Porto Velho (RO) sábado, 22 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Fátima Cleide critica lei que prejudica pesca profissional RO


A senadora Fátima Cleide (PT-RO) declarou, nesta segunda-feira (2), apoio ao restabelecimento das condições de legalidade e sustentabilidade da atividade pesqueira nas bacias dos rios Mamoré e Guaporé, em Rondônia. Segundo a parlamentar, a lei estadual que dá preferência à pesca amadora, em detrimento da artesanal, gera desemprego, fome e violência. Ao lembrar que o Dia do Pescador foi comemorado no último dia 29, a senadora informou que Rondônia optou, com a promulgação da lei estadual 1.729, de 19 de abril de 2007, por restringir a pesca profissional artesanal e investir na pesca amadora e esportiva, ligada à indústria do turismo.
O objetivo da medida, segundo Fátima, seria "poupar estoques pesqueiros". Os estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Roraima e Tocantins têm legislações semelhantes.
Fátima Cleide explicou, no entanto, que, além de gerar exclusão social, a lei não combate as verdadeiras causas do esgotamento dos recursos pesqueiros. Ela citou carta que lhe foi encaminhada por 700 pescadores artesanais ligados às colônias de Guajará-Mirim, Pimenteiras do Oeste e Costa Marques.
No documento, os pescadores afirmam que a eventual escassez do pescado estaria muito mais ligada à pesca predatória, ao desmatamento da mata ciliar, à intensificação do uso de agrotóxicos nas lavouras e à pesca amadora sem controle dos órgãos institucionais responsáveis.
"Os antes pescadores, que antes eram profissionais, descendentes diretos de uma das mais belas e antigas tradições de nossa região, de um dia para outro são transformados em desempregados, marginais e potenciais contraventores, impotentes diante da degradação daquilo que sempre foi o sustento digno e seguro de milhares de famílias", lamentou a senadora. Além disso, denunciou a representante pelo Estado de Rondônia, a lei teria sido aprovada no prazo recorde de 50 dias, sem exame adequado por parte da Assembléia Legislativa, sem o parecer das comissões de Meio Ambiente e Agricultura e sem a participação da comunidade.
A lei seria ainda, segundo Fátima Cleide, inconstitucional, já que rios a que se refere atravessam as fronteiras de Rondônia e chegam ao território boliviano. O Estado, portanto, não poderia legislar sobre o assunto, que seria de competência exclusiva da União.
"A clara extrapolação de competência efetivada com essa lei estadual certamente terá de ser corrigida pelos mecanismos previstos pela Constituição. Os benefícios econômicos da pesca amadora ou esportiva, do modo como se quer implementados a qualquer custo, não pagam a exclusão social dos pescadores artesanais destituídos das bases de sua sustentabilidade",  disse a parlamentar.

Fonte: Mara Paraguassu

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat