Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: Moldura trincada e traços desfigurados do MST


                                                                       
Feliz quem pode conhecer as causas
                                      Virgilio

                                                                                                                       

Na semana que passou ocupei a tribuna do Senado para debater o repasse de recursos do Governo Federal ao MST. O fiz com sincero constrangimento. Antes de mais nada, registro que sempre militei na área progressista da política, priorizando sem titubear a defesa dos interesses daqueles que mais necessitam de defesa: a população menos favorecida.

Os trabalhadores sem terra sempre foram alvo das minhas preocupações. Quando exerci o mandato de Governador do Estado do Paraná mantive com eles o melhor relacionamento, bem como com as lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.

Não houve embaraço para manter essa interlocução. O Senador Osmar Dias, então Secretário da Agricultura na minha gestão, é testemunha e operador de nossas realizações. À época, foram consolidados 36 assentamentos rurais, e todos eles se tornaram viáveis com o apoio técnico do Governo. O fornecimento de sementes e o acompanhamento da Emater asseguravam a permanência dos trabalhadores nos assentamentos. A infraestrutura era uma das prioridades das políticas públicas.

No seu nascedouro há 25 anos, o MST foi aplaudido por todos. Particularmente, saudei o surgimento do movimento, porque enxergo a reforma agrária como instrumento de distribuição de renda e promoção do desenvolvimento.
        
Não acredito que, em sã consciência, alguém possa se posicionar contra um programa de reforma agrária inteligente. Lamentavelmente, é preciso dizer que aquele MST criado há mais de duas décadas não existe mais. O movimento foi invadido por pseudolíderes que, além de não representarem o segmento, se distanciaram das verdadeiras e legítimas aspirações dos que vivem no campo.

O MST foi transformado num aparelho direcionado a causas e objetivos alheios aos princípios que nortearam e justificaram a sua criação. Vem sendo sistematicamente usado como mera ferramenta política.

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Terra, que tive a honra de presidir, realizou um diagnóstico completo sobre a estrutura fundiária brasileira, nos meios rurais e urbano, e apresentou ao final dois relatórios. Em razão da sua composição heterogênea, marcada por disputa ideológica, entendemos que devíamos encaminhar os dois relatórios da Comissão: o rejeitado e o aprovado. O relatório final enviado aos três Poderes da União e ao Ministério Público continha subsídios importantes para orientar a formulação de uma política agrária para o País.

O governo federal não pode alegar desconhecer os resultados da CPMI da Terra, alcançados após quase dois anos de trabalhos que compreenderam 45 reuniões, 125 depoimentos e 9 visitas a áreas de conflito. Portanto, o que vem sendo declarado por inúmeras autoridades do governo federal é de causar perplexidade. Estou me referindo ao desconhecimento das ilicitudes apontadas na auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União a pedido da CPMI da Terra.

Recordo que durante os trabalhos da CPMI da Terra nós já tínhamos, com a quebra dos sigilos, identificando o uso indevido dos recursos públicos por parte das entidades ligadas ao MST, posteriormente confirmado pelo TCU.

O TCU fiscalizou 109 convênios, celebrados nos exercícios de 1998 a 2004, com onze ministérios e secretarias do governo Federal, no total de R$ 32 milhões. Dentre as principais irregularidades encontradas estavam desvios de recursos do Orçamento Geral da União; não comprovação da execução dos convênios; e indícios de fraudes em prestações de contas. Quase R$ 10 milhões que estavam previstos no Orçamento para ações nas áreas de educação, saúde, pesquisa e reforma agrária foram desviados para que o MST pudesse publicar cartilhas e realizar cursos, encontros e seminários.

A ANCA (Associação Nacional de Cooperação Agrícola), a CONCRAB (Confederação das Cooperativas da Reforma Agrária do Brasil) e o Iterra (Instituto Técnico de Capacitação e Pesquisa da Reforma Agrária), braços jurídicos do MST na ausência de personalidade jurídica do Movimento, foram condenados pelo TCU a devolver R$ 18 milhões aos cofres públicos.

Nos últimos sete anos, período no qual mais de 300 ocupações a propriedades privadas foram registradas, o MST recebeu mais de R$ 49,4 milhões do governo federal. As últimas incursões do Movimento registram um saldo de 4 mortes e invasões orquestradas.

Diante desse quadro de moldura trincada e traços desfigurados, tornou-se imprescindível reencaminhar os relatórios produzidos no âmbito da CPMI da Terra aos órgãos competentes.


Senador Alvaro Dias – 1º vice-líder do PSDB
 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.