Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Carnaval 2012: Guerra Fria - É a escolha dos sambas



Por: Altair Santos (Tatá)

Foi dada a largada! O rufar dos tambores, ao longe, nos confunde os ouvidos como se fosse os trovões setembrinos de então, pipocando pelo céu. Até outubro chegar e com ele o calor das disputas nas escolas, vai rolar muito ti-ti-ti pelos bastidores. Enquanto isso as agremiações da cidade já se movimentam para o lançamento dos seus sambas de enredo rumo ao carnaval 2012. A escola Asfaltão, após ter anunciado seu tema, Açaí – O Néctar dos Deuses da Floresta - da Amazônia para o Mundo, abriu a temporada de adrenalina em alta no meio dos muitos compositores da escola dos bairros Santa Bárbara, Nossa Senhora das Graças, Mato Grosso e região. A fofoca é geral. Da Bica ao Antonio Chulé, do Takanã ao Remanso do Tucunaré, o assunto é um só: o samba do Açaí!  Em menos de uma semana todos lançaram mão da sinopse e saíram por aí estudando o tema, formando parcerias, escrevendo quadras e versos, solfejando melodias e, é claro, cutucando os adversários numa divertida e bem humorada guerra fria, que enriquece e qualifica o concurso.  Aos sábados, bem cedo, notamos que uma das mesas do Bar do Calixto tem sido religiosamente ocupada por um dos possíveis concorrentes, o professor Mávilo Melo que, na roda de amigos, de vez em quando, bem ligeiro e discretamente pros outros não manjarem, saca do bolso um pedaço de papel e nele rabisca algo. Rapidamente, mantendo segredo aos curiosos, enfia o rascunho de volta no buraco do pano (o bolso), olha pros lados e solta um riso mudo, com ar de contentamento, que exprime o prazer de quem fechou mais uma frase, um verso, um arranjo ou coisa e tal... será? No último final de semana acompanhamos uma atividade cultural da agremiação lá na Tenda do Tigre e o que se viu foi um festival de emoções afloradas, nervos à flor da pele, suores frios, olhares de soslaio, cochichos ao pé do ouvido, tiradas e desafios que aquecem o jogo e animam a disputa. Na dita atividade, enquanto o samba comia solto, o Oscar Knightz, representante do trio de ouro (formado por ele mais o Bainha e Zé Baixinho), aproveitou o intervalo, fez alguns anúncios da entidade e tascou dizendo que em poucos instantes cantaria um trecho do refrão do samba deles, pra todo mundo ouvir. Pronto o zum zum zum foi geral. A expectativa se fez em alta com todos pagando pra ver.   Quebraria ali, o mestre Oscar, o segredo musical guardado a sete chaves. O tempo passou e nada, tudo guerra de nervos, pura cena, tática de malandro passado na casca do alho, só pra ouriçar. Mesmo assim, foi o suficiente pras Pastoras (Sílvia, Vanilce e Vilma) ficarem de olhos e ouvidos bem abertos na espera da pequena deixa do concorrente. Mais tarde, com ar de desapontadas se mostraram convencidas que era apenas blá blá blá e que eles (o trio de ouro), pelo jeito, sequer tem um samba pronto. Elas, por seu turno, apostam que emplacarão de novo um bom samba e, para tal, confinam-se em falas miúdas, parece inclusive que andam fazendo a reza do terço e se apegando em pedidos pra Santa Bárbara lhes proteger e guardar. O Waldison Pinheiro (Misteira) que as vezes ataca de arranjador e guru das pastoras, apareceu por lá e danou a cantar uma frase meio improvisada lá, lá, lá, açaí coisa e tal, deixando alguns com a pulga atrás da orelha. Será que dessa vez ele deixa as pastoras e vai pra disputa sozinho, defendendo um samba próprio? O futuro dirá! O compositor e advogado Toninho Tavernard, calado e comedido como ele só, tem feito rápidas passagens pelas cercanias do quadrilátero Antonio Chulé Calixto/Remanso/Tenda. Ele chega, olha, saca alguma coisa e pronto, só volta na semana que vem. Pelas atitudes, com certeza está fazendo um samba com seu filho e parceiro Eduardo Neto. A juventude do Tigre leia-se, Danilo, Eduardo, Dudu, Carlinhos e Tobá, promete debutar na disputa com um samba de sacudir a poeira, ou melhor, balançar o açaizeiro. Os integrantes do recém criado grupo Fina Batucada, tem se reunido às escondidas e prometem além de garra e sangue novo, um samba forte pra esquentar a concorrência. Fernando Chapéu é outro que fica por ali a rodear. Fala com um, abraça outro, sorri e dá panca de quem vai competir. Estaria o pagodeiro do Takanã, preparando alguma surpresa? Aguardem! De sabor envolvente e teor vitaminado o enredo açaí tem despertado o interesse de outros bambas do samba local que tem marcado constante presença naquelas paragens, dentre eles, Ernesto Melo, Nilson (Mistura Brasileira), Marquinhos do Cavaco, Amarildo (Grupo Guaporé), Zezinho Maranhão e Alan, todos com suas reconhecidas patentes na arte de compor. No calor da disputa que se inicia aparece a figura do Val, o empreendedor e dinâmico gerente do Bar do Calixto, que de bobo não nada, tratou de lançar uma bolsa de apostas pra aquecer ainda mais os ânimos, envolvendo a disputa do Asfaltão que já está pra lá de fervendo. A sorte está lançada, façam sua apostas afinal, como diz o presidente da escola, Reginaldo Macumba, quem for podre que se arrebente ou então vá tomar açaí que alimenta e é bom pra saúde.

O autor é Presidente da Fundação Cultural Iaripuna

tatadeportovelho@gmail.com

 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual