Porto Velho (RO) domingo, 8 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia

Energisa - Deputados afirmam que após instauração da CPI, Procon passou a agir

Parlamentares alertaram ao coordenador do Procon que a legislação deve ser cumprida


Energisa - Deputados afirmam que após instauração da CPI, Procon passou a agir - Gente de Opinião

Após reunião na tarde de quarta-feira (13), os deputados que integram a CPI da Energisa, disseram considerar que o ponto mais importante verificado nesta semana foi que o Procon passou a defender efetivamente o consumidor. Além de ajuizar uma ação civil pública em nome de 1.500 consumidores, o órgão aplicou um auto de infração na concessionária de energia elétrica, por não atender corretamente um consumidor. 

O presidente da CPI, Alex Redano (Republicanos), disse que o Governo do Estado precisa fazer publicidade sobre a atuação do Procon. “O órgão avançou após a primeira vez que o coordenador veio na Comissão. O Procon não estava atuando como deveria, criando uma situação em que as pessoas não estavam acreditando na instituição. Diziam: Vou no Procon por que, se não serve para nada? Por isso é importante mostrar o que está sendo feito”, acrescentou. 

O vice-presidente da CPI, Ismael Crispin (PSB), parabenizou a Energisa, afirmando que por conta da concessionária o Procon está operante no Estado. Ele também pediu ao Executivo publicidade das ações do órgão, para que o consumidor saiba que pode recorrer ao Procon. “Antes a instituição era inexistente. Agora reconheço o trabalho, mas é preciso contar isso para o povo”, destacou. 

O relator da CPI, Jair Montes (Avante), pediu ao coordenador do Procon, Estevão Ferreira, que fique atento às leis, e que as cumpra. “Tenho certeza de que órgão tinha seus diretores, com salários de R$ 15 mil por mês. Antes só ganhavam, mas agora estamos vendo resultados”, detalhou. 

O deputado Cirone Deiró (Podemos) disse que a conquista é da população, que agora conta com apoio de um importante órgão de defesa do consumidor. Segundo ele, isso demonstra que a CPI está apresentando resultados. O parlamentar lembrou que ninguém prometeu reduzir a tarifa de energia no Estado, mas que a Assembleia Legislativa está trabalhando para que o povo seja respeitado. 

 

Depoimento  

O depoimento mais aguardado da reunião foi o de Estevão Ferreira. O primeiro a se pronunciar foi Jair Montes. Ele lembrou que no depoimento anterior do coordenador do Procon, o órgão havia registrado 3 mil reclamações contra a Energisa, mas não havia impetrado nenhuma ação judicial. “Agora temos 1.500 pessoas representadas na Justiça. O que avançou de lá para cá? ”, perguntou. 

Estevão Ferreira esclareceu que anteriormente o órgão não podia emitir auto de infração, mas agora já foram lavrados 12, sendo um deles contra a Energisa. “Houve a denúncia de um consumidor, que ligou no 151 e disse que estava pedindo informações, mas não as obteve”, especificou. 

Ele acrescentou que a fiscalização de imediato foi até lá, constatou o fato e emitiu o auto de infração. “A resposta da empresa não foi satisfatória. Encaminhamos tudo ao Ministério Público. Também encaminhamos ao MP ofício pedindo abertura de ação civil coletiva contra a concessionária de energia”, esclareceu. 

Jair Montes também pediu informações sobre as reclamações registradas no Procon. O coordenador disse que a partir de julho elas triplicaram, pois, o consumidor começou a ser alertado de que deveria procurar seus direitos. 

Ismael Crispin perguntou se o Procon divulgou à população que agora está atuando de forma rigorosa. Estevão Ferreira respondeu que está havendo publicidade sobre isso e que a fiscalização foi intensificada. 

Alex Redano enalteceu o trabalho de Estevão Ferreira, explicando que o coordenador é uma pessoa humilde e que está trazendo esclarecimentos sobre a forma como o órgão está agindo. “Sei das dificuldades que o Procon enfrenta, mas a instituição está avançando”, considerou. 

Estevão Ferreira se colocou à disposição da CPI e esclareceu que o Procon não tem contrato ou acordo com Energisa, e não recebe nada da empresa. Ele foi convidado pelos deputados Alex Redano e Ismael Crispin a acompanhar as audiências públicas e as reuniões da Comissão. 

 

Sedam  

O secretário de Meio Ambiente, Elias Rezende, explicou aos parlamentares que as licenças ambientais das subestações da Energisa estão em ordem. Esse era o principal questionamento dos deputados, que já haviam encaminhado ofício à secretaria, mas não tinham obtido resposta. 

Alex Redano disse ter chegado à CPI denúncia de que a Energisa estaria exigindo a outorga ambiental para ligar a rede de energia a produtores rurais. Esse documento é necessário quando o produtor coleta água em um rio, por exemplo. 

Elias Rezende afirmou que a exigência da Energisa, considerada injustificada, causou espanto, e dezenas de proprietários de terra reclamaram. “Os que já tinham energia ligada e fazem jus à tarifa verde tinham prazo para apresentar a outorga, ou perderiam o benefício. Depois de conversarmos com representantes da concessionária, foi suspensa a exigência de prazo, mas para novas ligações a empresa exige a apresentação da outorga”, esclareceu. 

Ismael Crispin disse que aparentemente a atitude da Energisa é para tirar a tarifa verde dos produtores rurais. Ele perguntou se a empresa apresentou algum documento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) relacionado à exigência. O secretário respondeu que não. 

 

Sefin  

O ex-secretário de Estado de Finanças, Wagner Garcia de Freitas, foi ouvido como convidado. Jair Montes agradeceu o comparecimento, explicando que as informações que ele deveria fornecer já haviam sido prestadas pela Procuradoria Geral do Estado. 

Wagner Freitas disse, no entanto, que o governo Confúcio tratou com a Ceron da dívida da empresa, e houve avanços. “Mas não caminhou muito, porque na época já havia o interesse na venda da Ceron”, esclareceu. 

 

Denúncia  

O empresário José Rezende também foi ouvido pela CPI. Ele disse que tem uma cerâmica, e que na época da Ceron a conta de consumo de energia vinha em torno de R$ 5 mil. Com a chegada a Energisa, passou para R$ 7 mil e depois para R$ 8 mil. 

“Há dois meses veio R$ 2 mil, e agora veio R$ 12 mil. Fui na Energisa e me disseram que está tudo certo. Se continuar assim, no começo do próximo ano vamos fechar. Tenho 18 empregados com carteira assinada, quatro caminhões alugados e outros dois contratados para puxar argila”, finalizou o empresário.

Mais Sobre Energia

CPI vai usar marcadores de consumo do Inmetro para comparar com relógios da Energisa

CPI vai usar marcadores de consumo do Inmetro para comparar com relógios da Energisa

Durante a reunião da CPI da Energisa realizada na tarde desta quarta-feira (4), no Plenarinho 2, o presidente da Comissão, Alex Redano (Republicanos

Em Ariquemes, mais relatos de abusos e de cobranças indevidas são levados à CPI da Energisa

Em Ariquemes, mais relatos de abusos e de cobranças indevidas são levados à CPI da Energisa

A cidade de Ariquemes foi a sétima a receber a audiência da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instalada na Assembleia Legislativa para apurar

CPI da Energisa em Rolim de Moura recebe documentos e relatos de consumidores contra a empresa

CPI da Energisa em Rolim de Moura recebe documentos e relatos de consumidores contra a empresa

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada na Assembleia Legislativa para apurar possíveis irregularidades e práticas abusivas contra os co

CPI da Energisa ouve relatos que há pessoas passando fome em Guajará-Mirim devido a aumento em contas

CPI da Energisa ouve relatos que há pessoas passando fome em Guajará-Mirim devido a aumento em contas

Durante a audiência pública realizada pela CPI da Energisa na manhã desta sexta-feira (29), na Câmara de Vereadores de Guajará-Mirim, foi denunciado