Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A CALAMIDADE PÚBLICA X DÍVIDA DO BERON


 A CALAMIDADE PÚBLICA X DÍVIDA DO BERON - Gente de Opinião

O noticiário local e nacional informa que foi publicado  no Diário Oficial da União o reconhecimento, pelo governo federal, do estado de calamidade pública em Porto Velho, que enfrenta dificuldades com a cheia histórica do Rio Madeira.

O prefeito da capital de Rondônia já havia decretado calamidade.O reconhecimento pelo governo federal é passo importante para uma possível liberação de recursos para conter os danos causados pelas inundações.

De acordo com o último balanço do governo local, há 2.502 famílias atingidas diretamente pela cheia do rio. O total de afetados equivale a mais de 12 mil pessoas em Porto Velho, nos 11 distritos da capital e nas três cidades que enfrentam emergência (Guajará-Mirim; Nova Mamoré e Candeias do Jamari).

Estima-se 800 famílias desabrigadas ocupando abrigos e 1.702 famílias desalojadas, vivendo em casa de parentes.

O que tem a ver a enchente do Madeira com a dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia com a União?

TUDO.

Atualmente a dívida do Beron é descontada do Estado de Rondônia pela União nos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE). Os descontos estão orçados em aproximadamente R$ 13 milhões por mês. De acordo com informações da Secretaria de Estado de Finanças (Sefin), a dívida do extinto banco chegava a R$ 4.300 bilhões, sendo que o Estado já teria feito o repasse, nesses últimos anos, de mais de R$ 1.800 bilhões à União.

O pagamento dessa famigerada dívida pela população de nosso Estado é imposição INJUSTA, com a qual nenhum governante ou parlamentar conseguiu, até o momento, em definitivo uma solução para a extinção de tamanha absurda cobrança que sangra mensalmente os cofres combalidos de nosso Estado.

É dinheiro que deixa de ser investido,  em saúde (uma das áreas mais críticas do Estado), em Educação, Segurança, Estradas e na própria recuperação das cidades atingidas pelas enchentes.

A dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia (Beron), segundo consta, adquirida na década de 1990 ainda vai gerar prejuízo ao cofre estadual até 2028. Pelo menos essa é a previsão do Tribunal de Contas do Estado (TCE). O débito ultrapassava R$ 2 bilhões e ainda resta R$ 1 bilhão a serem pagos em parcelas mensais de R$ 13 milhões. O problema foi acarretado, segundo restou apurado, pela má gestão da instituição financeira, que na década de 1990 sofreu intervenção do Banco Central.

O Banco Central  interveio na administração do Beron em fevereiro de 1995. Nessa época, apuraram que o banco estava com um saldo negativo, avaliado em cerca de R$ 100 milhões. Para saldar a dívida e arcar com encargos, era necessária uma quantia de R$ 502 milhões. Em 1998, após uma perícia do TCE, foi verificado que um rombo de R$ 345 milhões, deixado pelo Regime de Administração Especial Temporária (Raet) do BC, se junta com a dívida já existente na instituição.

Sem embargos de medidas adotadas até o momento para suspensão da dívida, certo é que passou da hora do Governo Estadual, Municipal, Assembleia Legislativa, Câmara de Vereadores, Entidades de Classes, como OAB, Sindicatos, Fecomércio, Associações, União de Estudantes e até a Arquidiocese buscarem dar um basta para a extinção da dívida do extinto BERON.

Não existe momento mais propicio que o atual (onde o estado de calamidade pública foi reconhecido pelo Governo Federal)  para se buscar a extinção da dívida do extinto BERON, cessando em definitivo o pagamento mensal de R$ 13 milhões de reais, que poderão ser revertidos em proveito de investimentos em áreas carentes em todo o nosso Estado.

A população inteira de Rondônia, espera, nesse 1º de maio (Dia do Trabalho) que os governantes e parlamentares desse Estado honrem os mandatos que lhes foram outorgados e possam abraçar de forma destemida a causa de extinção da dívida do Beron, nesse momento de calamidade pública que passa nossa Capital, Guajará, Nova Mamoré e Distritos à margem do rio madeira).

Não será nenhum favor da presidente Dilma, a extinção da injusta dívida do extinto Beron, diante do caos pós-enchentes que hoje vive Porto Velho, Guajará-Mirim, Nova Mamoré e o baixo madeira.

A propósito o Governo de Rondônia estima em mais de R$ 5 bilhões o custo para reconstrução das áreas atingidas pela cheia histórica do Rio Madeira, que afetou, principalmente, os municípios de Porto Velho, Distritos,  Nova Mamoré e Guajará-Mirim. As três cidades têm estado de emergência reconhecido pelo governo federal. A projeção leva em conta custos com infraestrutura, saúde e ações sociais – mais de 30 mil pessoas foram atingidas, entre desabrigados e desalojados.

É chegada a hora e o momento de todos os parlamentares, Federais, Estaduais, Municipais, deixarem os projetos políticos de lado e irem a Brasília, lá permanecendo até uma solução definitiva, para a extinção da dívida do extinto Beron, obstruindo votações e negando apoio político a base aliado do governo federal, afinal as usinas aqui construídas, a custo da irreparável degradação ambiental,estão a serviço e atenderão prioritariamente a população do centro sul  e sudeste do Brasil, em detrimento do sofrimento de nossa população.

A conquista da extinção da dívida do Beron é o mínimo que a classe política e os governantes podem fazer pelo Povo de Rondônia.

David Pinto Castiel - Advogado

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.