Porto Velho (RO) quinta-feira, 6 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Artigo

Manifesto na medida


Manifesto na medida - Gente de Opinião

Na medida em que temos uma imprensa que distorce os fatos, mente, desinforma e manipula a opinião pública enganando-a já há muito tempo e pelo mundo inteiro;              

Na medida em que o empresariado deixou de ser remunerado pela produção de riqueza e agora seus resultados dependem dos conglomerados financeiros e de suas carteiras de investimentos, vinculando tanto suas empresas quanto suas fortunas pessoais à rentabilidade do sistema capitalista;                          

Na medida em que os poderes institucionalizados e legitimamente organizados dentro dos limites democráticos são sistematicamente atacados, quer de forma político/ideológica, através de escolhas viciadas de políticos que, após eleitos traem os votos das maiorias manipuladas pela mídia e passam a desenvolver o programa e projetos da elite que os financia (como exemplo podemos citar Reagan e Tatcher nos anos 80 e, no Brasil, Fernando Collor e depois o traidor Fernando Henrique Cardoso, ambos apoiados e financiados pelos capitais nacionais e internacionais), quer de forma subversiva, cujos atores principais são os próprios agentes públicos detentores dos altos cargos no Estado, pertencentes todos eles a uma casta que se defende e a seus privilégios usando o aparelho de Estado e se reproduz e se multiplica de forma a uns protegerem os outros da mesma estirpe ou linhagem (conforme divulgado por reportagem brilhante do The Intercept sobre o sistema judiciário do Estado do Amazonas);               

Na medida que há uma verdadeira avalanche de informações falsas emanadas de falsos profetas e gurus e impulsionadas por expedientes tecnológicos cujo objetivo é desestruturar os valores da democracia representativa no mundo, para com isso fazer triunfar a lei do mais forte sobre o mais fraco e o desaparecimento de qualquer pensamento, teoria ou processo civilizatório baseado no triunfo da razão sobre o obscurantismo, do conhecimento sobre a ignorância, da lucidez sobre o efeito manada, do trabalho honesto e produtivo sobre o privilégio de castas e a especulação, da inteligência sobre a imbecilidade, do brilhantismo sobre a inveja e o ciúme, do amor sobre o ódio, tornando o mundo um lugar pior para se viver a cada dia que passa;                               

Na medida em que, por mais que nós - aqueles que ainda procuram resistir ao furor das levas de talibãs que pretendem estabelecer a nova ordem - lutemos e mostremos a todos (inclusive a eles próprios), dentro dos princípios que defendemos, as bordas do precipício em que eles cegamente insistem em empurrar toda a civilização;                       

Na medida em que percebemos que esta lógica da aniquilação do conhecimento e da reflexão nos levará inexoravelmente a destruição do mundo e à nossa extinção enquanto espécie (já que toda esta lógica imposta por estes verdadeiros talibãs agora no poder ainda não foi suficiente para os tornar independentes do planeta em que habitamos).                     

É preciso que comecemos a reagir de forma enfática e destruindo toda e qualquer possibilidade de reconciliação com esta gente. Não há mais espaços para uma composição ou conversa. Precisamos agir em nome daquilo em que acreditamos, pois, a opção talibã é clara em nos destruir para que a barbárie se instale e a nossa extinção deixe de ser uma probabilidade e passe a ser uma certeza, dando razão às profecias de suas religiões que amam o controle e a morte, em detrimento da dimensão humana e da valorização da vida. 

Acredito no desafio pacífico às instituições (criadas por nós mas conquistadas por estes talibãs do pensamento) e assim, PROPOMOS: Estabelecer a desobediência civil pacífica como método de protesto e resistência; Estabelecer focos de resistência em todas as dimensões de luta onde se apresentem possibilidades para tal, sempre de forma pacifica, constante e diária como objetivo principal; Focar na educação libertadora como principal instrumento da luta e da resistência, procurando conscientizar novos adeptos e multiplicar os agentes antidegeneração; dar conhecimento de nossa intenção a todos para que a humanidade saiba que existe um grupo de pessoas que está disposta a defender os marcos civilizatórios construídos pelo homem ao longo de sua história no planeta e que foram conquistados com o sacrifício de vidas e vidas de nossos iguais; Eleger a Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão como nossa Constituição fundante, objetivo e bandeira para a luta que precisamos empreender; Não reconhecer nenhum processo eleitoral, mesmo que materialmente legítimo, que leve ao poder pessoas com inclinações fascistas e contrárias à nossa Constituição; Não reconhecer nenhuma legislação de nenhum país que contrarie ou ofenda a nossa Constituição auto declarada, em qualquer dos seus artigos; Apoiar a luta de emancipação de todos os povos de alguma maneira oprimidos no mundo; Realizar manifestações que denunciem o caráter autoritário e excludente de governos ou blocos de países, que venham de encontro aos valores consignados na Declaração, que agora é nossa Constituição; Ingressar em todos os movimentos pacíficos que visem proteger o ecossistema planetário como um todo, ou que defenda partes dele, entendendo a luta pelo meio ambiente como a luta pelo direito à vida das gerações futuras e como foco de resistência contra as forças do atraso que insistem na lógica da exclusão capitalista; Dar a este movimento um caráter de âmbito mundial, tendo em vista que nossa luta não tem fronteiras e visa aniquilar a intolerância e a competição como formas de legitimação social de povos e nações ; Não esmorecer a luta até que todos os povos de todo o mundo possam viver sob a égide dos valores consignados na Declaração Universal dos Direitos do Cidadão, agora definida como nossa Constituição Mundial; Não há mais lugar para composições ou tergiversações, ou mesmo para terceiras vias. 

Estamos falando do nosso futuro e dos nossos descendentes. 

Nos recusamos a sermos irresponsáveis com as gerações futuras negando-lhes a vida por omissão e escolhas políticas equivocadas nossas e das gerações que nos precederam.              

Mais Sobre Artigo

Mulheres mais autoconscientes que homens

Mulheres mais autoconscientes que homens

Na Europa as mulheres saem mais cedo de casa do que os homensPara jovens, a média da idade da saída de casa dos pais na União Europeia é de 25,9 anos

Ipam não honra compromissos financeiros

Ipam não honra compromissos financeiros

A gestão administrativa do Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Porto Velho (Ipam) vem deixando muito a desejar há

Uma ponte para a Bacia do Pacífico

Uma ponte para a Bacia do Pacífico

O mundo vem mudando aceleradamente. Uma das suas mudanças mais sensíveis ocorreu com a crise de 2008, que aconteceu internamente primeiro nos Estado

O Setor produtivo precisa do apoio do Sebrae

O Setor produtivo precisa do apoio do Sebrae

Todos são sabedores da força que o Agronegócio possui na economia do Brasil. Mas não é só isso. Toda vez que uma família se senta à mesa para uma re