Porto Velho (RO) quarta-feira, 28 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

A vitória de Lula


Frei Betto *

Adital - Os pobres reconduziram Lula à Presidência da República. Segundo o Ibope, apenas 11% de seus eleitores ganham mais de cinco salários mínimos por mês (R$ 1.750). Dos que recebem até dois salários mínimos (R$ 700), 56% votaram nele. Desse contingente, em 1989 apenas 37% deram seu voto ao candidato do PT.A pesquisa se confirma quando encarada pelo nível de escolaridade. Neste ano, apenas 6% dos eleitores de Lula têm curso superior. Em 1989 eles somavam 11%, o mesmo índice dos que haviam atingido a 4a série do ensino fundamental. Agora, a turma que completou o primeiro ciclo soma 35%.

Vários fatores explicam o prestígio do governo Lula junto aos setores mais pobres da população. Houve aumento real do salário mínimo; cerca de 4 milhões de empregos formais foram criados para quem ganha 1 ou 2 salários mínimos; a inflação está sob controle; o preço dos gêneros de primeira necessidade mantém-se estável ou sofreu redução; o Bolsa Família distribui renda mínima para 11,1 milhões de famílias, beneficiando mais de 40 milhões de pessoas.

Tudo isso é pouco, pois não erradica as causas da miséria nem modifica as estruturas que situam o Brasil entre as dez nações mais desiguais. Porém, esse pouco é muito para quem nunca teve nada. Os governos anteriores não tinham políticas sociais. No máximo, ações emergenciais diante de enchentes ou estiagem prolongada, e arremedos, como a Comunidade Solidária, que atingiam um universo restrito de famílias.

Embora o Bolsa Família não esteja isento de corrupção, tanto no uso dos recursos quanto a beneficiários imerecidos, o fato é que eliminou os intermediários entre o cofre da República e o bolso da família cadastrada, através do cartão magnético. Essa distribuição de renda mínima representa uma injeção mensal de dinheiro nas regiões mais pobres, reativando o comércio local. O programa Luz para Todos de fato estendeu a energia aos rincões mais distantes e a agricultura familiar, responsável por 7 de cada 10 empregos no campo, tira proveito das linhas de crédito do Pronaf. 

O que mais querem os pobres é dignidade. Isso significa emprego, moradia, escola, saúde. Sentir que, de alguma forma, o governo se preocupa com eles. A questão agora é como o governo agirá com aqueles que o elegeram: abrirá porta de saída para o Bolsa Família, de modo que os beneficiários produzam a própria renda, ou dará continuidade à dependência deles em relação aos cofres  públicos?

A porta de saída reside em políticas que ampliem a oferta de empregos e, sobretudo, na reforma agrária. Não há indícios de que o governo Lula pretenda alterar a estrutura fundiária do país, ao contrário das teses defendidas historicamente pelo PT. No máximo, o governo continuará funcionando como um pronto-socorro de emergência frente aos conflitos fundiários: assentar acampados, desapropriar áreas sem interesse para o latifúndio etc. 

O mais provável é que o governo dê prosseguimento à receita do Banco Mundial: tostões para os pobres e bilhões para os ricos. Assim, aplaca-se a ira nas duas pontas da estrutura social. Aos pobres, políticas sociais que exigem, do orçamento do Executivo, cerca de R$ 10 bilhões por ano. Aos ricos, detentores dos títulos da dívida pública, o Bolsa Fartura que lhes transfere anualmente aproximadamente R$ 100 bilhões. 

Tudo parece simples se no porão das contas públicas não houvesse uma bomba prestes a explodir: os limites da  relação dívida/PIB. Quanto mais - em valor e tempo - o governo pode transferir à cornucópia da elite? A resposta não parece animadora vista do buraco em que anda o pífio crescimento do país. Se o PIB crescer, pode-se suportar relativo crescimento da dívida pública. Mas como desatar o nó do crescimento sem cortar gastos públicos e reduzir os  juros?

O governo quer manter acesa a vela destinada aos pobres e a fogueira que aquece a renda dos ricos. Até agora, a saída que encontrou para agradar uns e outros é aumentar impostos, hoje em 37,37% do PIB, e apertar ainda mais o cinto do ajuste fiscal. Assim, poderá manter a Bolsa Família e a Bolsa Fartura, e engordar sua poupança no exterior, hoje calculada em US$ 70 bilhões, um recorde comparado às administrações anteriores.

Talvez a opção do novo governo Lula seja mesmo a de manter o Brasil no banho-maria das políticas neoliberais, sem tocar nas estruturas que impedem a redução da desigualdade social e favorecem a multiplicação geométrica da fortuna dos 20% mais ricos da população. Se assim for, nem é preciso falar em "pacto social" ou "concertação". Basta o PT entender-se com o PSDB e oficializar, como nos EUA, a alternância no poder, deixando o PMDB entregue à sua sina de "hay gobierno, soy favorable".

Os descontentes que se organizem e mobilizem.

Autor, em parceria com Luis Fernando Veríssimo e outros, de "O desafio ético" (Garamond), entre outros livros.


* Frei dominicano. Escritor.

Fonte:  ADITAL

Mais Sobre Opinião

Está avisado, governador!

Está avisado, governador!

O mundo todo está atento para adquirir, logo que isso seja possível, a vacina contra o novo coronavírus. Isso significa, obviamente, que quem dormir

Corporativismo quer salvar o mandato do senador cuequeiro

Corporativismo quer salvar o mandato do senador cuequeiro

Quando se trata de fazer arranjos políticos, o Congresso Nacional não deixa por menos – com as devidas exceções -, apesar de essa não ser uma caract

Para quem tem cloroquina, quem se importa com vacinação?

Para quem tem cloroquina, quem se importa com vacinação?

Diante de severas crises que costumam abalar as Nações, tudo que se espera dos seus governantes, são ações, atitudes e comportamentos sensatos, equi

Campanha eleitoral não empolga eleitor

Campanha eleitoral não empolga eleitor

Em novembro próximo, o eleitor de Porto Velho terá um encontro marcado com as urnas. Vamos escolher prefeito e vinte e um vereadores. A campanha, poré