Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: A Porto Velho que (re)encontrei


 
Ironi Andrade

Resido na cidade de Passo Fundo, norte do Rio Grande do Sul. Conheci Porto Velho em 2002. De então, até 2005, foram sete viagens a esta terra que aprendi a admirar e (por que não?) amar também.

Entre 2005 e 2009, fiz uma pausa em minha peregrinação por estas bandas, porque minha agenda não permitiu que ministrasse mais cursos, treinamentos e palestras nesta região do Brasil.

Mas retornei agora, julho de 2009, e, confesso, surpreendi-me com tudo o que vi, ouvi e senti. Como Porto Velho está pulsante! Se, noutras épocas, o ouro brotou deste chão bendito, parece que, agora, o progresso emerge a cada instante e em cada canto.

Mas, para ser sincero, retornarei à minha terra levando comigo, também, algumas preocupações, sérias, seriíssimas.

Um verdadeiro surto desenvolvimentista toma conta da região, sem dúvida. E de Porto Velho, em especial. Mas há providências a serem tomadas rapidamente, muito rapidamente.

Eu, como simples observador, isento, portanto, de qualquer tendência político-partidária, sinto-me autorizado a fazer algumas observações.

Dentre todas, uma que julgo mais necessariamente urgente dirige-se ao poder público. Nesse sentido, faço um veemente, e quase desesperado, apelo: senhores governantes (municipal e estadual), não percam o trem da história. Preparem Porto Velho para a fartura que está aportando por aqui.

Se é verdade que o povo é incrivelmente cortês, prestativo, humano e, na minha opinião, altamente confiável, também é  verdadeiro que a prestação de serviços e a urbanização estão deixando muito a desejar.

Sem querer, absolutamente, jogar lama em tudo quanto, com muito zelo e incontido carinho, tem sido feito, sou obrigado a alertar que muito, mas muito mesmo, ainda está por se fazer.

E esse bastante ainda a fazer, parece-me, impõe pacificação de espíritos e união dos governos (estadual e municipal) a fim de equipar a capital rondoniense para a prosperidade que se avizinha.

De forma mais particularizada, vi o setor hoteleiro asfixiado e com atendimento não mais que apenas regular; observei o setor de restaurantes com filas enormes e profissionais deficientemente treinados; encontrei as vias públicas congestionadas, mal pavimentadas, (perdão!) sujas, com passeios (quando existem) perigosos e qualquer cuidado; notei que o patrimônio cultural (sobretudo aquele que reconta a história da viação férrea) deteriorando-se.

Essas coisas, perdoem-me, depõe contra tudo o que está acontecendo e o desenvolvimento que chega a este rincão. Um empresário, medianamente instruído, observa muitos detalhes antes de se decidir por investimentos vultosos em qualquer região do país.

É claro que potencial energético conta; é claro que entroncamento hidro-rodo-aéreo-ferroviário decide. Mas é claro, também, que o setor de serviços é um parâmetro para medir a possível mão de obra disponível e o bem viver, tão necessário à vida humana.

Vejo a necessidade de investimentos maciços em ampliação e modernização do aeroporto, muito acanhado e deficiente para quem pretende ser próspero. Sinto que a engenharia de trânsito tem de entrar em ação urgente, urgentemente. Se não houver profissionais, competentíssimos, disponíveis no mercado, que se os busquem onde eles estiverem. Não duvido de que o arruamento uniforme e o embelezamento de praças e canteiros públicos seduzem qualquer viajante e/ou empreendedor. Entendo que a prestação de serviços em hotéis, restaurantes, postos de revenda de combustíveis, táxi, ônibus e comércio fazem a diferença. Não consigo pensar em desenvolvimento numa cidade em que se leva (como levei) mais de uma hora para obter uma nota fiscal avulsa, porque fulano não compareceu ao trabalho e beltrano simplesmente desapareceu do posto.

Enfim, são muitas as providências a serem tomadas. O tempo é escasso. Hoje, mais do que nunca, em Porto Velho, o adágio “De boas intenções, o inferno está cheio” precisa ser sepultado. Nada de discursos; muita atitude. Um estado tão novo não há de descurar ante possibilidade de fartura tão evidente.

O estado e o município, independentemente de personalismos ou picuinhas político-partidárias, precisam dar-se as mãos e fazer o que tem de ser feito. É uma época tão especial na história de Rondônia que não se trata mais de ver de quem é a obrigação. É o bem do estado e a felicidade do povo que está em jogo.

É claro que, nesse mutirão que se haverá de fazer, a participação de entidades de classe, de faculdades e/ou universidades, do empresariado e de todos os organismos que, de uma maneira ou de outra, possam ser chamados a colaborar torna-se vital.

Não quero que me julguem mal. Hoje, e depois das oito viagens que fiz a Porto Velho, já não sei para onde meu coração em empurra. É, pois, por amor a um estado, a uma cidade e a um povo que faço este apelo: unam-se, todos, pelo progresso e pelo bem do povo, que se avizinham!

* O autor é  professor, advogado e palestrante

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual