Porto Velho (RO) segunda-feira, 10 de maio de 2021
×
Gente de Opinião

Municípios

JI-PARANÁ: Rio Machado sobe, mas não preocupa


Daniel Panobianco - O nível do rio Machado, em Ji-Paraná está dentro dos padrões de segurança, segundo dados da estação telemétrica da ANA (Agência Nacional de Águas). Neste sábado, a leitura da régua indicou nível de 7,81 metros. No mesmo período em 2006, o nível estava em 7,98 metros. O nível aceitável da cota de normalidade é de até 9,78 metros. A partir deste valor, a cota de alerta de cheia é acionada.

Como em Ji-Paraná não existe Defesa Civil estruturada e regulamentada, a parte de monitoramento e possível retirada de famílias que vivem em áreas de risco fica por conta do Corpo de Bombeiros local e de uma comissão criada para resguardar os acontecimentos e eventos extremos que possam atingir a cidade. É a chamada COMDEC (Comissão Municipal de Defesa Civil), composta por pessoas da sociedade organizada e alguns membros do governo municipal. 

Em Ji-Paraná, mais de 350 famílias são cadastradas por residirem em pontos estratégicos que alagam quando o Machado passa de 9,78 metros. Os bairros mais afetados são Urupá e Duque de Caxias. 

A chuva registrada nesses 21 dias de dezembro pende para o lado preocupante, não de cheia, mas sim de forte indicio de estiagem em pleno inverno amazônico. A média é de 300 milímetros de precipitação, mas até o momento só choveu 10,5 mm. 

Em 2007, a estiagem no Estado de Rondônia em geral deixou marcas assustadoras em várias cidades, com rios quase secos e muitas pessoas sem água potável. Ribeirinhos ficaram sem o alimento principal - o peixe - e outros tantos, que residem em comunidades longínquas ficaram à mercê esperando a ajuda do governo que não veio. Isso porque a chuva ainda teve proporções aceitáveis em dezembro de 2005 e nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2006. 

Se o volume de chuva continuar assim nos próximos 3 meses, com precipitações muito escassas e mal distribuídas, certamente e sem razão de desconfiança, o período de estiagem em 2008 será catastrófico. 

Como nunca vemos alertas dos centros de pesquisas locais, que só aparecem na mídia para ditar as causas depois que o evento já ocorreu e não há mais interesse em monitoramento, a população de Rondônia pode estar diante de um verdadeiro caos com relação ao período de seca e queimadas no próximo ano, uma vez que as previsões dos centros de pesquisa de âmbito nacional, como CPTEC/INPE e INMET, não otimizam para chuvas dentro da média em Rondônia.  Dados: ANA - CPTEC/INPE - INMET 

Fonte: De olho no tempo

Mais Sobre Municípios

Tarifa a R$1 no transporte coletiva começa a valer na segunda-feira (10)

Tarifa a R$1 no transporte coletiva começa a valer na segunda-feira (10)

No próximo domingo (9), encerra o prazo de gratuidade da tarifa no transporte coletivo em Porto Velho. A partir de segunda-feira (10), até o dia 9 de

Iniciada as ações de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes em Rolim  de Moura

Iniciada as ações de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes em Rolim de Moura

A Secretária Municipal de Assistência Social de Rolim de Moura (RO) Sandra Miranda, informou que as ações para chamar atenção da sociedade rolimoure

ACR reivindica aumento do número de ônibus em Porto Velho

ACR reivindica aumento do número de ônibus em Porto Velho

A mais antiga e prestigiada associação comercial de nosso estado, a Associação Comercial de Rondônia-ACR, fundada em 30 de setembro de 1928, sob o n

Servidores da saúde de Porto Velho avaliam importância da rotina de dedicação

Servidores da saúde de Porto Velho avaliam importância da rotina de dedicação

O Dia do Trabalhador esse ano é diferente para muitos dos servidores do município de Porto Velho. A pandemia da Covid-19 mudou a rotina para quem atua