Porto Velho (RO) segunda-feira, 3 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Artigo

A exortação pós-Sinodal “Querida Amazónia” quer uma igreja mais feminina e menos Clerical

Nem Sacerdotes casados nem Diaconisas


A exortação pós-Sinodal “Querida Amazónia” quer uma igreja mais feminina e menos Clerical - Gente de Opinião

A carta de Roma travou as expectativas dos reformadores que punham as esperanças de renovação da igreja apenas na reforma de funções clericais (celibato frouxo e ordenação de diaconisas).  O Papa com a sua Exortação “Querida Amazónia” advoga, contrariamente aos reformistas, uma reforma a partir da base. Para o Papa, certamente que não se trata aqui de masculinizar as funções da mulher, mas de feminizar a praxis eclesial. Neste sentido o apelo dirige-se às igrejas locais para que criem mais espaço para as mulheres e deem resposta aos problemas das pessoas. Quer menos clericalismo e mais leigos em missões de responsabilidade.

 

Depois do susto provocado pelo documento final do Sínodo Amazónico que tinha, por um lado entusiasmado os progressistas e por outro colocado em estado de alarme os mais conservadores, chega agora a posição magisterial do Papa no sentido moderado mas aberto; facto é que a exortação, ao não se referir direitamente aos temas do documento final do sínodo amazónico, relega-os para uma questão longínqua de moral local.

 

Num tempo de confusão social em que os sentimentos epidérmicos e um progresso social forçado têm travado a capacidade de análise e de reflexão, talvez não venha a despropósito o facto da Igreja Católica se contrapor ao mainstream da moda e do Zeitgeist que pretende levar tudo na enxurrada. O atuar da Igreja também não pode ser reduzido a um estado de consciência europeia temporal.

 

Nesta exortação sobre o sínodo dos bispos das amazonas, o Papa Francisco manifesta-se muito mais reservado que em exortações anteriores; na exortação “Querida Amazónia” verifica-se que as ondas mais centradas na acentuação da pastoral (numa igreja de cunho nórdico e da teologia da libertação) são enfraquecidas em favor da doutrina tradicional (de cunho mais latino). Também Francisco deixa a entender que a atual consciência eclesial não quer uma igreja católica protestantizada. Os progressistas que advogavam o fim do celibato e defendiam a ordenação de mulheres têm de recuar nas suas pretensões.

 

O melhor sinal disso pode ser verificado na decisão do Cardeal Marx, um dia antes da Exortação ser publicada.  O atual presidente da Comissão Episcopal da Alemanha, Cardeal Reinhard Marx, que se encontrava à frente dos reformadores na Alemanha, anunciou a renúncia à sua recandidatura para presidir à Conferência episcopal; a eleição está prevista para março. Para os reformistas foi um desengano; na Alemanha o movimento “caminho sinodal” ("Synodale Weg“) do processo de reforma que tinha como objetivo o relaxe do celibato e a ordenação de diaconisas perdeu o seu sentido.

 

Antes da apresentação da Exortação “Querida amazónia” o Papa já tinha indiretamente manifestado que não queria a clericalização das mulheres, explicando: „Na minha opinião, lemos a questão feminina e a questão do sacerdócio em termos funcionais, esquecendo que, em termos de importância, Maria tem um papel e uma dignidade superior à dos apóstolos" e que “o celibato é uma graça decisiva que caracteriza a Igreja Católica Latina”.

 

Além disso, o voto de castidade também é comum em personalidades com funções noutras religiões, por exemplo no budismo. O celibato é sinal e expressão do chamamento que o candidato sente. Abolir o celibato não seria certamente uma solução como se pode constatar nas igrejas evangélicas onde há falta de pastores, embora os pastores e as pastoras sejam casados. Importante seria que o celibato fosse apenas a forma exterior de uma entrega especial a Deus e ao seu povo.  Texto completo de “Querida Amazónia”, que se dirige "ao povo de Deus e a todos os homens de boa vontade “, em nota (1).

 

O pontífice apela à proteção ambiental e a um novo impulso missionário e a uma maior responsabilidade para os leigos nas comunidades eclesiais: adverte que a conservação da natureza não deve preocupar-se apenas com o meio ambiente, mas também com as pessoas da região. Francisco denuncia "injustiça e crime" (9-14), ou seja, a destruição ambiental e a ação impiedosa contra o povo da Amazónia por "interesses colonizadores" e solicita que se deixem "os pobres terem uma palavra a dizer". A "colonização pós-moderna" deve ser combatida, as "raízes" (33-35) devem ser protegidas; condena "a visão consumista do homem" que tende a "uniformizar as culturas". Cita poetas entre eles Pablo Neruda: „eles ajudam-nos a libertar-nos do paradigma tecnocrático e consumista que sufoca a natureza e nos rouba uma existência verdadeiramente digna".

 

Rejeita a internacionalização política da amazónia, vendo a solução apenas na crescente responsabilidade dos governos nacionais. De facto, na amazónia há muitas ONGS que trabalham no sentido de interesses de potências que desejariam para si o poder sobre a Amazónia.

 

No último capítulo adverte que não se deve desligar a “mensagem social” da missão espiritual e que os povos da amazónia têm “direito ao anúncio do evangelho”, doutro modo "toda a estrutura eclesial se tornaria apenas em mais uma ONG".

Apela à inculturação da espiritualidade cristã nas culturas dos povos indígenas que se devem refletir também na celebração do serviço litúrgico: "Isto nos permite retomar na liturgia muitos elementos da intensa experiência da natureza dos povos indígenas e estimular suas próprias expressões nos cantos, danças, ritos, gestos e símbolos".

 

Defende a criação de novos serviços eclesiais para as mulheres, que devem ser reconhecidos publicamente pelos Bispos e que envolvam a participação no poder de decisão nas comunidades (criação de novos "serviços e carismas femininos"). Não faz referência ao documento conclusivo sinodal editado em outubro 2019, mas convida a que o documento seja lido na íntegra (isto poderá ser um sinal de que a discussão poderá continuar a nível regional). Francisco segue a linha dos papas anteriores limitando-se a convidar à valorização do ministério diaconal e do serviço das religiosas, leigos e leigas, pedindo novas formas de liderança e mais missionários. 

 

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo

In Pegadas do tempo, https://antonio-justo.eu/?p=5803

Mais Sobre Artigo

É preciso amar a cidade

É preciso amar a cidade

Pouco menos de quatro meses nos separam das eleições municipais. Em novembro vamos escolher vinte e um vereadores e o cidadão ou cidadã que governar

Parlamento da UE transformado em circo itinerante? + justiça alemã a colaborar com a Turquia contra Marxistas/Leninistas?

Parlamento da UE transformado em circo itinerante? + justiça alemã a colaborar com a Turquia contra Marxistas/Leninistas?

PARLAMENTO DA UE TRANSFORMADO EM CIRCO ITINERANTE?110 milhões de euros mensais "para o gato”O Parlamento Europeu reúne-se regularmente em Bruxelas, ma

Tentando desenhar pedagogicamente, porque a hidroxicloroquina e suas derivações, são ineficazes no combate ao covid 19.

Tentando desenhar pedagogicamente, porque a hidroxicloroquina e suas derivações, são ineficazes no combate ao covid 19.

Todo o esforço científico até agora, na busca de encontrar um medicamento, capaz da cura da covid 19, ainda não se concretizou efetivamente.  A ciên

Pensar grande é ajudar o pequeno

Pensar grande é ajudar o pequeno

O Brasil começa a discutir os parâmetros para reconstruir a economia. Na retomada, que será gradual, é inafastável reabrir as atividades com segurança