Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

BORDEJO DE CARNAVAL (III)


BORDEJO DE CARNAVAL (III)

Porto Velho – DNA Cultural: BVQQ+

 

“Em noite alta, dentre os muitos afazeres com o carnaval, divagamos... Se provocada, quanto ao DNA cultural da cidade, a ciência assim nos responderia: Paciente: Porto Velho. Objeto de pesquisa: foliões da cidade. Resultado: BVQQ+.”

 

Por: Altair Santos (Tatá)*

 

Lá vem ela outra vez! A jovem senhora Banda do Vai Quem Quer como de costume - há 28 anos - nos tira pra dança e o salão-palco é a cidade. Onde quer que estejamos (no sábado 02 de fev), até mesmo no mais distante ponto do efervescente percurso (o que impossível de acontecer), o nosso subconsciente - que também é folião – estará de forma pulsante e serelepe, entoando, uma que seja, dentre as tantas marchinhas temas do maior e mais contagiante bloco carnavalesco da Amazônia. A fantasia-alegria, estilosamente pronta no imaginário, revestirá a cidade com múltiplas faces festivas. Seja pierrot, arlequim, pirata ou colombina. Seja palhaço, rei ou rainha, não importa, a festa é nossa, a banda é sua e também é minha. Ao som do acorde primeiro, como toque de partida, outra vez o querer popular se fará valer, pela extensão da Carlos Gomes e ladeira abaixo na 7 de setembro, explicitando o sentimento e atitude vaporizante da pátria-carnaval. Não sabemos ao certo em quantos estaremos. Dizem que talvez estejamos em 70, 80, 100 mil. Importa nisso tudo é que esses muitos mil, representam um manifesto espontâneo e cultural, popular, em forma de “me chama que eu vou.” Como a banda é sempre esse escancarado e  sedutor convite, nem precisava tanto, pois lá estaremos, desde cedo, engrossando um forte canto - permeado por marchinhas frevos e sambas de enredo – exibindo a nossa tez carnavalesca. A Banda do Vai Quem Quer está para o carnaval, para o folião e para a cidade de Porto Velho, assim como a bola está para o jogador e este para o futebol, ou seja, não dá pra separar. É impressionante, a cada ano, testemunhar o processo natural de adesão em torno da Banda. Cada vez mais, ela representa o nosso melhor corredor da folia, o nosso mais expressivo e esquisito plebiscito, o qual não faz pergunta, mas tem resposta: sábado de carnaval. Existe nessa história de quase três décadas, muito mais do que se possa imaginar. Levados pelo forte compromisso do povo com o bloco, fôssemos hoje, pesquisar o DNA cultural da cidade, lá no diagnóstico estaria BVQQ+ (Banda do Vai Quer Quem “positivo”), o que quer dizer: sangue bom, apto de noite e de dia, ótimo pro carnaval, excelente pra folia. 

 

(*) o autor é músico e vice-presidente da Fundação Iaripuna.

     tata.anjos@bol.com.br 

 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.