Porto Velho (RO) terça-feira, 22 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Municípios

PANOBIANCO: Rio Machado atinge cota de alerta e preocupa em Ji-Paraná (RO)


 
Desde as nascentes na região de Vilhena, os rios Comemoração e Melgaço, que juntos formam o Machado, estão com nível muito acima do normal. A enchente em 2010 pode chegar antes do esperado e afetar milhares de pessoas. 



Gente de Opinião

Gente de Opinião



Daniel Panobianco - Uma elevação súbita como não se via há anos. Esta é a situação do rio Machado, ao longo de sua extensão, desde a região sul de Rondônia, em Vilhena, até o centro do Estado, região de Ji-Paraná. Outros rios que desembocam no Machado também já apresentam elevação significativa, dois meses antes do período ápice de cheia na região, que normalmente ocorre entre o final de março e início de abril. 

A elevação rápida no nível do Machado deve-se mais ao solo encharcado, que desde setembro do ano passado está saturado de umidade em excesso e não tão somente em virtude das chuvas. Em 2009 não tivemos um período de seca significativa em Rondônia e isto agora agrava a situação dos rios, o que pode transformar um evento natural, de ciclos, para uma cena de grande preocupação haja vista a quantidade de propriedades rurais que se situam próximos ao nível do rio e da população urbana banhada pelo mesmo em Pimenta Bueno, Cacoal, Presidente Médici e Ji-Paraná. 

Ao final da noite desta quinta-feira (14), a régua da estação telemétrica da ANA (Agência Nacional de Águas) atingiu 9,78 metros, a marca necessária para o Machado atingir o limite da cota de permanência, que é de 95% de sua capacidade. A partir deste nível, as encostas já começam a ser alagadas em Ji-Paraná. 

Na segunda maior cidade de Rondônia, com mais de 111 mil habitantes, 10 mil são afetados direta e indiretamente pela cheia do Machado, quando o mesmo ultrapassa os 10,50 metros; Em pelo menos 6 bairros da cidade, a água invade casas, comércios e prédios públicos, assim como na enchente do ano passado, quando o mesmo atingiu 11,45 metros no dia 26 de fevereiro, onde famílias ficaram desalojadas (foram para casas de amigos e parentes). 

Ao que depender da constante elevação do rio, ainda em Pimenta Bueno e a previsão de mais chuvas ao longo das próximas duas semanas, uma enchente de grandes proporções jamais pode ser desconsiderada na área, uma vez que o Machado é conhecido como o "rio nervoso", pois responde rapidamente a cada chuva mais intensa que cai em seus afluentes. 

A elevação na estação do sítio Bela Vista, em Pimenta Bueno, chama a atenção e põe em alerta as autoridades das cidades seguintes por onde o Machado passa. O rio atingiu ao final da noite, 6,20 metros, quando o limite para a cota de permanência é de 5,35 metros. Várias fazendas ao leito do rio já registram pontos totalmente alagados. 

Nos próximos dias, a chuva que deverá cair na região das nascentes do Machado poderá transformar uma breve observação momentânea em preocupação de grandes magnitudes às autoridades locais. 

Dados históricos não indicam elevações rápidas ao longo dos anos em um mês de janeiro, apenas em 2005, quando a enchente foi grande, janeiro praticamente apresentou um nível acima dos 10 metros e em 6 de março, o nivel máximo foi registrado, com 11,83 metros. As duas piores enchentes em Ji-Paraná pertencem aos anos de 1986 e 1989, quando o nível do rio ultrapassou a rodovia BR-364 inundando 30% do perímetro urbano.

Dados: ANA (Fotos: Jean Sperandio)
Fonte: De olho no tempo

Mais Sobre Municípios

Semusa promove ações de valorização da vida para profissionais de saúde

Semusa promove ações de valorização da vida para profissionais de saúde

Setembro é o mês de intensificação das ações de prevenção ao suicídio através da campanha Setembro Amarelo. Em um ano de pandemia, com o isolamento