Porto Velho (RO) sexta-feira, 25 de junho de 2021
×
Gente de Opinião

Municípios

Amorim cobra regularização de terra para remanescentes do massacre de Corumbiara



Cerca de mil famílias, a maioria remanescente do conflito denominado massacre de Corumbiara, ocorrido em agosto de 95, em que dois policiais militares e nove trabalhadores rurais sem terra foram mortos durante desocupação da fazenda Santa Elina, no cone sul de Rondônia, ainda aguardam a titularidade de um pedaço de chão para viver e trabalhar.

Esse relato foi feito hoje (4) no plenário da Câmara pelo deputado federal Ernandes Amorim (PTB), durante discussão da Medida Provisória 458, que dispõe sobre a regularização fundiária na Amazônia. Segundo ele, esse caso ilustra bem o quanto o governo federal tem sido omisso, negligente, e protelador com os trabalhadores na Amazônia, mais especificamente em Rondônia.

“Essas famílias de sem terra ocuparam duas áreas em Cujubim, logo após o conflito de Corumbiara, uma próxima a BR 364 no trecho que faz a ligação com o município e outra logo após a cidade. Pois bem, nesse período a Justiça, nesse caso o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que esses trabalhadores fossem assentados nessas áreas que devem ter umas 20 mil hectares, mas infelizmente nada foi feito. E por quê? Por que se alega que não tem dinheiro para indenizar a área. Essas famílias me procuraram, pois estão temerosas já que o dono dessas áreas está pedindo a reintegração”. Amorim disse também que, nesse meio tempo, o governo federal tem mandando as “esmolas” de sempre (cestas básicas entregues pelo Incra), mas negligenciado com a regularização e, principalmente, a desapropriação da área, matéria já definida pela Justiça.

Amorim está designado pela liderança do PTB na Câmara para discutir a MP 458, onde já apresentou seis emendas, mas se disse surpreso com essa situação vivenciada em Cujubim, por sem terra remanescentes de Corumbiara. Na tarde desta quarta-feira, ele agendou uma audiência com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, para discutir uma saída. “Essas pessoas estão na terra, a Justiça já reconheceu seus direitos. Não entendemos essa medida protelatória, descabida, que tende a prejudicar os trabalhadores já que o proprietário quer a reintegração dado a demora. Já não basta o terror implantado pelas ações do Ministério do Meio Ambiente. Precisamos de mais sensibilidade e mais ações efetivas”, disse

Fonte: Yodon Guedes

Mais Sobre Municípios

Nove bairros de Porto Velho recebem obras de infraestrutura nesta quinta-feira

Nove bairros de Porto Velho recebem obras de infraestrutura nesta quinta-feira

Todos os dias, equipes de obras da Prefeitura de Porto Velho atuam no cumprimento das metas do projeto de urbanização da capital. O planejamento é fei

Saneamento avança em Ariquemes: empresa de saneamento conclui a primeira etapa de construção do novo reservatório de água tratada

Saneamento avança em Ariquemes: empresa de saneamento conclui a primeira etapa de construção do novo reservatório de água tratada

Garantir água com qualidade e regularidade é um dos principais objetivos da Águas de Ariquemes, atualmente, na área urbana do município mais de 93%

Professora da rede pública municipal de Ariquemes vence concurso nacional do projeto "Caminho das Águas"

Professora da rede pública municipal de Ariquemes vence concurso nacional do projeto "Caminho das Águas"

Com o filme "Todos Pela Água", a professora Gilvany Santos Batista da Escola Municipal Jorge Luiz Moulaz, em Ariquemes, foi a vencedora no concurso

Vilhena: Pago recurso destinado por Mariana Carvalho para compra de caminhão-pipa

Vilhena: Pago recurso destinado por Mariana Carvalho para compra de caminhão-pipa

A parceria entre a Deputada Federal Mariana Carvalho e o ex-Vereador Rafael Maziero segue gerando resultados positivos para Vilhena. Desta vez, a Pr