Porto Velho (RO) sexta-feira, 26 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Metade do dinheiro doado a países da África para combater a Aids não é gasta


Carolina Brígido - Agência O GloboBRASÍLIA - Metade dos recursos doados a países da África sub-saariana para financiar o combate à Aids não é gasta. Um estudo realizado pelo Centro Internacional de Pobreza do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) constatou que esse percentual do dinheiro fica retido no Banco Central do país beneficiado com a doação para fazer caixa. O coordenador da pesquisa, Terry McKinley, representante da instituição em Brasília, alerta para um problema grave: em vez de se empenhar prioritariamente em frear o avanço da doença, esses países estão mais preocupados com questões macroeconômicas.A preocupação das Nações Unidas é que, se esse comportamento não for modificado logo, é muito provável que não se cumpra a meta traçada para que, até 2015, o avanço da Aids seja contido e o número de infectados com a doença comece a regredir. Não foi revelado o número de países avaliados pelo PNUD. Também não foi divulgado o percentual não gasto dos recursos repassados em cada um dos países. Segundo McKinley, a média fica em 50%.Os países avaliados pelo estudo têm receio de que o gasto de todo o dinheiro recebido para incrementar políticas de combate à Aids afete a saúde financeira interna. Os governos temem que os custos computados a mais nas despesas internas reflitam no aumento da inflação e na volatilidade cambial da moeda. Segundo McKinley, esse risco é real se consideradas as peculiaridades econômicas de boa parte dos países que dependem da ajuda.Outro problema que impede os países beneficiários das doações de gastar todo o dinheiro recebido é a falta de estrutura para absorver os recursos. Em alguns locais, por exemplo, não adianta adquirir grandes lotes de medicamentos se a rede de saúde não tem médicos suficientes para atender aos doentes.- Um dos motivos para não usarmos todo o dinheiro recebido é a nossa falta de capacidade técnica - explicou o representante do PNUD na Etiópia, Fidele Sarassoro.Esses e outros nós do gerenciamento da ajuda financeira estão sendo discutidos em um encontro realizado em Brasília. O encontro tem a participação de governos africanos, integrantes das Nações Unidas e representantes do Fundo Monetário Internacional (FMI).Apesar de os recursos não serem totalmente gastos, as doações de países ricos para programas de combate à Aids aumentaram no período de 2002 a 2004. A Zâmbia, por exemplo, recebeu 698% a mais na comparação entre os dois anos. O incremento foi de 394% na Tanzânia e de 321% em Moçambique.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Hábitos digitais estão 'atrofiando' nossa habilidade de leitura e compreensão?

Hábitos digitais estão 'atrofiando' nossa habilidade de leitura e compreensão?

"As pessoas estão percebendo que algo está mudando em si mesmas, que é seu poder de leitura. E há um motivo para isso"

Suicídio: Ex-presidente do Peru morre após dar tiro na cabeça ao ser preso

Suicídio: Ex-presidente do Peru morre após dar tiro na cabeça ao ser preso

O ex-presidente do Peru Alan García morreu hoje (17) durante cirurgia, depois de dar um tiro na cabeça ao receber ordem de prisão em sua casa, no bair

Terrorismo: Ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia deixam mortos e feridos

Terrorismo: Ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia deixam mortos e feridos

Ataques simultâneos a duas mesquitas na cidade de Christchurch, no sul da Nova Zelândia, deixaram pelo menos 49 mortos e 48 feridos. Autoridades class

Bolsanaro inaugura sistema de telecomunicações operado pela Oi na estação brasileira na Antártica

Bolsanaro inaugura sistema de telecomunicações operado pela Oi na estação brasileira na Antártica

Em cerimônia realizada no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro inaugurou hoje os novos serviços de telecomunicações da Estação Antár