrelétrica Jirau recebe visita de estudantes da Associação Educacional de Cacoal

Pela primeira vez, a Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau recebe estudantes da Associação Educacional de Cacoal (UNESC). A visita foi realizada no dia 14 e

Energisa - Deputados afirmam que após instauração da CPI, Procon passou a agir

Energisa - Deputados afirmam que após instauração da CPI, Procon passou a agir

Após reunião na tarde de quarta-feira (13), os deputados que integram a CPI da Energisa, disseram considerar que o ponto mais importante verificado

Em Cacoal, CPI ouve mais reclamações e denúncias contra concessionária de energia

Em Cacoal, CPI ouve mais reclamações e denúncias contra concessionária de energia

A cidade de Cacoal foi a terceira de Rondônia a receber a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instalada na Assembleia Legislativa para apurar p

CPI acolhe reclamações dos consumidores de Ji-Paraná contra a Energisa

CPI acolhe reclamações dos consumidores de Ji-Paraná contra a Energisa

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada na Assembleia Legislativa para apurar possíveis irregularidades e práticas abusivas contra os c