Porto Velho (RO) quinta-feira, 14 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

O mais famoso biopirata da Amazônia



Cantado em prosa e verso – até mereceu canção dos Beatles –, sir Walter Raleigh foi certamente o maior herói inglês. Mas, para os amazônidas, não passaria de um biopirata a mais – o mais famoso deles, certamente, mas nem por isso menos pirata.

Como tantos outros aventureiros e corsários, Raleigh também se sentiu atraído pela ampla divulgação da lenda do Eldorado, que se tornou objeto do desejo em uma Europa ávida pela conquista de novas fontes de riqueza. Portugal e Espanha haviam apontado o Novo Mundo como a nova cornucópia de maravilhas a explorar.

Inevitavelmente não poderiam passar em brancas nuvens as notícias de que Eldorado era uma cidade com prédios de ouro maciço, ruas cravejadas de pedras preciosas e tesouros à flor da terra, bastando descer a mão e pegar. Desde 1524, quando os espanhóis começaram a dominar os Andes, a lenda se espalhou e muitos ávidos exploradores vieram para levar todas as riquezas que pudessem. A cidade de ouro ficaria nos arredores da nascente do rio Caroni, na Venezuela de hoje, mas toda a exploração ali realizada foi infrutífera.

Por isso mesmo, os novos aventureiros, como sir Walter Raleigh, procuraram bater uma área mais ampla e não dar ponto sem nó: enquanto não encontravam Eldorado, iam recolhendo amostras de plantas e espécimes animais para investigar seu potencial econômico. Estava inaugurada oficialmente a biopirataria, a serviço de Sua Majestade.

História aterrorizante – A história do célebre biopirata da Amazônia começa na localidade inglesa de East Budleigh, por volta de 1552 ou 1554, nascido em data incerta. Seria uma existência pontilhada de ousadia, pioneirismo e tragédia. Pois foi sir Walter quem fundou, na trágica ilha de Roanoke, entre 1584 e 1585, o primeiro núcleo de colonização inglesa na América. Esse núcleo de povoamento, entretanto, desapareceu misteriosamente. E motivou o intrigante filme Espíritos da Floresta (Matt Codd, 2007).

A família Raleigh, protestante, foi severamente perseguida pelos áulicos da rainha católica Maria I de Inglaterra. Em uma de suas fugas desesperadas, o pai de Raleigh teve que se esconder numa torre para evitar ser morto. Por isso mesmo Walter se sentiu feliz quando a rainha protestante, Elizabeth I, subiu ao trono em 1558. E mais feliz ainda ficaria ao conquistar o coração – e os favores – da rainha.

Mas não é a felicidade, e sim a tragédia, a marca principal daquele que foi um dos maiores biopiratas da Amazônia. 

Fonte: Carlos Sperança

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.