Porto Velho (RO) terça-feira, 17 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

Naquela rua tá faltando ele


Naquela rua tá faltando ele - Gente de Opinião


As cidades são para algumas pessoas como algumas pessoas e lugarzinhos são para a cidade e isso se revela quando não se fala de uma cidade sem citar determinada pessoa ou lugarzinho.

Se mencionar que um bar bem frequentado na Pinheiro Machado ou na Tenreiro Aranha é parte da história de Porto Velho, talvez meu leitor não se recorde, mas se disser que chamava Bangalô, o Banga, do Macalé, quem não conheceu saberá por outro.

A casa funcionou como reduto cultural e ponto de encontro das mais picantes canfabulâncias políticas, palco de memoráveis encontros etílicos e paqueras.

Na década de 80 não tinha pra outro, o Banga reinava absoluto na preferência dos notívagos, fosse no início ou fim da noite, fosse pelo sandubão da casa ou o caldinho de feijão, fosse pelo som do Marão.

Espiem, até rimou! Tudo naquele refúgio rimava, fosse em verso ou prosa, poesia exalava.

Naquela rua tá faltando o Bangalô e a saudade dele chega a doer em muita gente.

Naquela rua tá faltando ele - Gente de Opinião

Nasceu num novembro de 1981 pelas mãos do Macalé, da Lene e da Heloísa e fechou as portas em 1998. Como a saudade não morre nas pessoas, o Bangalô estará sempre vivo na história de Porto Velho.

Como o Bar ficou pra cidade, algumas figuras emblemáticas ficaram para o Bar. É impossível lembrar do Bangalô sem mencionar os saudosos Paulo Queiróz, Odair Cordeiro e o boêmio mais amigo de todos chamado Juvenal. Sentar numa mesa com essas figuras era garantia de muito riso e informação.

 

Naquela rua tá faltando ele - Gente de Opinião


O que motiva esse surto de nostalgia é a passagem do aniversário de 70 anos do Macalé (Assista AQUI a entrevista de Macalé com o saudoso Sérgio Mello), o único vascaíno que carinhosamente me chama de musa como um amigo querido que gosta do que escrevo e da forma como escrevo. Ele foi merecidamente homenageado pelos familiares e amigos com uma festa surpresa no Mercado Cultural, onde por incontrolável emoção chorou e fez chorar.

Parafraseando o amigo Sérgio Souto, “Naquele bar ele juntava gente e todo mundo contava contente o que fez de manhã.”

Naquela rua tá faltando ele - Gente de Opinião Naquela rua tá faltando ele - Gente de Opinião Naquela rua tá faltando ele - Gente de Opinião


Macalé fechou o Bangalô, mas estampa num sorriso da largura do Madeira, um compêndio de memórias valioso e indispensável sobre o bar que entrou pra história da cidade.

Não resta uma mesa, mas todo mundo ainda fala das noites quentes e animadas do eterno Bangalô.

Luciana Oliveira – empresária e jornalista

 

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.