Porto Velho (RO) quarta-feira, 27 de janeiro de 2021
×
Gente de Opinião

Municípios

Enchente em uma área de declive atinge o rio Jamarí (RO)



O nível do rio está acima da média em uma parte do município de Candeias do Jamarí. Várias casas estão submersas.

Daniel Panobianco – Mais um rio rondoniense entra na lista dos que estão provocando alagamentos. Os rios de Rondônia não estão subindo todos ao mesmo tempo, aliás, todo o ano acontece isso. Em alguns, eles sobem além do esperado e causam maiores transtornos, em outros apenas atingem a marca máxima. O que acontece de tanta informação veiculada na imprensa ultimamente sobre a situação dos rios e das chuvas é que há dados suficientes apontando tal gravidade. Nos últimos anos, não havia matérias quase que diariamente sendo postadas, pois as informações eram escassas e poucos veículos de comunicação reportavam os acontecimentos climáticos do Estado. Se fossemos depender dos centros de pesquisa de Rondônia, nenhuma informação a mais chegaria à população porque eles não se interessam em divulgar, monitorar e acompanhar o sofrimento das pessoas que são atingidas com os alagamentos. Os dados só são divulgados quando alguém da imprensa rondoniense os procura para questionar a situação do momento.

A informação divulgada em um telejornal local do Estado de que o nível do rio Jamarí está até 10 metros acima do normal é inverídica. Segundo a reportagem apurou, não há régua de medidas na área, mas o SIPAM acredita que esse seja o nível atual, mediante as imagens mostradas na televisão.

A verdade e que a reportagem deixou de enfocar é que o ponto de alagamento no município de Candeias do Jamarí está em uma área de declive e não porque o rio está 10 metros acima do normal engolindo tudo o que encontra pela frente. Muito pelo contrário, pelo próprio relevo natural de Rondônia, apenas rios grandes como Machado e Madeira atingem marcas superiores a 10 metros. Isso porque a Bacia Amazônica não permite que rios mais profundos existam em áreas onde o nível médio em atitude, com relação ao nível do mar é menor que 100 metros, assim como na região de Candeias.

A enchente em um ponto localizado de Candeias existe, famílias estão com suas casas tomadas pela água, mas isso ocorre apenas em uma parte de declive acentuado onde as casas estão construídas. Não existe nenhum dado justificável que reporte nível acima de 10 metros no rio como relatado pelo SIPAM.

A média do rio Candeias, da nascente próximo ao povoado de São Sebastião, na divisa com o município de Porto Velho e o igarapé Ambição até o encontro com o rio Madeira é de 3 metros e grande parte deste trajeto está normal até então. O único ponto acima da média fica na área de baixada onde dentro dessa área mais baixa estão as casas.

Dados: ANA
Fonte: AMAZONIAOVIVO.COM

Mais Sobre Municípios

Farmácia municipal irá funcionar nos finais de semana em Ariquemes

Farmácia municipal irá funcionar nos finais de semana em Ariquemes

A prefeitura do município de Ariquemes anunciou que a farmácia popular, atenderá a população também nos finais de semana, a partir do último sábado,

Cacoal: indenização para servidores da saúde que atuam no hospital de campanha foi aprovada

Cacoal: indenização para servidores da saúde que atuam no hospital de campanha foi aprovada

Durante a primeira sessão extraordinária, realizada na manhã desta segunda-feira (25), na Câmara de vereadores de Cacoal, todos os doze vereadores (

Prefeitura de Porto Velho avisa que etapa de orientações Já passou e agora haverá notificações

Prefeitura de Porto Velho avisa que etapa de orientações Já passou e agora haverá notificações

A primeira operação realizada após a publicação do decreto 25.728, com o propósito de orientar e educar os comerciantes sobre os riscos de aglomeraç

Prefeitura de Ariquemes suspende aumento de tarifas do serviço público de abastecimento de água e esgotamento sanitário

Prefeitura de Ariquemes suspende aumento de tarifas do serviço público de abastecimento de água e esgotamento sanitário

A Prefeitura de Ariquemes, por meio da Procuradoria Geral do Município (PGM), editou nesta segunda-feira (18), o decreto Nº17.133/21, que visa suspe