Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

ARTIGO: VIOLÊNCIA REAL E FICTÍCIA


 

Bruno Peron Loureiro

A violência abrange duas dimensões: a real e a fictícia. Como se não bastassem os atos reconhecidos como violentos e o seu aumento estatístico, uma parte do que se propaga é fruto do medo, da insegurança e de outros sentimentos introduzidos que nos fazem sobredimensionar o fenômeno e crer que nossa época é o seu momento culminante. Quanto a este tema que percorre vários quadrantes, como o âmbito familiar e o profissional, o texto presente incentiva ao desvelo da idéia de violência sem fugir do cotidiano.

Desde o risco pretenso à espécie humana oferecido pelo vírus da gripe H1N1, que envolve a irresponsabilidade de setores que destroem a credibilidade de alguns países tal como passou com o turismo no México e tende a se repetir na Argentina e no Chile, até a busca de destroços de um avião que caiu em alto-mar e a contagem gradual dos corpos encontrados, pratica-se algum tipo de violência. Relega-se a fragilidade humana a favor de um mercantilismo que peleja para conquistar a nossa fidelidade como clientes de bens materiais e ideológicos.

Com estas atitudes, ignora-se que muitos cidadãos levaram ao pé da letra a história apocalíptica da gripe suína e outros sentem o vazio da perda de um ente querido. Tudo porque a criação subjuga o fato e a violência real aguarda ansiosamente o momento certo de emergir, cujo exemplo se expressa na intenção malévola dos correios eletrônicos que sugerem o clique num link de vírus para que se apresentem fotos dos corpos que estavam no voo 447 da Air France. Houve uma imbricação de violência, indiferença e sadismo.

Noutros contextos: em vez de aumentar a oferta de programação educativa e saudável, propagam-se as demonstrações de conflitos familiares na rádio e dedica-se mais tempo em horário nobre a apresentações de auto-flagelo na televisão, como o ator que é conscientemente violentado no Pânico da Rede TV e as sessões de Jackass. Baixou o preço da violência, que se tornou barata, ao mesmo tempo que ela provoca a curiosidade no espectador e se divulga a idéia de que é desejável. Sem contar as humilhações e as “pegadinhas” de mau gosto que se impingem aos cidadãos humildes.

O receio que tenho é de que percamos a capacidade de compreensão e discernimento do significado de violência a ponto de aceitar o mundo que alguém nos ditou. Se fosse pela exibição espetacular e fictícia, o Brasil estaria numa crise civilizatória e não haveria condições de sair de casa devido ao congestionamento em grandes cidades e aos assaltos frequentes. Se fosse pelo que contam, perderíamos a chance de vivenciar em primeira mão. Se o mundo fosse tão e somente violento, perderia seu encanto.

Nem sempre a idéia que fazem de uma pessoa é o que vemos nela. Sigo este mesmo raciocínio em relação ao que se constrói em torno da violência, uma vez que nossa interpretação tem-se diluído num molho consensual. O fato violento, portanto, tende a se transformar num fenômeno de audiência, espetáculo e lucro. A violência pode ser emocional, corporal, fingida, momentânea e de outras naturezas. Poderíamos pensar no seu significado real e fictício, mas compreendendo e discernindo. O que acha?

Fonte: Bruno Peron Loureiro é analista de relações internacionais.


Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual