Porto Velho (RO) sábado, 4 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Artigo

A Política como não deve ser


A Política como não deve ser - Gente de Opinião

Na quinta-feira 09 de janeiro de 2020, no programa de rádio CBN, “A Política como Ela É, o jornalista Kennedy Alencar, ao ser entrevistado no referido programa, teceu algumas considerações sobre certos aspectos  de conteúdo e de conduta do ministro da educação brasileira, Abraham Weintraub. A seguir, o registro de algumas das suas falas.

Para este, ele é a síntese da miséria cultural do Brasil, nesses tempos de governo Bolsonaro, sem as mínimas condições intelectuais e administrativas, de exercer uma função pública.

Ao comentar sobre os escorregões do ministro em questões de ortografia, considera pior, ele maltratar a educação brasileira. “É Grosso, despreparado, arrogante, infantil e deslumbrado. Reúne todos os defeitos que um ministro não deve ter”, além de não  Apresentar nenhuma proposta concreta para a educação, enfatizou Kennedy.

Ainda segundo o jornalista, Weintraub faz uma guerra cultural do mais baixo nível, incentivando a caça a “supostos professores comunistas”, numa campanha constante de difamação das universidades brasileiras.

Nessa mesma linha de contundentes críticas ao ministro, Kennedy também mirou sua artilharia para o governo no seu contexto mais geral, afirmando que apesar de ser eleito democraticamente, fugiu aos debates como estratégia,  que pudesse “evidenciar sua incapacidade, e a base de fake News”.

Considera Bolsonaro, “o cidadão mais despreparado e inadequado a sentar na cadeira de Presidente da República, além de ter montado, “a pior equipe da história republicana”, de tal sorte a considera-la, “um grupo que tem a barbárie como projeto de governo”.

Concorde-se ou não com as questões pontuadas por Kennedy, importa ponderar, o que de verdadeiro existe em suas considerações.

De fato, o ministro Weintraub, pelas suas constantes manifestações nos meios de comunicações ou nas redes sociais, tem dado provas da sua inabilidade política, da sua incompetência e do pouco trato com as importantes questões da pasta que comanda. É de um desprezo atroz para com os professores das Instituições Federais de Ensino Público Superior, como se estes, se constituíssem em seus inimigos. É de uma postura tão desrespeitosa com essas Instituições,  como se elas, não exercessem nenhum papel relevante, naquilo que se constitui de mais fundamental para a construção de uma sociedade, que é a formação da mão-de-obra qualificada, o desenvolver de saberes, conhecimentos, e a produção de pesquisas para o desenvolvimento das ciências, e a consolidação do pensamento científico brasileiro.

Nessa perspectiva, criou uma narrativa recorrente, no sentido de “rotular” a Universidade brasileira, como um “antro” de consumidores de drogas, o espaço de doutrinação onde se veicula ideologias “esquerdistas”. Nada mais falso e mentiroso, considerando o imenso universo de comunidades acadêmicas que se fundem nesses espaços. Ainda que aconteça algum tipo de transgressão em seu meio, isso não pode ser representativo de uma escala, que extrapole para além do que de fato ocorre.

Vejam, existem muitas Universidades brasileiras, cujo contingente de pessoas que nelas circulam, equivalem ou ultrapassam, a quantidade de cidadãos e cidadãs, que habitam determinadas cidades do País. Por analogia, na medida que as universidades, são a expressão da nossa sociedade, tudo que acontece nas cidades, pode acontecer também, em determinada medida, nas universidades, ora bolas.

Quanto ao governo em seu conjunto, pode-se dizer, corroborando com o pensamento do jornalista Kennedy, que ele reúne o que há de mais atrasado, naquilo que consideramos como processo civilizatório. Um governo que vai na contramão da história. É espantoso, o nível de truculência, de inabilidade em muitos dos seus auxiliares diretos, no trato com temas fundamentais que deveriam balizar uma política de governo. É vergonhoso, ver membros da sua equipe, passando vexame, tanto do ponto de vista da nossa sociedade, como no concerto da comunidade internacional, tal o despreparo com que lidam ou tratam assuntos das suas respectivas pastas. Chega a ser risível para não dizer trágico, o grau de inapetência, evidenciados nos seus movimentos e atitudes. Nada mais coerente, seguindo a própria linha de conduta do seu líder, o Presidente da República.

Bolsonaro, é desses acasos da nossa história. Não foi eleito por apresentar uma plataforma coerente, substancial, relevante, pré-requisitos essenciais para um postulante ao cargo de mandatário de uma Nação, mas reunia em si, a antítese do que aspirava um segmento importante dos eleitores brasileiros, qual seja, o antipetismo,  o antilulismo, personificação do mal para os brasileiros. Dentro dessa perspectiva, criou-se toda uma estratégia, uma narrativa, utilizando-se de legiões de fake News, que inundaram as redes sociais, como porta-vozes do “novo”,  satanizando  tudo que se vinculava ao universo petista ou à esquerda de um modo geral, tendo na corrupção, um dos seus principais motes.  “PT, lulismo, esquerdismo, nunca mais”. Essa foi a tônica que pontuou o discurso pró Bolsonaro.

Embalados por esse pensamento, elegeu-se o candidato mais despreparado, mais incompetente, mais fora de rumo das questões que são essenciais para a construção e uma sociedade, pautada em princípios de cidadania, de humanidade, de solidariedade, em fim, de uma sociedade que seja a expressão do que possa existir de mais avançado, no contexto de um mundo mais desenvolvido.

Felizmente, passado um ano de exercício de mandato, alguns que estiveram na linha de frente  desse governo, já se dão conta do quão equivocadas foram suas escolhas.  Agora, analisando melhor as questões objetivas,  das ações concretas praticadas por um governo no qual acreditaram ser a redenção do País, tratam de se retirarem dessa “caoa furada” antes que ela naufrague de vez. 


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Artigo

Com as eleições adiadas, a data da desincompatibilização muda?

Com as eleições adiadas, a data da desincompatibilização muda?

O instituto da desincompatibilização busca que os cidadãos exercentes de cargos ou funções públicas e até em destacados cargos privados, faça sua de

Corrupção S/A

Corrupção S/A

Poucas empresas, no Brasil, têm sido tão bem sucedidas em suas áreas de atuações quanto à empresa Corrupção S/A. O seu faturamento anual é calculado

O mundo pós-pandemia será diferente?

O mundo pós-pandemia será diferente?

Chegando próximo de quatro meses imersos numa pandemia que estabeleceu restrições, nos distanciou fisicamente, modificou nossos hábitos e nos coloco

O império do absurdo

O império do absurdo

Quem detém o monopólio legal da força não pode esquivar-se aos limites da lei. Sob pena de assemelhar-se criminosamente à criminalidade para cujo comb