Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: No reino das minorias e das exceçõe



Léo Ladeia

De vez em quando o problema surge: o que fazer com um determinado grupo social que segundo pesquisas – de alguém ou de um outro grupo – precisa ser resgatado, incluído ou coisa que o valha? A solução aparece como se saída de uma mesma cartilha. Em primeiro lugar aparece o Conselho para tutelar aquela causa. O Brasil já tem Conselho para quase tudo: do menor, do idoso, do índio, do negro – negro não afro-descendente – mas, as portas estão abertas para criação de mais outros tantos. Longe de mim ser contra Conselhos. A idéia é moderna e boa mas, é na hora de preencher o quadro que o "bicho pega". Eleitos ou não, o preenchimento dos cargos é um festival de cartas marcadas. Sinecuras na verdade. E se por algum motivo falta o conselho, por inexistência ou por omissão, sempre se poderá contar com o recurso de uma ONG, associação ou até um movimento bem articulado e sem registro oficial, caso do MST e suas filiais, subsidiárias, conexas ou similares. E dinheiro não falta, não importando se a origem é privada, pública de fonte limpa ou pública transformada em privada – perdoem-me pelo trocadilho – nos esgotos da corrupção.

Desde 1988 com a Constituição, o país adquiriu uma síndrome de patologia social ainda não catalogada – a maioria devendo algo às minorias – quando participantes de um restrito grupo atingiu o panteão na luta contra a ditadura transformando-se, com o aval da justiça e o meneio vacuno da imprensa, em neo-nababos detentores de pensões milionárias e arautos de regras não escritas de um comportamento social de apadrinhamento e permissividade.

Como a história é contada pelos vencedores, não se pode pensar em pespegar no peito d'um herói, outra coisa que não a medalha sagrada da honra, ainda que se lhe assentasse melhor em alguns casos, a marca vergonhosa da traição, da deduragem, do entreguismo e do abandono de companheiros na batalha. Aos heróis e sobreviventes, toda honra e toda gloria agora sim, mas será para sempre? Os mortos não falam nem reclamam. E se até aqui deu certo desse jeito, dará certo ali, mesmo que essa seja uma opinião simplista. A partir daí a porteira parece que se abriu aos novos reclamos, conselhos, movimentos sociais, etc.

Enquanto crescia e cresce a moda de identificação de novos nichos, a maioria silenciosa e pasma da sociedade foi incorporando essa tal síndrome e lograda de forma sub-reptícia.

É comum ouvirmos que o Brasil tem um débito histórico com alguém ou algum grupo e a sociedade se cala, pois alguém um dia soube ou inventou com base em achismos, esse tal débito. E a sociedade vem pagando sem reclamar, entender ou chiar, até porque, recorrer a quem? Reclamar do que, se os conceitos foram mudados? Um latifúndio hoje, tanto pode ser um sítio como uma fazenda. Uma reserva indígena pode ser deslocada com o auxílio da nova tecnologia de geo-referenciamento para quilômetros do ponto original e tangenciar outra, tornando-se una e incorporando o que estiver no seu centro e periferia, como na Raposa Serra do Sol. Quilombos foram reinventados a partir de estudos de sumidades de quem nem se conhecem os nomes e marcações foram criadas em escritórios, sem a visita "in loco". O direito à propriedade, pelo uso e/ou compra, com freqüência é relegado pró "função social".  O índio, que não precisa mais do apito, mudou tanto que às vezes não traz sequer os traços fisionômicos, indicativos de cultura, crença ou hábitos mas, nada disso importa. Aliás nem mesmo a identificação física positiva – aquela de ver em carne e osso – do índio importa. Ver para crer é coisa de São Tomé e, claro, não pode ser levado em conta pelo estado laico mas, que não esquece símbolos religiosos nos Tribunais ou no Congresso.
A mais nova invenção para aprofundar a síndrome é o índio isolado e que nasce classificado assim: "Índios isolados são grupos indígenas que nunca tiveram contato com não-índios e não devem ser contatados, a não ser que estejam sob risco de morte". Que profundidade...

Pasmem leitores, a Cachoeira de Santo Antonio está localizada quase na periferia da cidade de Porto Velho, a aproximadamente 10 Km. do centro. Neste ponto começa a ser construída a Usina Hidrelétrica de Santo Antonio. E ali, "descobriram", índios isolados, invisíveis aos moradores – em tese seus vizinhos – à Funai, ONGs, missionários e Prefeitura. Deve ser verdade cristalina para uma pesquisadora – que também não os viu – mas, que assinou um artigo sobre o assunto. Para ela sim. Não para quem nasceu ou reside em Porto Velho .

Sou brasileiro nato, "tabaréu" baiano, morei em guetos de Salvador, trabalho desde meus 14 anos, moro em Rondônia, fui estudante de escola pública e conheço de andar, os nossos diversos "brasis". Os certos e os errados. O Brasil não me deve nada. Sou parte dele e não um parasita que nele busca alimento. Esta síndrome não me pega. Não uso antolhos, não tenho um pau atravessado na venta, falo e escrevo o que penso e sou vacinado contra cachumba, varíola, sarampo, gripe, demagogia, safadeza e maracutaia.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.