Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Energia

Deputado Alex Redano critica projeto que prevê desconto bilionário para a Energisa


Deputado Alex Redano critica projeto que prevê desconto bilionário para a Energisa - Gente de Opinião

O deputado Alex Redano (Republicanos) usou a tribuna na sessão desta quarta-feira (29) para manifestar a sua rejeição à aprovação do projeto de lei, de iniciativa do Governo, dando um desconto tributário e fiscal bilionário para a empresa Energisa, concessionária de energia em Rondônia.

"A Energisa deve cerca de R$ 2 bilhões para o Governo, mas quer pagar somente R$ 700 milhões. Com muita gente passando fome na pandemia, dar um desconto para uma empresa que maltrata o nosso povo, de mais de R$ 1 bilhão, é escandaloso", disse Redano.

O deputado fez uma breve comparação: "Imagine você dever R$ 2 mil e chegar para o seu credor e dizer que vai pagar somente R$ 700. Com certeza, não vai gostar! É isso que a Energisa quer, desrespeitando Rondônia e a nossa população".

Redano disse ainda que "agora, vamos imaginar esses R$ 2 bilhões investidos em nossa economia, seria importante, para gerar investimentos nas estradas, na saúde, na agricultura, na segurança pública, em todos os setores. O Governo não pode abrir mão desse recurso, de jeito nenhum".

O deputado afirmou ainda que "essa empresa não respeita a nossa população. Não é justo ser beneficiada essa empresa, que tanto causa prejuízos. Nesse momento de pandemia, numa crise que estamos passando, dar um desconto desse tamanho. É muito revoltante até, dar desconto para uma empresa bilionária, enquanto gente em dificuldades é vítima da ganância da Energisa, que não respeita as leis e nem os consumidores".

Alex Redano pediu que essa matéria seja suspensa a sua tramitação, até o retorno da CPI da Energisa, que foi suspensa com a pandemia do coronavírus. "Deixo aqui o pedido para que possamos retomar os trabalhos da CPI, da qual sou presidente, para que possamos seguir atuando. Temos a tecnologia a nosso favor e podemos ter o retorno dos trabalhos, com os devidos cuidados".

Laerte Gomes disse que a matéria, de autoria do Governo, foi lida e encaminhada para a Comissão de Comissão, Justiça e Redação (CCJR), que está com as atividades suspensas, em razão da pandemia. "É na CCJR que pode ser arquivada, suspensa ou votada", pontuou.

O deputado Adelino Follador (DEM), que preside a CCJR disse que muitos prefeitos têm buscado ele para pedir informações. "Mas, ao meu ver, não podemos ser irresponsáveis para aprovar um projeto desses. A Energisa pagou R$ 50 mil na Ceron e não quer pagar suas dívidas, assumidas em contrato? E outra coisa, não tem nada amarrado no projeto de que, aprovando a matéria, a Energisa vai pagar o seu compromisso com o Estado e prefeituras".

Mais Sobre Energia

CPI da Energisa retorna através de videoconferência e relatório final caminha para exclusão da empresa

CPI da Energisa retorna através de videoconferência e relatório final caminha para exclusão da empresa

O presidente da CPI da Energisa, deputado Alex Redano, anunciou a retomada dos trabalhos da CPI da Energisa através de videoconferência. A apuração do

Alex Redano pede a reprovação imediata do perdão de dívidas da Energisa

Alex Redano pede a reprovação imediata do perdão de dívidas da Energisa

Na sessão parlamentar desta terça-feira (07), o deputado Alex Redano (PRB) defendeu que seja adiantada a votação do projeto que prevê desconto bilioná

Teste de black start é realizado na UHE Jirau com sucesso e reafirma sua excelência operacional

Teste de black start é realizado na UHE Jirau com sucesso e reafirma sua excelência operacional

A Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau realizou no domingo (21) o teste de black start, que é o desligamento de todas as unidades geradoras da Usina, simu

Aneel prorroga até 31 de julho proibição de corte de energia elétrica

Aneel prorroga até 31 de julho proibição de corte de energia elétrica

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prorrogou até o fim de julho a proibição do corte de energia elétrica dos consumidores inadimplentes