Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

Nacionalização da EFMM 78 anos depois


Há 77 anos, o governo brasileiro assumia a administração da EFMM. Tudo começou no inicio do ano de 1931 quando a empresa Madeira Mamoré Railway, informou ao governo brasileiro que estava passando por dificuldade, em conseqüência da crise da borracha e da crise econômica que atingia o país, desde 1929. O governo brasileiro não deu muita atenção a esse comunicado o que fez com o advogado da empresa americana Dr. Ricardo Xavier da Silveira no dia 25 de junho de 1931 entrasse com petição junto ao Juízo Federal da 2ª Vara, do Rio de Janeiro, onde declarava que a Madeira Mamoré Railway Company estava disposta a interromper o tráfego da ferrovia e solicitava ainda que a Justiça citasse União para receber todo o acervo da Ferrovia. 

Aqui vamos fazer uma pausa na pendenga judicial, para fazer algumas considerações que achamos convenientes ao assunto em pauta. 

Sempre que somos consultados para nos manifestarmos a respeito do assunto Madeira Mamoré, costumamos nos referir ao empresário Percival Farquar como grande “malandro”. Malandro no sentido de ambicioso e que a paralisação dos serviços da Ferrovia provocada pela sua empresa, foi mais uma tentativa de golpe no governo brasileiro. Jamais concordamos com os motivos alegados pela Madeira Mamoré Railway de que a Estrada de Ferro dava prejuízo. Para confirmar a nossa tese, vamos ao “Boletim Comercial” do Ministério das Relações Exteriores puGente de Opiniãoblicado em julho de 1934 onde consta o trabalho do Sr. J. de Mendonça Lima, cônsul do Brasil na localidade boliviana de Guaiara-merim. Mendonça Lima assim como eu discorda dos motivos alegados pela empresa arredantária da ferrovia para sua desativação, vamos ao relato do cônsul: “A instalação da madeira Mamoré Trading Co. em território boliviano, foi por exemplo, uma das maiores loucuras praticadas pela empresa arredantária da Ferrovia Madeira Mamoré, não só porque o meio em que ela pretendia operar não estava apto para tamanho empreendimento, como ainda porque lhe seria difícil estabelecer vantajosa competência comercial com as muitas firmas alemãs radicadas desde muitos anos nesse distrito”. Mendonça Lima concluiu seu relatório afirmando categoricamente, que o fracasso da empresa não tinha nada a ver com o preço da borracha. “Em suma, podemos afirmar que, para o ruinoso fracasso da citada empresa, influenciaram os fatores seguintes: crise, má administração, excessivos gastos, inconcebíveis e imperdoáveis caprichos comerciais, além de um profundo desconhecimento das característica psicológicas do meio em que se exerciam as suas atividades”. Depois cita algumas empresas que viviam apenas da exploração do látex e conseguiram se firmar economicamente, transformando seus proprietários em ricos empresários. 

Em nossa humilde análise, concluímos que quando Percival Farquar comprou a concessão da construção da EFMM de Joaquim Catrambi, visava apenas usar as composições da ferrovia, como meio de transporte para os produtos produzidos em seus seringais. Quer dizer, Farquar jamais pensou no escoamento dos produtos bolivianos e tão pouco na inclusão social do povo que vivia nas colônias ao longo da Estrada de Ferro e sim, no transporte da borracha produzida em seus seringais, que iam de Porto Velho no vale do alto e baixo Madeira até o Forte Príncipe da beira no Vale do Guaporé. 

Quando os administradores da Madeira Mamoré Railway viram que o negócio com a borracha não estava mais dando o lucro esperado, colocaram a culpa na Estrada de Ferro na tentativa de receber do governo brasileiro, exorbitante indenização pela sua construção. Esse é o nosso pensamento a respeito da paralisação das atividades da Estrada de Ferro Madeira Mamoré em 1931.

Fonte: Sílvio Santos

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.