Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Cleópatra – A mulher política



Existe uma falsa impressão de que as mulheres chegaram ao poder recentemente. Claro que é só uma falsa impressão. Embora não tenha sido frequente, há casos de mulheres que foram peças decisivas, como Cleópatra. A última rainha do Egito tinha, entre diversas qualidades, uma extrema habilidade política. E foi essa habilidade que colocou em prática quando lidou com Roma. Ela resistiu ao poderoso e devastador exército do Império Romano, que já havia subjugado nações da Europa, Ásia e África. Para isso, contou, sem dúvida nenhuma, com a sua capacidade de sedução pessoal e também com uma sólida formação cultural. A capacidade de falar oito idiomas ajudava nas negociações e lhe dava uma sofisticada visão estratégica.

Reproduzida pelos pintores, biografada por escritores, representada por estrelas de cinema, Cleópatra é um dos grandes mitos da História. Optando por um olhar inovador e contemporâneo, a autora desse livro, publicado pela Editora Contexto, a jornalista Arlete Salvador, capta uma Cleópatra sedutora e fascinante, mas também culta e inteligente, uma mulher do nosso tempo no Egito de 20 séculos atrás, além de ser extremamente hábil em política. Distante da imagem de simples objeto sexual, que certos filmes e livros tentaram passar, Cleópatra era uma estrategista e uma líder respeitável, em um período fundamental para a consolidação do poder de Roma. Ela possuía uma cultura invejável: grande negociante, estrategista militar, falava pelo menos oito línguas e era versada em filosofia, alquimia e matemática.

Ao optar por um olhar desmistificador, a autora nos apresenta um livro fascinante. Ao se decidir por uma narrativa leve, sem erudição desnecessária, nos revela uma rainha mais próxima do leitor, com dúvidas e inquietações que poderiam ser de qualquer um(a) de nós. Daí que o livro, escrito com surpreendente bom humor, é daqueles que se deixa ler com grande prazer.

Cleópatra teria mesmo se deixando picar por uma cobra venenosa? Ela teria sido tão bonita quanto Elizabeth Taylor no filme que a consagrou atriz como Cleópatra em 1963? O livro analisa e responde as indagações sobre os atributos físicos e intelectuais da rainha. Afinal, ela era egípcia, mas nem tanto, já que foi herdeira de uma linhagem (os ptolomeus) que se inicia com Alexandre, o Grande, da Macedônia.

Além do aspecto político, a vida de Cleópatra tem amor, sexo e sedução. A rainha foi amante de dois dos homens mais poderosos do mundo naquele tempo. Teve um filho com Júlio César e três com Marco Antônio. Ela inicia sua derrocada ao se tornar centro da disputa entre Marco Antônio e Otávio pelo comando de Roma. Amante e aliada política de Antônio, Cleópatra era apontada como a responsável pelos desentendimentos entre os dois. Em uma das batalhas navais mais impressionantes da história, a esquadra de Cleópatra e Marco Antônio enfrentou a de Otávio nas águas do mar Jônico, na costa da Grécia. A contenda terminou com a vitória de Otávio e a debandada de Marco Antônio e Cleópatra, numa manobra controversa até hoje. Teria Marco Antônio traído seus soldados, abandonando-os no meio da guerra?

Analisando o mito em torno de toda a história de Cleópatra, é possível verificar como a imagem da última rainha do Egito modificou-se ao longo do tempo. Cada época a viu de um jeito. Ela já foi tratada como cortesã, feiticeira e até como prostituta, embora tenha se envolvido com apenas dois homens em toda a sua vida. Vários estudos surgiram sobre os anos de seu reinado e sua participação no destino político de Roma e do Egito. Dessa escavação surgiu uma mulher corajosa e avançada para o seu tempo, embora ambiciosa e pragmática ao lutar para manter o poder e o reino. Cleópatra reúne todos os ingredientes de uma personagem de ficção, mas é real. Daí sua presença como mito até hoje.

Arlete Salvadoré jornalista especializada em política e mestre em Relações Internacionais pela Universidade de Birmingham, na Inglaterra. Trabalhou em alguns dos mais prestigiosos órgãos de imprensa do país, como a revista Veja e os jornais O Estado de S. Paulo e Correio Braziliense. Atualmente, é assessora para Assuntos Políticos do Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo.

PALAVRA DA AUTORA

“Quando pensei em pesquisar a vida da Cleópatra foi porque ela é uma mulher muito atual - foi à luta para manter o reino e o poder, namorou quem quis e foi execrada por isso. Não é o que as mulheres vivem ainda hoje? As que vão à luta ainda são vistas como meninas más, feiticeiras e sedutoras do mal. Fosse homem, Cleópatra seria considerada heroína.”

“A primeira coisa que eu fiz, quando pensei em escrever sobre Cleópatra, foi ir a uma dessas novas e grandes livrarias. Acredite - eu encontrei apenas um livro sobre ela e era uma tradução do inglês para o Português. Era sinal de que, no Brasil, só conhecemos a rainha do Egito por meio do cinema e da televisão. Comecei a ir atrás de livros sobre ela em inglês. Aí, a lista é enorme. Uma infinidade de autores, entre historiadores, jornalistas e egiptologistas, já escreveu sobre ela.”

“Nessa garimpagem, eu descobri que a fonte de consulta de todos eles são dois escritores clássicos: Plutarco e Cássio Dio. Eu me dediquei a eles com afinco, porque também não encontrei traduções dos livros deles para o Português. Encontrei alguns volumes de Vidas Paralelas, de Plutarco, em sebos, mas não era o que me interessava. Eu estava atrás das vidas de Julio César e Marco Antônio, que contam o romance deles com Cleópatra. Então, recorri a traduções do grego para o inglês.”

“Outra parte importante da minha pesquisa envolveu a guerra do Ácio. Pesquisei vários textos militares para entender o que aconteceu na batalha final de Otávio contra Marco Antônio. Também vi todos os filmes dedicados a Cleópatra e, claro, li a versão de Shakespeare para o teatro. Aliás, a fonte de Shakespeare também é Plutarco.”

Serviço
Livro: Cleópatra
Autora: Arlete Salvador
Formato: 16x23 cm; 160 páginas
Preço: R$ 29,90 Informações

 

Fonte: Fábio Diegues

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.