Porto Velho (RO) sábado, 4 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

China confirma execução de britânico por tráfico de droga



A China confirmou nesta terça-feira a execução com uma injeção letal do cidadão britânico Akmal Shaikh, condenado a morte por tráfico de droga.

A família de Shaikh e pessoas que tiveram contato com ele nos últimos anos afirmaram que ele era um enfermo mental.

O britânico foi o primeiro europeu executado na China em 58 anos, apesar dos pedidos de clemência e das iniciativas diplomáticas de Londres.

A agência oficial Xinhua (Nova China) anunciou que a execução aconteceu nesta terça-feira em Urumqi, capital da região norteocidental de Xinjiang.

Mais cedo, o primeiro-ministro britânico Gordon Brown havia anunciado, e condenado, a execução.

"Condeno a execução de Akmal Shaikh com a máxima firmeza, estou escandalizado e decepcionado por nossos persistentes pedidos de clemência não terem sido atentidos", afirmou Brown em um comunicado.

"Estou particularmente preocupado com o fato de que não tenha sido realizada nenhuma avaliação da saúde mental do condenado", acrescenta o premier, que apresentou condolências à familia e aos amigos de Akmal Shaikh. 

Fonte: Portal IG com informações de AFP

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia