Porto Velho (RO) quinta-feira, 3 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: Por uma Amazônia que faça a diferença


 

Fátima Cleide*

Depois de o Senado aprovar a regularização fundiária da Amazônia, medida sem dúvida importante para combater o desmatamento, novas batalhas estão postas, entre elas impedir a retirada do licenciamento ambiental da esfera federal, e reverter dispositivos do Projeto de Lei de Conversão aprovado, proveniente da MP 458.

As regras criadas para a regularização fundiária envolvem cerca de 296 mil posses de até 1.500 hectares em terras públicas da União, atingindo 436 municípios da Amazônia Legal. São 67 milhões de hectares, e seu valor não há quem possa precisar: falamos da Amazônia, superlativa em tudo o que nela se encontra, cobiçada aqui e lá fora.

Não se trata, como certos setores do agronegócio querem infundir na sociedade, de apenas resolver a titulação de terras.  O que está em jogo, e 21 senadores tiveram esse entendimento ao votar os destaques propostos pela senadora Marina, é algo mais do que ser proprietário legal de um patrimônio ocupado até dezembro de 2004, dele podendo se desfazer no prazo de três ou dez anos, conforme prevê a MP.
 
Ponto, aliás, a que até mesmo adversários do PT avaliaram como injusto, pois desrespeita o principio constitucional da isonomia. Tituladas, as áreas acima de quatrocentos até 1.500 hectares poderão ser alienadas em apenas três anos, e as propriedades de até quatrocentos hectares somente após dez anos.

Incluído pela Câmara e mantido na votação do Senado, esse fator, aliado à permissão para que a “ocupação indireta” – a meu ver uma titulação de área em nome de preposto –, seja beneficiada, revela-se como um incentivo à grilagem, à manipulação na compra e venda de terras tanto como pessoa física quanto por pessoa jurídica, possibilitando uma nova onda de pressão ao se buscar terras na Amazônia.  
 
No projeto original, enviado pelo governo, a venda das terras só poderia ser feita após dez anos para dificultar a grilagem, a falsificação de documentos e a dupla obtenção de terras. Nossa esperança era que esse cuidado fosse restabelecido pelo Senado, mas isso não ocorreu.

Desde que a regularização fundiária foi aprovada, muitas declarações foram publicadas na imprensa. Um dos argumentos, para mim revelador do desprezo que se tem pela justiça social da terra, é o de que, nós, do PT, estamos confundindo regularização fundiária com reforma agrária ao bradar contra a ocupação indireta.

Ora, se queremos iniciar um processo de ordenamento do território amazônico, passando a conhecer quem ocupa terras públicas na região, não podemos começar tarefa tão imprescindível para a adoção de iniciativas e políticas públicas abrindo brechas para a grilagem, para a manutenção da má distribuição de terras, para a iniqüidade e descaso para com a boa utilização dos recursos naturais da Amazônia.
 
Não podemos ignorar os números. Eles revelam que, embora sejam maioria, 81%, os posseiros que se caracterizam como mini e pequenos produtores (até quatrocentos hectares) ficarão com 7,8 milhões de hectares; os médios e pequenos (de quatrocentos a 1.500 hectares), 12% do total, ficarão com 8 milhões de hectares e os grandes, que são apenas 7%, ficarão com 49 milhões de hectares. Como se vê, não há justiça social.   

No último final de semana estive em municípios da região Sul de Rondônia, onde a agricultura e pecuária prevalecem na economia. Todos estão preocupados com a reconcentração de terras que a MP poderá causar. É uma tese que também angustia ambientalistas e pesquisadores da Amazônia. 

Guardiã da maior reserva florestal do planeta, vítima de pilhagem incessante, a Amazônia é preciosa demais para ser encarada apenas como nacos de terra tituláveis e negociáveis. Não há lugar para a tibieza e a omissão diante do atual paradoxo da humanidade – conservar ou gastar recursos naturais a qualquer custo.

Eu acredito que os melhores tempos estão diante de nós: é preciso conhecer, defender e investir na sustentabilidade da Amazônia, privilegiando o povo que nela trabalha e produz, para fazer a diferença. Perante nós mesmos e perante o mundo.

*Fátima Cleide (PT-RO) é senadora da República.

 

Mais Sobre Opinião

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O TRIBUNAL EUROPEU (TEDH) DÁ ANDAMENTO À  QUEIXA “ACÇÃO CLIMÁTICA” DAS CRIANÇAS PORTUGUESASNo rescaldo de Pedrogão Grande onde o Fogo matou 110 Pessoa

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Acirra-se a briga pela presidência da Câmara Municipal de Porto Velho. O atual presidente Edwilson Negreiros está articulando um grupo forte para gara

Sua Excelência a abstenção

Sua Excelência a abstenção

Independente de quem saía consagrado das urnas no segundo turno do pleito para a prefeitura de Porto Velho (Hildon Chaves ou Cristiane Lopes), certo

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho