Porto Velho (RO) sexta-feira, 10 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Ministras do Japão renunciam após divulgação de irregularidades


Da Agência Brasil*  

As ministras japonesas da Indústria e Comércio, Yuko Obuchi, e da Justiça, Midori Matsushima, pediram demissão hoje (20) após denúncias de irregularidades. Desde a sua chegada ao poder no final de 2012, este é o golpe mais duro para o primeiro-ministro Shinzo Abe.

Yuko Obuchi apresentou hoje a sua demissão depois de, na semana passada, terem sido divulgadas notícias sobre suposta utilização ilegal de fundos por sua organização política, informaram fontes do Executivo. Yuko, que assumiu a pasta no início de setembro, foi o nome mais destacado na primeira remodelação do governo realizada por Abe desde que chegou ao poder em dezembro de 2012, em  momento de desgaste da popularidade do primeiro-ministro.

Os partidos de oposição denunciaram que a ministra da Justiça distribuiu leques com sua imagem para os eleitores o que constitui violação da lei eleitoral, segundo os oposicionistas. Na sexta-feira (17), o principal partido de oposição, o Partido Democrata, apresentou queixa criminal contra Midori.


* Com informações da Agência Lusa e da NHK

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia